FT-CI

POlàŠMICA COM O MOVIMENTO MULHERES EM LUTA

Dilma e o PT nunca poderão governar para a mulher trabalhadora

05/02/2014

O Pão e Rosas, que integra o Movimento Mulheres em Luta, há tempos vem abrindo um debate dentro deste movimento sobre a política de exigência ao governo Dilma, que em nossa opinião muitas vezes se transforma em uma estratégia, ou seja, depositando toda a energia nisso e desarmando assim a organização das mulheres desde a base e junto aclasse operária. Mas esta diferença pode adquirir proporções maiores a partir do último jornal do Movimento Mulheres em Luta para o 8 de março, que em sua capa conta com a seguinte frase em destaque: "Governar para a mulher trabalhadora é investir mais dinheiro para o combate ã violência contra as mulheres".

Esta caracterização do governo, ou seja, de que caso Dilma concedesse um aumento de verbas para a área de combate a violência ás mulheres poderia ser considerado um "governo pra mulher trabalhadora" é uma caracterização que não foi votada em nenhuma instância do Movimento Mulheres em Luta, e muda, definitivamente, a caracterização do governo tirada no I Encontro Nacional do movimento em outubro de 2013, em Sarzedo (MG). Nós consideramos que a ânsia equivocada de "exigir do governo para desmascará-lo", como forma de "dialogar com as trabalhadoras" leva o PSTU, direção majoritária do movimento, a este nível de adaptação.

Nós do Pão e Rosas estamos construindo todas as atividades do Movimento Mulheres em Luta, em especial o 8 de março, levando nossas propostas e nos contrapondo a políticas como essa. Na primeira reunião do MML regional SP, ocorrida no último dia 11 de fevereiro, antes mesmo do fechamento do jornal, estivemos presentes com 6 companheiras do Pão e Rosas e fomos contrárias ã inclusão dessa frase no material nacional do MML, e nesse momento todas as companheiras presentes expressaram acordo conosco e ficaram de encaminhar a proposta da regional para a executiva nacional. Qual não foi nossa surpresa quando, na reunião seguinte, ocorrida no dia 25 de fevereiro, as companheiras chegaram com o jornal impresso, com a referida frase, dizendo que haviam consultado as companheiras da executiva nacional e que tinha sido decidido manter a frase. Vale ressaltar que nem as companheiras do Pão e Rosas que compõe a executiva nacional nem as companheiras do Pão e Rosas que participaram da reunião da regional SP foram consultadas ou sequer tiveram acesso a essa discussão. Na plenária estadual do MML do RJ estivemos com 8 militantes contra esta política que leva ã esta adaptação. Rechaçamos este método burocrático e chamamos as companheiras do PSTU e outras militantes do Movimento Mulheres em Luta a rever esse método.

Em São Paulo, as militantes do PSTU do MML chegaram a assinar com a MMM (Marcha Mundial de Mulheres) um panfleto que fala em geral da opressão e da violência mas sequer denuncia Dilma e seu governo atrelado aos grandes capitalistas e aos setores reacionários (religiosos, Sarney, Renan Calheiros, Kátioa Abreu – da UDR dos latifundiários - Collor de Mello, Maluf, Kassab etc.). Em nome de “exigir”, na realidade “pedir” ao governo, o PSTU termina ao lado das reformistas e governistas da Marcha Mundial de Mulheres, fortalecendo, na prática, esses setores e não ajudando a avançar a consciência das mulheres e o movimento feminista combativo e classista. Ao mesmo tempo, o Pão e Rosas, que não tem nenhuma ilusão no governo Dilma e do PT, diz abertamente: nenhuma concessão deste governo, seja inclusive na área de violência contra as mulheres, o transformará no governo para as trabalhadoras. O governo para as trabalhadoras será obra das próprias trabalhadoras. Estamos lutando na primeira fileira por nossos direitos mais imediatos e elementares, mas falamos abertamente para todas as mulheres: não temos nenhuma ilusão de que nesta sociedade capitalista, baseada na exploração, poderemos alcançar nossa liberdade. Lutamos pelos nossos direitos, mas lutamos para acabar com esta sociedade miserável de opressão e exploração. É por isso, que um movimento de mulheres que se pretende revolucionário, não pode, para "dialogar" com as ilusões que existem no seio da classe operária e do movimento de massas dizer para as trabalhadoras que Dilma Roussef pode vir a ser o seu governo.

Chamamos a todas as militantes do Movimento Mulheres em Luta a se atentarem pra essa grave definição que está na capa do jornal do movimento, principal instrumento de construção do 8 de março deste ano. Informamos que as militantes do Pão e Rosas não poderão trabalhar com este material, em face da enorme ilusão que carrega para as mulheres diante do governo Dilma. Nós queremos dizer a verdade ás trabalhadoras e por isso nossos materiais não vão conter esta absurda definição em relação ao governo Dilma. Reafirmamos a necessidade de construir um 8 de março em primeiro lugar anti-governista, anti-capitalista, classista e revolucionário. Por que exigimos nossos direito ao pão, mas também ás rosas!

Rita Frau, membro da Executiva Nacional do Movimento Mulheres em Luta e da Coordenação Nacional do grupo de mulheres Pão e Rosas Marília Rocha, operadora do metrô de SP e membro da Coordenação Nacional do Pão e Rosas Camila Moraes, estudante da USP e membro da Coordenação Nacional do Pão e Rosas

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)