FT-CI

VENEZUELA

As eleições parlamentares na Venezuela e o giro à direita na América Latina

09/12/2015

As eleições parlamentares na Venezuela e o giro à direita na América Latina

O resultado eleitoral, segundo dados oficiais publicados até agora, dá uma contundente vitória para a oposição de direita. O MUD teria ficado com 99 vagas das 167 em disputa. O chavismo obteria apenas 46 vagas e ficariam por definir 22 vagas, com as quais a oposição poderia conquistar uma maioria de 3/5 ou mesmo de 2/3 na Assembleia Nacional e redobrar sua pressão.

Esta séria derrota eleitoral, depois de 16 anos de hegemonia chavista, é um duro golpe político para Maduro e o governismo de conjunto e abre uma nova fase no quadro de crise econômica e política que marca o declínio do chavismo. Fica por ver-se, nas próximas semanas, como se reacomodam governo e oposição frente à nova composição da Assembleia Nacional com maioria opositora, ainda que, cabe recordar, as instituições da República Bolivariana reservam amplos poderes para a presidência, dentro das características fortemente bonapartistas do regime.

O enfraquecimento político de Maduro, as divisões do governismo e a erosão de sua base social, ao mesmo tempo que a oposição tem suas divisões internas, abre um cenário de incertezas no qual um fator a se considerar será a posição das influentes Forças Armadas.

Os camaradas de nossa organização irmã na Venezuela, a Liga dos Trabalhadores pelo Socialismo, fizeram uma primeira análise da situação. É óbvio que as sequelas do 6D representam não só um ponto de inflexão na situação venezuelana mas também um fator influente no quadro latino-americano.

Ecos internacionais

O imperialismo e a direita continental saudaram o triunfo opositor pelo qual trabalharam abertamente. Neste marco, se apresentam duas variações estratégicas sobre como aproveitar a conquista de uma maioria opositora no legislativo: pressionar Maduro e buscar pactos com setores do chavismo para uma transição gradual, para a qual se inclinam setores da direita "renovada" como se postula Henrique Capriles (que declarou que "não queremos uma guerra"); e a linha mais conflituosa, "destituinte", dos seguidores de Leopoldo López, Corina Machado, etc.

A União Europeia declarou desde Bruxelas que "os venezuelanos votaram pela mudança e pediu a todos os políticos que dialoguem e cooperem para fazer frente aos desafios..." em consonância com setores da oposição e elementos do chavismo dissidente dispostos a explorar "consensos mínimos". No Estado Espanhol, enquanto o Partido Popular apoia abertamente a ala dura opositora, o social-democrata PSOE, também saudou que o triunfo opositor abra "uma nova etapa de futuro e esperança".

Por outro lado, nos Estados Unidos o conhecido diário The Washington Post escreve que "a vitória da coalizão opositora assenta as bases para maior confronto e pode fortalecer um movimento para tirar Maduro do poder antes do final de seu mandato em 2019".

Por sua vez, The New York Times prevê que "a vitória altera significativamente o equilíbrio político neste país profundamente dividido e anuncia uma luta pelo poder entre a largamente marginalizada oposição e o governo do presidente Nicolás Maduro", recolhendo declarações de líderes opositores como Enrique Ramos, que afirma que "entramos num período de transição" e também prevê que "Maduro poderia não chegar ao final de seu mandato em 2019 e poderia ser removido por ’meios constitucionais’ como um referendo revogatório, uma mudança na Constituição ou sendo forçado a renunciar", o que poderia ser uma hipótese plausível para Washington.

Como contrapartida, a China, importante sócio comercial e aliado político do governo de Maduro, declarou através de porta-vozes de seu Ministério de Relações Exteriores esperar que "se possam manter a estabilidade e o desenvolvimento nacionais" da Venezuela e reafirmou sua disposição para seguir trabalhando "para consolidar nossa tradicional amizade e expandir nossa cooperação em comércio e em outras áreas", refletindo a estratégia de alianças internacionais pela "multipolaridade" frente ao imperialismo.

A reação nos governos latino-americanos foi cautelosa. A situação venezuelana é um dos focos de disputa centrais a nível regional, na luta entre o progressismo em retirada e a "nova direita" que trata de consolidar seus avanços alentada pelo triunfo de Macri na Argentina e pela decomposição do governo Dilma no Brasil e a abertura do processo de impeachment.

A direita mais recalcitrante, com referenciais como Vargas Llosa, ex-presidentes de duvidosas credenciais democráticas como o neoliberal "Tuto" Quiroga, da Bolívia, o espanhol Felipe González e outros, militaram pela oposição e trataram em vão de conseguir uma interferência da OEA, bloqueada pela oposição da maioria dos países sul-americanos.

O diário Folha de São Paulo assinala que se tratou de uma "vitória arrasadora que reequilibra forças num país onde o governo chavista exerce poder hegemônico há 16 anos" e que "o resultado do domingo é amplamente visto como o rechaço em massa a um governo que, apesar das inegáveis conquistas sociais sob a presidência de Hugo Chávez (1999-2013) é responsabilizado pela piora abrupta das condições de vida".

