FT-CI

COM O LEMA "FAÇAMOS COMO OS GARIS! VARRER A BUROCRACIA PARA DERROTAR OS GOVERNOS"

Professores pela Base faz expressiva atuação na convenção da Oposição Alternativa

25/03/2014

[1/1]
[1/1]

No sábado, dia 22 de março, ocorreu a convenção da Oposição Alternativa para definir a política deste setor de oposição a atual diretoria da Apeoesp (Artsindi/Artnova), uma casta de privilegiados que utilizam o sindicato para ajudar o PT a administrar o estado capitalista e aplicar seus planos eleitorais. A convenção ocorre em uma conjuntura nacional bastante nova que a agrupação Professores pela Base buscou expressar em seu programa e intervenções.

Com as grandes manifestações de junho de 2013 a legitimidade dos governantes foi fortemente questionada, a aprovação de todos os governos havia caído vertiginosamente. Agora, neste começo de 2014 um novo fenômeno de luta começou a aparecer. Greves politicamente radicais, organizadas pela base com grande participação de trabalhadores a partir de seus locais de trabalho, que lutavam não só contra os governos e empresários, mas também contra as direções de seus próprios sindicatos. Essas grandes lutas como a dos rodoviários de Porto Alegre, e agora, a histórica greve dos garis do Rio de Janeiro, demonstra o começo de um novo tipo de mobilização de trabalhadores que questiona a paralisia e traição das direções sindicais, mas também, que utilizam métodos totalmente opostos ã rotina e vícios do sindicalismo tradicional.

Nós da agrupação Professores pela Base ao nos entusiasmarmos ao ver os garis do Rio de Janeiro, nos colocamos a passar em inúmeras escolas para discutir o que a greve dos Garis que derrotou o governo do Paes e teve conquistas imensas como reajuste de 37 %, aumento de 66 % no vale alimentação - e garantia de não demissão e nem descontos, tinha a ensinar aos professores. Percebemos não só que existia uma grande solidariedade que se expressou em uma campanha de fotos, mas que há uma grande vontade de assumir a orientação para que “Façamos iguais aos Garis”. Foi com a compreensão de que essas lições são fundamentais, que apresentamos nosso programa na convenção da Oposição Alternativa.

Partimos de que é preciso retomar o nosso sindicato das mãos da burocracia, que traem os professores como agora quando demandas não faltavam e mesmo assim Bebel acabou com a greve chamada pela CNTE, e resgatar esse instrumento para que esteja ã serviço da luta de classes e dos professores. Só assim poderemos responder ã necessidade urgente de efetivação imediata de todos os professores, salário mínimo do DIEESE por 30h, e pela divisão de salas de aula, para que todos os alunos tenham professores, e todos os professores tenham trabalho, acabando de uma vez por todas com a precarização e humilhação a que somos submetidos diariamente. E esse sindicato retomado das mãos dos burocratas deve servir também para ligar a luta dos professores, à luta de todos os trabalhadores que saem a se mobilizar, promovendo a unidade da classe trabalhadora contra os governos e os patrões. Esse foi o programa que apresentamos como Professores pela Base, e que pauta nossa atuação todos os dias nas escolas e nas lutas, como na greve de 2013 em que os categorias Os cumpriram um papel fundamental.

A adesão de a esse programa se demonstrou na votação final para decidir o cabeça de chapa nossa corrente, que teve quase 10% dos votos dos 700 presentes, se confirmando como a terceira força da Oposição Alternativa. Consideramos que este avanço é expressão do trabalho orgânico que temos construído nas escolas com uma prática política bastante distinta. Desde a greve de 2013 nossa corrente conseguiu se ligar com um setor que repudiava as práticas ditatoriais da burocracia sindical, que cada semana que passava preparava a traição da greve. Mesmo sem contar com nenhum aparato, conseguimos envolver inúmeros professores ao reivindicar que a greve fosse coordenada por comandos democráticos ligados as escolas e regiões, que o caminhão de som fosse aberto para todo professor em greve, que ocorresse a unificação com os municipais para iniciar um grande movimento em defesa da educação pública contra os governos. Claramente fomos reconhecidos como uma força importante da greve que construiu a mobilização no chão junto aos professores. Por isso conseguimos estar na convenção com 56 professores da Zona Norte e Zona Oeste de São Paulo, Campinas, Santo André, Marília, Jundiaí, Sorocaba e outros lugares que apoiaram as propostas apresentadas por nossa corrente.

