FT-CI

BRASIL - AJUSTES FISCAIS DO PT

CUT, governo do PT e patronal juntos contra os trabalhadores

09/07/2015

CUT, governo do PT e patronal juntos contra os trabalhadores

A Medida Provisória (MP) publicada em diário oficial na última segunda-feira pela presidenta Dilma, que institui o Programa de Proteção ao Emprego (PPE), dá cabo a um antigo projeto da CUT: reduzir jornada de trabalho com redução salarial. PPE: CUT, governo do PT e patronal juntos contra os trabalhadores.

Autoexplicativo, o Programa coloca no papel as contas, onde governo e patrões ganham e trabalhadores perdem. Esta nova MP dá sequência aos planos de ajustes levados a cabo pelo governo do PT, no sentido de precarização do trabalho, arrocho salarial e retirada de direitos como o caso das MPs 664 e 665 e do PL 4330, o PL da terceirização. Partindo do exemplo dos trabalhadores da Mercedes do ABC paulista, que recusaram o Programa na semana passada, é preciso urgente armar os trabalhadores para derrubarem essa MP e derrotar a burocracia CUTista.

O Programa de Proteção ao Emprego é um projeto elaborado pelo Sindicato dos Metalúrgicos do ABC paulista (CUT) no ano passado e reivindicado pela central sindical durante o período eleitoral e por todo o segundo mandato de Dilma, que agora ganha força de lei por meio da Medida Provisória 680 publicada em diário oficial e enviada ao congresso na última segunda-feira.

Como medida anticrise, permite que as indústrias reduzam até 30% da jornada de trabalho pelo prazo de até 12 meses. Neste período a empresa reduziria os salários dos trabalhadores em iguais 30% e o governo bancaria parte desta redução salarial através do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), com o limite de 65% do valor máximo do seguro desemprego, hoje em 1385,91 reais. O que se chama de proteção ao emprego é na realidade a proteção dos lucros empresariais e dos cofres do governo, onde apenas os trabalhadores perdem. Vejamos os cálculos do próprio governo para deixar essa ideia clara.

Com o limite máximo de adesão ao PPE, que é de 50 mil trabalhadores em todo o país, o governo gastaria R$112,5 milhões do FAT e a arrecadação do FGTS que continuaria sendo recolhido pelas empresas seria de R$181,3 milhões, o que daria um saldo positivo de R$68,8 milhões ao governo. Enquanto que se tivesse que pagar seguro desemprego para esses mesmos 50 mil trabalhadores, teria um gasto de R$291 milhões, sem arrecadação no FGTS.

Ou seja, para o governo o Programa permite enxugar e ajustar ainda mais o seguro desemprego de acesso já dificultado pela MP 665 publicada por Dilma e aprovada pelo Congresso Nacional em abril.

Para a empresa o ganho é claro e vantajoso de todos os pontos de vista. Em primeiro lugar, reduz em 30% todos os seus gastos, pois pagam 30% a menos de salário e ainda reduz os gastos de produção em igual quantia ao reduzir a jornada de trabalho.

O segundo ganho da empresa é que reduz os gastos com multas rescisórias de possíveis demissões em massa e os custos de recontratação com o aumento da produção. E o terceiro ganho da empresa é que consegue ajustar sua produção ã demanda real, mantendo sua taxa de lucro. E por fim, mantém sua mão de obra qualificada para quando a produção reaquecer.

E para o trabalhador, qual a vantagem? Em nossa sociedade se alguém ganha, outro alguém tem que sair perdendo. Neste caso, se governo e patronal saem ganhando, o trabalhador tem que perder. Quem custeia toda essa economia de empresa e governo, é o salário do trabalhador.

Em momentos de alta da inflação, com o PPE o trabalhador ainda terá parcela de seu salário cortado, perdendo duplamente. E mais, a suposta proteção ao emprego, garante estabilidade após o período de vigência do Programa por apenas 2 meses nos casos em que vigore por 6 meses, e de 4 meses quando a vigência do programa for de 1 ano. Ou seja, o trabalhador tem seu salário atacado e não tem qualquer garantia real que continuará com seu posto de trabalho em seguida.

A CUT se torna assim, com a autoria do projeto e o apoio incondicional ã MP 680, a grande guardiã dos interesses capitalistas. Junto com governo do PT e a patronal da indústria, quer que os trabalhadores paguem pela crise, arcando com seu salário todos os custos da baixa produção. A Força Sindical, verdadeiro braço patronal no movimento operário, também apoia o PPE, assim como apoiou o Projeto de Lei que amplia a terceirização indiscriminadamente. Já a CTB, se colocou contrária ã MP 680 e defende amplo debate nas bases sobre o tema, mas não fala ainda em construir lutas nas bases contra a medida. Mas mostra que há fissuras entre as centrais sindicais governistas.

Na semana passada a CUT e a patronal da Mercedes Benz do ABC tentaram impor essa derrota aos trabalhadores, querendo reduzir a jornada e os salários dos trabalhadores em 20% pelo período de um ano. Em plebiscito organizado dentro da fábrica, 85% dos trabalhadores disseram não a este ataque. É preciso trilhar esse caminho dos trabalhadores da Mercedes em cada local de trabalho e preparar a resistência.

A CSP-Conlutas corretamente vem se contrapondo a esse Programa, é preciso mais do que nunca ampliar a campanha contra o PPE e colocar de pé a classe trabalhadora e ocupar as ruas contra esse novo ataque aos nossos direitos, fazendo com que os capitalistas paguem pela crise.

Para isso, é preciso levantar o programa de redução da jornada de trabalho sem redução de salário. Exigir a abertura do livro de contas das empresas para que todo trabalhador e sindicato possam saber a real situação da empresa e seus lucros nos últimos anos. Impedir a demissão por meio de greves e exigir a estatização sob controle operário de toda e qualquer empresa que demita ou feche as portas por causa da crise. Só assim poderemos manter os direitos e o emprego dos trabalhadores.

Em contraposição a esse projeto que ataca os trabalhadores, os parlamentares de esquerda, em especial os do PSOL, deveriam apresentar um Projeto de Lei que impeça as demissões nas indústrias em crise e que seja uma campanha batalhada nas ruas.

Foto: Ichiro Guerra

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)