O governo de Dilma, que parece preferir um "equilíbrio moderado" em Caracas, havía rechaçado as pretensões do novo presidente argentino, Macri, de suspender a Venezuela do MERCOSUL até que se libertasse Leopoldo López e outros dirigentes de direita condenados a penas de prisão. Declarações da nova chanceler argentina, Susana Malcorra, posteriores ao triunfo do MUD parecem moderar essa linha, ao admitir que "não há motivos para aplicar a cláusula democrática a Venezuela", o qual não nega que a política do macrismo aponte para pressionar e isolar a Venezuela, em consonância com sua linha de aproximação e "relações fluidas" com os Estados Unidos".

O 6D e o giro à direita na América do Sul

Obviamente, o êxito da direita venezuelana é um impulso para a reação continental. A crise brasileira, o triunfo de Macri e o resultado do 6D são expressões de uma importante mudança no tabuleiro político sul-americano.

A relativa hegemonia progressista da última década e meia está se desintegrando. Ao longo de 2015, sinais da virada reacionária na região foram a recepção ao "novo diálogo" proposto por Obama na cúpula do Panamá, o posterior "degelo" com Cuba que gerou novos canais para a ingerência norteamericana no processo de restauração capitalista na ilha, o processo de "paz" na Colômbia que avança para a "rendição negociada" da guerrilha das FARC, a adoção de um programa de ajuste por Dilma, assim como a abertura contra ela de um processo de impeachment, e a "mudança" para a centro-direita na Argentina.

Esta virada foi compartilhada e alentada pelo curso dos próprios governos "progressistas". O rumo do governo Kirchner na Argentina e sua aposta pelo centro-direitista Scioli, como nova mudança fracassada prepararam o terreno para o ascenso de Macri. As medidas anti-populares de Dilma e seus pactos com setores reacionários da política brasileira potencializaram o avanço da direita. Na Venezuela, toda a política de Maduro desmoralizou e desmobilizou amplos setores operários e populares e preparou o terreno para o êxito opositor.

Não é por acaso que a nova direita possa esconder-se atrás de pretensões de "mudança".

Quem permitiu isso foram nacionalistas e "progressistas", que em mais de uma década de governos que se proclamaram "populares", não conduziram uma "democratização real", nem o "desenvolvimento e industrialização", nem a reconquista da "soberania" e a construção de uma "Pátria grande" unida econômica e politicamente. Pelo contrário, no calor da alta entrada de dinheiro da época de bons preços para as matérias-primas, aprofundaram a inclinação primário-exportadora e extrativista da economia, apostaram na associação com as transnacionais, protegeram os banqueiros, as empresas e latifundiários e seguiram pagando a dívida externa ao imperialismo.

Em suma, se limitaram a "gestão progressista" do capitalismo dependente latino-americano, "realmente existente". Com isso, preservaram o poder econômico e social da classe dominante, e contribuíram para gerar as condições para que esta pudesse aspirar a governos com "pessoal político próprio".

Com o impacto da crise internacional, o crescimento chegou ao fim e a possibilidade de sustentar ao mesmo tempo os planos sociais de contenção da pobreza e o bom andamento dos negócios capitalistas se esgotou. O declínio e os fins de ciclo kirchnerista, petista ou chavista, com seus distintos ritmos e particularidades, está ligado a isso. Atados aos estritos limites do seu reformismo e a seu caráter de classe, tornaram-se administradores da crise. Quando não adotaram medidas diretas de ajuste em função das exigências do capital, mantiveram políticas inflacionárias que corroem o nível de vida operário e popular e criminalizaram as greves operárias e as manifestações populares.

Fica por ver se a burguesia consegue transformar os êxitos políticos direitistas em uma nova relação de forças de classe para impor seu reacionário projeto. Ao tentar avançar em seus ataques contra o povo trabalhador pode terminar exacerbando a polarização social e se chocando com uma resistência operária e popular renovada. Diferente dos anos 90, o avanço conservador enfrenta uma classe operária e setores populares que acumularam forças e mantêm aspirações que estão muito longe de anunciar uma dócil submissão aos desígnios da direita e do imperialismo, como tampouco, aos "ajustes progressistas".

Por uma estratégia operária independente para enfrentar os ataques capitalistas

Diante desse horizonte, a preparação política da resistência operária e popular necessita dotar-se de um novo programa, para que os ricos paguem pela crise e pela expulsão do imperialismo, mas também de um balanço claro das experiências pós-neoliberais, delimitando-se diante do kirchnerismo, do chavismo, do governo de Evo Morales, de Correa, do PT e da Frente Ampla uruguaia. O apoio ao "mal menor" progressista significa contribuir para ocultar atrás de uma cortina de fumaça o perverso mecanismo do qual se beneficiam as forças da reação, graças aos bons serviços do progressismo, seja em funções de governo, seja colaborando com a "governabilidade" desde a oposição.

Um novo quadro de avanços reacionários, polarização e possivelmente, maiores tensões na luta de classes, coloca adiante novos desafios e recoloca as tarefas estratégicas da esquerda socialista e dos trabalhadores na América Latina, na perspectiva de que a classe operária continental possa encabeçar a luta contra o ajuste capitalista e o imperialismo.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)