FT-CI

NA ARGENTINA E NO BRASIL EM DEFESA DOS DIREITOS DA MULHER TRABALHADORA E DA JUVENTUDE!

Delegação do Pão e Rosas Brasil no XXVII Encontro Nacional de Mulheres da Argentina

03/10/2012

Por Pão e Rosas

Desde o Pão e Rosas Brasil, enviaremos uma delegação com as companheiras Marília Rocha, metroviária, e Rita Frau, professora, levando uma calorosa saudação ás companheiras do Pan y Rosas da Argentina, que compartilham conosco dessa visão. Saudamos a grande delegação que as companheiras estão organizando junto ás mulheres trabalhadoras da indústria, da educação, da saúde e dos serviços, as mulheres imigrantes, trabalhadoras dos engenhos de açúcar, donas de casa, empregadas domésticas, estudantes e jovens, rumo a um grande movimento pelos direitos da mulher trabalhadora e da juventude.
Nos dias 06, 07 e 08 de outubro ocorrerá na Argentina, na cidade de Posadas (província de Missiones), o XXVII Encontro Nacional de Mulheres. É um Encontro tradicional do movimento de mulheres na Argentina, que sempre cumpriu um papel importante na organização e na luta das mulheres. Desde o início, de 1986 até 2003 o Encontro mantinha um caráter anti-governista, porém, nesta última década, fruto da atuação da igreja e dos setores reformistas e governistas, mas também do PCR (Partido Comunista Revolucionário da Argentina), o Encontro foi se esvaziando e se tornando cada vez menos vivo e um espaço onde as mulheres não podiam se organizar de forma independente. O fato de ter Cristina Kirchner, uma mulher, no poder, trouxe também uma ilusão de que se pode por essa via mudar a vida das mulheres.

No Brasil vivemos uma situação parecida no movimento de mulheres. A presidente Dilma além de ser uma mulher ainda carrega consigo as ilusões que boa parte da classe trabalhadora tinha de que o PT faria um governo em benefício dos trabalhadores. Isso fez com que boa parte do movimento de mulheres no Brasil, dirigido pelas governistas do PT e PCdoB a partir principalmente da Marcha Mundial de Mulheres, acreditasse que bastava lutar para que as mulheres pudessem galgar espaços de poder.

Porém, tanto na Argentina como no Brasil as coisas foram muito diferentes das ilusões prometidas pelas reformistas e governistas. Cristina Kirchner e Dilma, ambas de mãos dadas com a igreja e impedindo ás mulheres o direito básico de decidir sobre suas vidas e seus corpos, não avançaram em nada para a descriminalização e legalização do aborto. No Brasil e na Argentina, milhares de mulheres continuam morrendo todos os anos vítimas de abortos clandestinos, principalmente as mulheres negras, imigrantes e pobres, com a cumplicidade dos governos.

O discurso de crescimento econômico e do “Brasil-potência” sobre o qual se assentaram os governos de Lula e de Dilma, não passa de uma falácia. Este crescimento não significou nenhuma melhora nas condições de vida dos trabalhadores e trabalhadoras. Pelo contrário, a garantia de crescimento dos lucros dos patrões brasileiros e estrangeiros instalados no país se dá justamente sob a base do enorme crescimento do trabalho precário e terceirizado, que afeta especialmente as mulheres, que já sofrem com a dupla jornada de trabalho. Na Argentina, no mesmo sentido, as companheiras do Pan y Rosas vem denunciando a violência contra a mulher, as redes de tráfico de mulheres, a discriminação nas fábricas e a situação das trabalhadoras imigrantes.

Por isso dizemos que nenhum governo que defenda os interesses da burguesia, seja ele dirigido por um homem ou por uma mulher, pode representar as mulheres trabalhadoras! Desde o Pão e Rosas Brasil, enviaremos uma delegação com as companheiras Marília Rocha, metroviária, e Rita Frau, professora, levando uma calorosa saudação ás companheiras do Pan y Rosas da Argentina, que compartilham conosco dessa visão. Saudamos a grande delegação que as companheiras estão organizando junto ás mulheres trabalhadoras da indústria, da educação, da saúde e dos serviços, as mulheres imigrantes, trabalhadoras dos engenhos de açúcar, donas de casa, empregadas domésticas, estudantes e jovens, rumo a um grande movimento pelos direitos da mulher trabalhadora e da juventude. Saudamos especialmente as mulheres da agrupação Marrón que, junto aos seus companheiros trabalhadores, acabaram de protagonizar um importante triunfo dessa chapa classista no Sindicato Ceramista de Neuquén.

Nós, mulheres do Pão e Rosas no Brasil, que no ano passado lutamos junto ás trabalhadoras terceirizadas da empresa de limpeza União na USP, que foi uma pequena expressão da combatividade das mulheres trabalhadoras cansadas da sua situação de semi-escravidão, temos orgulho de ser parte da mesma luta que as companheiras do Pan y Rosas na Argentina travam contra a exploração e a opressão ás mulheres. Atuamos nessa perspectiva a partir da Secretaria de Mulheres do Sintusp (Sindicato de Trabalhadores da USP), encabeçada pela companheira Diana Assunção, diretora do Sindicato e uma das processadas pela Reitoria da USP, defendendo a unidade das fileiras operárias e os direitos dos setores mais explorados de nossa classe. A partir da atuação entre professores da rede estadual de São Paulo, há um ano e meio defendemos uma ampla campanha pelo direito ao aborto legal, livre seguro e gratuito e educação sexual em todos os níveis escolares, combatendo a interferência da Igreja na educação e em nossas vidas, em luta política com a burocracia sindical (PT-CUT) que se nega a levar adiante. Neste momento nossas companheiras metroviárias estão defendendo a unidade entre efetivos e terceirizados ao lado dos trabalhadores terceirizados da empresa Façon que lutam pelos seus salários não pagos, e mais de um ano não recebem seus direitos como o FGTS e INSS. E assim defendemos a efetivação dxs trabalhadores e trabalhadoras terceirzadxs sem concurso público! No Encontro Aberto da Juventude As Ruas, onde se organizam também as companheiras estudantes do Pão e Rosas Brasil, votou-se com centralidade uma forte campanha pelo direito ao aborto legal, seguro e gratuito.

Desde nossas companheiras no movimento estudantil, professoras, metroviárias, trabalhadoras da USP, terceirizadas e bancárias nos sentimos parte dessa delegação especial de lutadoras junto ao Pan y Rosas da Argentina. Queremos que essa experiência internacionalista nos ajude a fortalecer a luta das mulheres em nosso país, mas que, acima de tudo, fortaleça a unidade das mulheres trabalhadoras e jovens, pois nossa luta, assim como a do conjunto da classe trabalhadora, não tem fronteiras. Nos vemos em Missiones!

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)