FT-CI

Internacional

O que está por trás dos levantes contra as embaixadas norte-americanas no Magreb

18/09/2012

Por Simone Ishibashi

Novamente os países do Magreb, um dos palcos mais importantes dos levantes da Primavera Árabe, e do mundo árabe encontram-se sacudidos por protestos, que desatam uma nova crise cujos resultados são ainda imprevisíveis. No dia 12/09, quase coincidindo com o 11° aniversário do 11 de Setembro, o embaixador norte-americano na Líbia, Christopher Stevens, foi morto em Bengasi junto a mais três funcionários da embaixada sob circunstâncias ainda não esclarecidas de todo. Trata-se do primeiro assassinato de um embaixador norte-americano desde 1979, e que já está trazendo importantes efeitos sobre a política norte-americana para a região.

A morte de Stevens se deu em meio a uma série de protestos que aconteciam naquele mesmo momento em frente ã embaixada norte-americana. Outras mobilizações igualmente massivas se deram no Egito, Iêmen e agora também na Tunísia. Estas foram motivadas pelo repúdio ao filme Inocência dos Muçulmanos. O diretor do filme, que usa o pseudônimo de Sam Bacile, reside na Califórnia, e já teve que cumprir pena de 21 meses por fraude bancária. O filme foi rodado através do financiamento de sionistas dos Estados Unidos, e mostra Maomé como ladrão e pedófilo, tendo despertado a ira de diversos setores do mundo árabe. Mas este é apenas o estopim de um processo mais profundo, que está trazendo contradições para Obama em meio ã disputa presidencial norte-americana.

Líbia, Egito, Iêmen e Tunísia: inflexão dos governos eleitos após a Primavera Árabe

Ainda que o filme tenha acendido a faísca que desatou os enfrentamentos, é evidente que a natureza profunda dos últimos acontecimentos supera enormemente o alcance da paródia produzida por Sam Bacile. Mesmo que a imprensa burguesa internacional não busque fazer a associação direta, tentando restringir a raiva popular que se expressa distorcidamente a uma mera ação em resposta ã convocação das direções islà¢micas, o fato é que para além da ofensa religiosa, a juventude e o povo que tomaram as ruas estão motivados também pelo descontentamento social. Isto por que mesmo que se tenha derrubado governos, as demandas mais sentidas pelos trabalhadores e o povo não foram resolvidas. Isso é o que deixa a Casa Branca em estado de alerta, sendo um perigo para a dominação imperialista sobre a região muito superior ã Al Qaeda.

O sentimento anti-imperialista em geral, e anti norte-americano em particular, que estiveram ausentes na maioria dos processos da primavera árabe e sendo um importante limite para o desenvolvimento destes, pode se desenvolver agora. Como assinala o jornal Clarín de 13/09/2012: "O ataque aponta o problema da vulnerabilidade dos EUA nos países em que acompanhou os grupos rebeldes que derrubaram ditadores durante a primavera árabe, e nos quais, entretanto, seguem ativos diversos grupos que não se esquecem do passado, em que os EUA apoiaram ditadores" [1]. Ainda que movidas por um sentimento difuso e distorcido, as mobilizações nas embaixadas norte-americanas podem colaborar para corroer o respiro obtido pelo imperialismo após a intervenção da OTAN na Líbia, considerada até então pelo imperialismo norte-americano um sucesso.

Sem custos muito altos, Obama e seus aliados haviam conseguido colaborar para impedir que o processo de levantes populares de fevereiro de 2012 se desenvolvessem em chave independente, controlando o Conselho Nacional de Transição líbio, garantindo melhores condições para a exploração dos recursos naturais do país após a queda de Kadafi, e posando de "defensor da democracia" em meio ã primavera árabe, o que reverteu parcialmente o desgaste por ter defendido Hosni Mubarak no Egito até pouco antes deste ser derrubado pelas mobilizações. Isso ao mesmo tempo em que costurava acordos de pacificação com os partidos islà¢micos moderados, como a Irmandade Muçulmana egípcia e de figuras como Mustafa Abu Shagur, eleito como chefe do governo de transição líbio com o apoio dos Estados Unidos.

Porém, frente ã escalada dos protestos tudo indica que há uma grande possibilidade de que o tiro saia pela culatra. A resposta por parte do imperialismo não tardou. Apesar do discurso denunciado pelos republicanos como "frouxo", Obama deu luz verde para a ação dos "drones" (aviões não tripulados) para destruir os locais onde supostamente estariam os membros da Al Qaeda. Em verdade esta operação busca intimidar os protestos, que se espalharam por diversos outros países como o Iêmen, a Tunísia e o Egito, impedindo, nos dois últimos casos, que estes comecem a questionar mais abertamente os governos de transição que ascenderam como produto dos levantes da Primavera Árabe.

A resposta aos ataques ás embaixadas norte-americanas expressam o caráter servil das mediações eleitas após a derrubada dos governos da região pela Primavera Árabe. Confirmam que estes processos não se constituíram como "revoluções democráticas triunfantes". No Cairo, Mohammed Morsi, eleito como candidato da Irmandade Muçulmana, condenou o assassinato do embaixador dos EUA, enquanto sua organização conclama a manifestações pacíficas, "mas não em frente ã embaixada". A polícia impediu que os manifestantes se aproximassem da embaixada, enquanto os clérigos salafistas (ala conservadora dentre os islà¢micos) se limitaram a dar um sermão na Praça Tahrir. Porém isso não impediu que houvesse enfrentamentos com tropas da ONU instaladas na fronteira entre o Egito e a Faixa de Gaza. No Iêmen houve uma dura repressão ás manifestações. Enquanto reprimia e assassinava seu povo, o presidente deste país, Abdu Rabu Mansur Hadi, que substitui o ditador Ben Ali, pedia "sinceras desculpas ao presidente Obama". Na Tunísia os confrontos terminaram com dois mortos e vinte e oito feridos. Na Líbia o saldo é de um morto e vinte e cinco feridos. O repúdio sequer está restrito ás embaixadas norte-americanas. Em Jartum, capital do Sudão, o clérigo Mohamed Jizuly convocou a uma marcha na embaixada da Alemanha em protesto contra pichações anti-islà¢micas em mesquitas de Berlim. Centenas de manifestantes sudaneses ocuparam a embaixada alemã e quando a polícia chegou estes se dirigiram para a embaixada britânica.

Como revolucionários marxistas não compartilhamos com o terrorismo individual. Entretanto, nos colocamos resolutamente contra qualquer repressão e endurecimento por parte do imperialismo e dos governos dos países que estão sendo sacudidos pelas manifestações contra as mobilizações.

[1] Ataque en Libia: Obama prepara una ofensiva por el crimen de su embajador

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)