FT-CI

Logo da brutal repressão da PM no campus

Movimento de estudantes, professores e funcionários se levanta contra repressão na USP

25/06/2009

Movimento de estudantes, professores e funcionários se levanta contra repressão na USP

A reitoria da USP comandada por Suely Vilela, o governo Serra e o secretário de segurança pública de São Paulo, Ronaldo Marzagão, mostraram no dia 9 de junho, sua real faceta ao reprimir brutalmente a mobilização pacífica dos estudantes, trabalhadores e professores da USP, UNESP e Unicamp, que realizavam uma marcha nas imediações da universidade. Os três setores das universidades estaduais paulistas marcaram esta mobilização, que reuniu cerca de 2000 pessoas, para defender uma questão democrática elementar: a retirada das tropas policiais que há dias ocupa a universidade, impedindo a convivência no campus, violando a autonomia universitária, e como uma tentativa de impedir os trabalhadores de exercer seu direito elementar de greve garantido pela constituição.

A greve de trabalhadores da USP se iniciou no dia 05 de maio e tem sido uma luta exemplar dos trabalhadores por suas reivindicações, que vão desde aumento salarial até a reintegração de Claudionor Brandão, dirigente do SINTUSP e da LER-QI, demitido por perseguição política pela reitora. Desde seu início, a greve de trabalhadores foi reprimida pela presença das tropas policiais no campus, que foi amplamente rechaçada por professores e estudantes. O que está por trás da militarização da universidade é a política de tentar liquidar a liberdade de organização e ação sindical e política dentro da USP; de impor perdas salariais de mais de 42% nos últimos anos; de colocar em risco o emprego de mais de 5 mil funcionários por não cumprir as normas legais de contratação; de avançar na terceirização e na “naturalização” das condições de trabalho semi-escravos a que os terceirizados estão submetidos. E é contra isso que os trabalhadores se levantaram sindicato. Agora os outros dois setores da comunidade universitária aderiram ã greve a partir da demanda de retirada da polícia.

Mas, como se não bastasse a violência que significa a ocupação do campus pela polícia, agora reprimiu-se duramente a mobilização. Como parte da repressão a polícia prendeu Claudionor Brandão, que segundo testemunhas só queria negociar que outro companheiro não fosse preso, além de mais um funcionário e um estudante. A repressão ã marcha do dia 09 de junho se assemelhou a uma batalha campal, em que policiais fortemente armados lançaram bombas e atiraram com balas de borracha contra a manifestação pacífica, invadindo o prédio da FFLCH na USP, protagonizando uma verdadeira caça aos manifestantes não vista sequer nos tempos da ditadura militar, deixando um saldo de vários feridos, além das prisões.

Um professor da ECA (Escola de Humanidades e Artes) descreve o ocorrido: “A multidão de cerca de 400 ou 500 pessoas ficou acuada neste edifício cercada pela polícia e 4 helicópteros. O clima era de pânico. Durante cerca de uma hora, pelo menos, se ouviu a explosão de bombas e o cheiro de gás invadia o prédio da História (...) Estou cercado de colegas que estão chocados com a omissão da reitora. Na minha opinião, se a comunidade acadêmica não se mobilizar diante desses fatos gravíssimos, que atentam contra o diálogo, o bom senso e a liberdade de pensamento e ação, não sei mais”. Ou como disse outro professor: “A foto na capa de hoje do jornal Folha de São Paulo é expressiva: o estudante, com sua arma, um livro, é ameaçado pela insana repressão da PM. Por caso, lembra a professora dos "anos de chumbo" em plena ditadura militar? Vendo as fotos dos jornais e as imagens da TV, outros se vão se lembrar da irracionalidade nos tempos do nazi-fascismo. Como ex-estudante da USP, não apenas lastimo; protesto contra a brutalidade da ação da PM que - caso o bom senso e a sensatez tivessem guarida nessa Reitoria - poderia ter sido inteiramente evitado”. Além dos próprios professores da USP, senadores petistas de São Paulo, como Eduardo Suplicy e Aloisio Mercadante também condenaram a ação da polícia e a atitude da reitora.

Este sentimento se generalizou e desatou um potente movimento democrático pela retirada da polícia, e pela queda da reitora Suely Vilela. Em resposta ã brutal repressão os estudantes realizaram uma massiva assembléia que contou com a presença de mais de 2 mil pessoas, na qual se reforçaram as reivindicações de fora a polícia do campus, pela queda de Suely Vilela e por eleições diretas para reitor, percorrer os cursos para ampliar o apoio ã greve, apoio aos piquetes de trabalhadores, e a reivindicação de que o Congresso Nacional de Estudantes, chamado pela Conlute, - cuja organização majoritária é o PSTU que também dirige o Diretório dos Estudantes da USP – se realize na USP, e não no Rio de Janeiro como originalmente previsto .
Mas um dos elementos de maior salto qualitativo na mobilização é, como mostram as citações acima, o repúdio dos professores ã repressão e ã Suely Vilela. Esta adesão ao movimento dos professores, que a mídia burguesa tenta a todo custo esconder pelo imenso peso social que os professores da USP tem no Brasil, fortalece imensamente a mobilização. A perspectiva de unidade entre trabalhadores, estudantes e professores traz a potencialidade de elevar a presente luta um questionamento mais profundo não só da universidade, que é extremamente racista e elitista, mas que no seu desenvolver pode questionar os planos de sucateamento da educação pública por parte do governo tucano de Serra, se transformando em um importante exemplo de luta.

Já contamos com uma série de apoios fundamentais de diversas organizações sindicais e políticas de países como México, Bolívia e da Argentina, como a moção de apoio enviada pelos trabalhadores de Zanon. Agora é preciso redobrar este apoio. Chamamos a todas as organizações políticas e sindicais, de juventude, de direitos humanos a se somarem a estes apoios.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)