FT-CI

Segue a heroica luta da educação no Rio

Tomar medidas urgentes contra a repressão e para a vitória da greve!

17/10/2013

No dia do professor (15/10) os cariocas deram mais uma massiva manifestação de apoio aos profissionais da educação do município em greve. Dezenas de milhares voltamos a tomar as ruas em apoio ã greve que já ultrapassa 68 dias. O apoio segue massivo, a greve segue forte, e no “front jurídico” uma complexa batalhas de liminares entre o sindicato, a prefeitura e o Estado vem se desenvolvendo com vitórias para cada lado a cada dia. Esta heroica greve, apesar dos esforços da categoria está começando a caminhar a um impasse, pois ao mesmo tempo que há imenso apoio, o governos Paes e Cabral vem adotando duras medidas de ataque aos grevistas como as ameaças de 4 mil demissões e de repressão (mais de 201 detidos ontem) ás manifestações de rua o que assustado grevistas e manifestantes. Para derrotar tamanho ataque é preciso que o sindicato dos profissionais da educação (SEPE) tome urgentes medidas para radicalizar a greve e ganhar maior apoio popular no Rio e no país.

Um Plano de cargos e salários que é uma contra-reforma neoliberal

Paes tem insistido no plano aprovado não é por teimosia. É porque trata-se de um plano estratégico. Sua secretária de educação, Claudia Costin, é um dos símbolos máximos do neoliberalismo no país, ministra da “reforma do Estado” no governo FHC, ou seja, quem presidia as privatizações, e também foi funcionária do Banco Mundial de “políticas públicas”. Por trás do plano há um brutal ataque aos trabalhadores e a população que visa destroçar ainda mais a educação pública. Para ter aumentos os professores teriam que migrar para uma jornada de 40hs e ainda aceitar a flexibilidade de que matéria dar aula e para qual período etário. Ou seja, que um professor de português de primeiro ano poderia dar aula de matemática ao nono ano.

Com um plano como este não há educação de qualidade alguma. Há maior precarização para os trabalhadores e seus filhos, que são quem estuda em colégios públicos. O Sindicato precisa colocar de pé uma imensa denúncia de que este plano é um plano neoliberal de destruição da educação, mostrando isto. Sem mostrar este ataque as desinformações que o governo e da mídia plantam jogam contra conseguirmos maior apoio ã greve.

Derrotar as ameaças de demissão com medidas efetivas

O prefeito Eduardo Paes enviou mais de 4 mil telegramas a trabalhadores da educação em greve, ameaçando todos eles de demissão. Esta ameaça fez com que uma parcela de professores, grevistas e combativos, vacilassem sobre a continuidade da greve na última assembleia. Não é para menos. Se trataria do maior ataque a um setor do funcionalismo público em greve desde 1995, na greve dos petroleiros. Para derrotar uma ameaça como esta é preciso imediatas medidas de coordenação com outros setores em luta, como os petroleiros que entram em greve, com os profissionais da educação em greve no Estado e na FAETEC, com os setores da educação em greve em Goiás e no Pará, e com a juventude em greve e ocupação na USP e UNICAMP. Mais que isto é necessário deixar de confiar somente nas medidas jurídicas, que por hora tem conseguido atrasar ataques de Paes e Cabral, mas organizar um imediato e urgente fundo de greve. É preciso dar passos concretos que mostrem força aos professores em unificação com outros setores. Neste mesmo sentido é um grave erro que, até o momento, o SEPE não esteja divulgando nenhuma nova grande manifestação. Justamente em um momento quando parte da categoria está assustada e há apoio popular ã greve. A direção do sindicato, majoritariamente algumas correntes do PSOL e minoritariamente PSTU, parece estar confiante na conciliação obrigatória exigida pelo STF e sem tomar nenhuma medida de luta.

Que todas organizações sindicais que se reivindicam classistas deem passos urgentes para contribuir em um fundo de greve para a educação do Rio! Construir um grande ato nacional em defesa da educação e pela vitória dos trabalhadores da educação do Rio! A CSP-Conlutas e a Intersindical podem e devem ser linha de frente em dar um giro nacional que dê forças aos professores do Rio!

Abaixo a repressão! Liberdade a todos presos!

Outro obstáculo que os professores do Rio precisam superar é a imensa repressão que o governo estadual está desferindo ás manifestações. Ontem foram 201 detidos, com vários permanecendo presos até o momento do fechamento deste texto. Há ameaças que mais de 40 sejam transferidos ao presídio de Bangu. É preciso liberar imediatamente todos os presos! O SEPE precisa lançar uma campanha nacional e internacional pela liberdade aos presos, solidificando assim a aliança que vem se mostrando nas ruas entre professores e jovens. Ao mesmo tempo é preciso garantir maior segurança aos atos, inclusive até o momento do retorno da imensa maioria a suas casas. O SEPE precisa debater medidas de autodefesa para garantir que mais e mais pessoas se somem ás manifestações e o governo não consiga assustar os manifestantes. A partir de sérias medidas que garantam não só a segurança dos atos mas que ele seja realizado até o final quando a polícia o impede (como nos palácios) e seu debate aberto pelo sindicato poderá exigir o debate democrático com outros setores como os Black Bloc e que estes se submetam as decisões da categoria que está em greve. Sem estas urgentes medidas para uma campanha para libertar os presos e algumas medidas de autodefesa o movimento pode se enfraquecer como querem Paes e Cabral. Viva a luta dos profissionais da educação do Rio! Por um dia nacional de atos, greves, ocupações em apoio a sua luta! Liberdade a todos presos!

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)