FT-CI

Argentina

Kraft protagoniza uma luta exemplar para toda a classe trabalhadora

19/10/2009

A gestão operária da Kraft, em defesa de seus delegados e pela reincorporação de todos os demitidos, passa por momentos decisivos. A entrada dos delegados na planta de Pacheco não só foi recibida com entusiasmo pelos 2600 trabalhadores que resistem ã presença policial: as imagens que mostraram pela TV o delegado do turno da noite, Javier “Poke” Hermosilla, despertaram uma enorme simpatia em amplos setores da classe trabalhadora que acompanham com atenção este histórico conflito. No entanto, a poderosa patronal ianque, o Ministério do Trabalho do governo e a direção do sindicato comandado pela Daer conspiram contra o impacto nacional da ação opeária e a solidariedade popular e estudantil. Como mostramos nestas páginas, estão em curso distintas manobras para contratacar o golpe recibido por quase dois meses de luta.

A batalha de Terrabusi já serve de exemplo para todo o movimento operário. O ataque da multinacional ianque não casualmente é tomado como um caso testemunhal por todas as corporações patronais.

Enquanto debatem sobre os distintos prognósticos de crescimento da economia para 2010, sustentam, ao mesmo tempo, que, no entanto, “as coisas não vão ficar melhor em termos de empregabilidade” (Revista Fortuna, “El efecto Kraft”, 02/10/09). Ou seja, se preparam para produzir mais com menos trabalhadores e, para isso e além disso, necessitam que sejam os sindicatos que contenham os níveis de reivindicações salariais abaixo da inflação real. Como declara o advogado da União Industrial Argentina, Funes de Rioja: “Quando há um modelo sindical como o argentino, com sindicatos e determinados âmbitos de proteção legal, obviamente o lógico é pretender que exista uma interlocução orgânica. E quando digo isto me refiro a que seja através da voz do sindicato. (…) Mas se há sindicatos com personeria e com todos os fóruns, e há expressões sindicais paralelas, a vida da empresa se torna muito complexa”.

Como se luta pela “liberdade sindical”

O “modelo sindical” vigente regimenta desde o Estado, mediante a Lei 23.551, até a organização dos sindicatos e estabelece mecanismos para a permanência vitalícia dos dirigentes: os burocratas sindicais que coordenam as milhões de obras sociais e as cotas sindicais, regulam as juntas eleitorais e tratam de impedir a organização de corpos de delegados e comissões internas que os questionem. A CGT e seus grêmios monopolizaram a representação sindical diante das patronais e as instituições estatais.

A CTA se monstrou completamente impotente para enfrentar isso. Como acaba de reconhecer o próprio Hugo Yasky: “Nós tivemos uma prova disso quando deixaram ao companheiro que havia se eleito como representante da CTA na Ford e não teve como reincorporá-lo, levando em consideração todas as ações que se realizaram. A resposta da empresa foi a mesma que no caso Kraft: “é uma política do grupo em todo o mundo”. A confissão parte, relevo de provas: a política que a CTA propõe diante do monopólio sindical da CGT é a afiliação individual ã “central alternativa”. Quem ia defender, como fizeram os 2600 operários de Terrabusi em relação a seus delegados de base, o representante da CTA na Ford, uma planta massivamente sindicalizada no Smata? Pelo contrário, a luta da Kraft demonstra que é a força da democracia fabril de um corpo de delegados de 40 representantes de todos os setores e turnos da planta de Pacheco o que pode enfrentar as grandes patronais e burocratas sindicais.

Hoje se abre uma etapa em que a luta da Kraft estará presente em maior escala. A defesa da representação sindical de base no local de trabalho, que nem os empresários e nem a burocracia sindical sustentada pelo governo dos Kirchner querem, é uma causa de primeira ordem para 87% dos estabelecimentos privados do país que não têm delegados, e onde milhões de trabalhadores estão expostos ao despotismo patronal sem defesa alguma. Por isso, em oposição ao enorme desprestígio da cúpula dos sindicatos, a causa dos delegados da Kraft ganhou simpatia popular. Os colunistas e analistas políticos das mais diversas espécies reconhecem agora que o que usualmente chamam de “internas sindicais” é o surgimento de um movimento organizado por baixo a partir de comissões internas e corpos de delegados que decidem segundo os mandatos de assembleia e questionam o “modelo sindical” verticalizado e regimentado por cima.

Por quê atacam a esquerda classista?

Quem diria que o jornal oligarca ‘ La Nación ’ ia coincidir com o Daer e com Moyano, a quem no fundo deprecia profundamente, em sua acusação aos delegados de Kraft de serem de “ultraesquerda”?

Em seu editorial de 11 de outubro (“Kraft, um caso testemunhal”) ‘ La Nación ’ entra na campanha reacionária que tenta desqualificar e demonizar os operários. O texto diretamente instiga a perseguição aos delegados da Kraft por sua “ideologia radicalizada”. No mesmo jornal, distintas notas destacaram a simpatia de integrantes da Comissão Interna e delegados da Kraft com nosso partido, o PTS.

A coincidência entre os burocratas sindicais ligados ao governo com o reacionário jornal da oposição da patronal “sojeira” se encontra em que, para eles, os representantes sindicais só têm direito a existir se são peronistas, radicais ou “apolíticos”; mas se são de esquerda deveriam ser reprimidos. Na realidade, com instinto são de classe patronal, se os atacam é porque os delegados da esquerda classista são dirigentes que não estão dispostos a se vender e defendem incondicionalmente os direitos dos trabalhadores.
A luta de Terrabusi abriu um processo que amadurece a consciência de importantes setores da classe trabalhadora. Aqui se trata de lutar em todas as fábricas e estabelecimentos para estender as comissões internas e corpos de delegados com absoluta liberdade para os partidos que participam da luta da classe operária. Trata-se de lutar para que todos os setores antiburocráticos se coordenem na luta. Mas contra o objetivo comum que reúne os empresários, burocratas e o governo, de despolitizar esta experiência de luta e organização, a luta também está no terreno político. Neste sentido, os operários de Zanon e o Sindicato Ceramista de Neuquén** realizou uma primeira convocatória pública para este 17 de outubro no Hotel Bauen da Capital que propõe dar passos no reagrupamento das organizações operárias antiburocráticas, lançar uma corrente político-sindical classista que ganhe peso nos sindicatos da CGT e da CTA e abrir o debate sobre a necessidade de impulsionar uma ferramenta política, um partido da classe operária baseado em suas próprias organizações de luta. O PTS se propõe a colaborar unitariamente no impulso desta importante iniciativa pela independência política dos trabalhadores que surge de um dos bastiões que travou a luta de classes na Argentina.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)