Consideramos que essa prática política é bastante distinta, também, do PSTU, grupo majoritário na Oposição Alternativa, e da Conspiração Socialista, segunda força. O PSTU atualmente, por exemplo, tem feito acordos com a CUT Pode Mais, que incluem conformar chapas conjuntas sem passar ao menos pelos espaços de planárias e assembleias. Este setor apresenta posições governistas no movimento sindical e evidentemente pressiona o PSTU a ser reticente ao combate político ao governismo. Além disso, consideramos que tanto PSTU quanto a Conspiração Socialista terminam cada qual ã sua maneira, se adaptando a dinâmica sindical imposta pela Articulação. Exemplos disso foi o silêncio destes setores frente a suspensão da greve nacional que poderia ser um passo importante para iniciar a campanha salarial da categoria que esta absolutamente abandonada devido ao medo do governismo de que exista algum tipo de mobilização real dos professores próximo a copa do mundo. Além disso, há uma diferença importante em como vemos o combate aos privilégios sindicais. Nós do Professores Pela Base, defendemos no congresso do ano passado e na convenção a rotatividade dos dirigentes sindicais e a adoção do limite de um ano para o afastamento sindical. Achamos que este programa serve para impedir a burocratização, que é um problema material, e aproximar a categoria do sindicato, que atualmente não se reconhece em seus dirigentes sindicais, por ver neles carreiristas que quando entram no sindicato nunca voltam a trabalhar. Bebel é o exemplo atual estando uma década fora de sala de aula. Sabemos, também, que este é um debate crítico no interior das próprias oposições, muitos dirigentes da oposição ficam anos sem trabalhar. Achamos que para combater a burocracia sindical, a oposição, começando pela Alternativa deve dar o exemplo fazendo com que seus dirigentes afastados voltem a trabalhar.

Daremos uma batalha para que esta eleição não seja somente uma disputa por posições na Apeoesp. As eleições devem ser parte de uma grande luta para varrer a burocracia, democratizar a Apeoesp e colocando fim aos privilégios em nosso sindicato. É com esta postura que devemos nos apresentar as outras oposições como o PSOL e outras correntes que participam do Bloco de Esquerda. Temos de nos pautar sobre a palavra de ordem “Unidade da Categoria contra o governo e a burocracia” para expulsar Bebel e a Articulação. Para isso a Oposição de conjunto precisa romper com o método de acordo por cima entre as correntes, e adotar o método de convenção democrática com proporcionalidade que é o mais democrático. Por isso criticamos a postura de correntes do PSOL que querem apresentar exigências para formar a Oposição Unificada sem ao menos estarem dispostos a fazerem uma convenção democrática. Métodos como este expressam adaptação profunda destas Oposições a estrutura sindical e estão na contramão de um grande movimento antiburocrático e combativo na categoria que incentive os professores a tomar as lutas, o sindicato e a escola em suas próprias mãos!

Um movimento como este tem de dialogar com a vida e realidade da categoria que este ano tem sofrido ataques escandalosos como o impedimento de efetivação a professores com obesidade, fechamentos de sala de aula, humilhações na atribuição de aulas e a convivência com o absurdo paradoxo criado pelo governo tucano de ao mesmo tempo faltar professor e faltar aulas. Frente a este caos defendemos que tanto na campanha eleitoral quanto na assembleia do dia 28 de março e na campanha salarial apresentamos um programa que responda essa realidade exigindo que não tenha nenhum professor sem sala de aula e nenhum aluno sem professor! Convocação de todos os professores aprovados no último concurso e efetivação de todos os professores contratados (O e F) que se encontram na rede! Reabertura das salas noturnas! Limite de 25 alunos por sala! Fim do ataque de Herman saudado por Bebel que precariza o trabalho docente incentivando uma jornada de 65 h! Salário mínimo do Dieese com redução da jornada para 30h semanais com composição de 15h em sala de aula e 15h de trabalho pedagógico!


João De Regina, representante do Professores pela Base na chapa da Oposição Alternativa para as eleições da Apeoesp, com Luciana Machado e Alexandre Costa, candidatos a conselheiros regionais pela subsede Sudoeste.

FAÇAMOS COMO OS GARIS! VAMOS VARRER A BUROCRACIA PRA DERROTAR OS GOVERNOS!

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)