FT-CI

Reitoria da USP avança sobre o Sindicato e a Universidade

Brandão, dirigente sindical dos trabalhadores da USP (Sintusp) foi demitido por “justa causa”

13/05/2009

Brandão, dirigente sindical dos trabalhadores da USP (Sintusp) foi demitido por “justa causa”

Hoje, Claudionor Brandão, atual diretor do Sintusp eleito em 2007 e no pleno gozo dos direitos sindicais estabelecidos pelas leis vigentes, atual representante dos funcionários no Conselho Universitário (tendo sido o mais votado), há 21 anos trabalhando na USP como operário da manutenção (ar condicionado), recebeu notificação da reitora Sueli Vilela determinando sua demissão por “justa causa”, que é inconstitucional porque desrespeita seu direito ã estabilidade, em ato de finalização de processo administrativo iniciado em 2005. A “causa” seria faltas graves, como dirigir piquetes e paralisações nas greves de 2005 e 2006.

De fato, Brandão, mesmo nesses anos quando não era diretor do sindicato, participou e dirigiu na primeira fileira todas as lutas ocorridas nesta universidade desde 1987, fosse por questões salariais e direitos trabalhistas dos 14.000 funcionários da USP, mais verbas para a universidade e a educação, assistência estudantil e direitos e salários iguais para os mais de 4.000 trabalhadores terceirizados.

A medida reacionária da reitora Sueli Vilela, em conivência com a maioria do Conselho Universitário e órgãos da burocracia universitária, tem o claro objetivo de impedir a luta dos trabalhadores, estudantes e professores da universidade contra os projetos de sucateamento impostos pelos governos tucanos (Alckmin e Serra), que teve na greve de 2007 um exemplo de combate que tomou a atenção de todo o país, com a ocupação da reitoria durante 51 dias pelos estudantes apoiados firmemente pelos trabalhadores da USP e amplos setores da população paulista e mesmo brasileira.

Para voltar com os ataques de Serra ã educação universitária e secundária, depois deste embate que impediu a aplicação dos decretos do governo, a reitora e a burocracia universitária procuram derrotar um dos principais obstáculos: a organização sindical dos trabalhadores da USP, seu sindicato, seus dirigentes combativos, que sempre estiveram ombro a ombro com os estudantes e os professores. As perseguições e punições que vinham ocorrendo nos últimos meses encontrou importante resistência num ato público realizado em 4 de novembro, na USP, com a presença de intelectuais como Francisco de Oliveira, professores universitários como Chico Miraglia, o deputado Carlos Gianazzi (PSOL), Dirceu Travesso, dirigente da Conlutas, do PSTU e demitido da Nossa Caixa (banco do governo Serra), entre outras personalidades democráticas, intelectuais e combativas.

A demissão de Brandão, agora, mostra que a Reitoria está disposta a avançar para derrotar a organização sindical combativa dos trabalhadores da USP, como um exemplo ameaçador aos demais setores de luta (DCE, CAs, Adusp).

Para barrar a demissão de Brandão, lutar pela sua readmissão incondicional e imediata e seguir adiante na unidade dos trabalhadores da USP com os estudantes e professores, representados pela Adusp e o DCE, cuja posse da nova direção eleita, do PSTU, será no dia 19/12, chamamos as organizações sindicais da Conlutas, da Intersindical, da CUT e das demais centrais sindicais, MST e MTST, partidos e organizações políticas e sindicais, organismos de direitos humanos e democráticos, personalidades e parlamentares a iniciar imediatamente uma campanha de repúdio, efetivada com medidas de ação a este ato reacionário da reitora Sueli Vilela, considerando- o um ataque ao legítimo direito de organização e atuação sindical dos trabalhadores da USP e uma afronta ao combate dos estudantes, professores e trabalhadores das universidades e instituições de ensino de todo o país que lutam em defesa da educação pública, gratuita e a serviço dos trabalhadores e do povo pobre.

São Paulo, 09 de dezembro de 2008

Abaixo-assinado contra a demissão de Claudionor Brandão

No dia 09/12/08, a reitoria da Universidade de São Paulo alegou demissão por justa causa a Claudionor Brandão, diretor do SINTUSP e representante eleito dos funcionários no Conselho Universitário. Essa medida faz parte de um processo de perseguição e punição a setores do movimento operário, estudantil e de movimentos sociais. Brandão fez parte, em diversos momentos, das lutas em defesa da universidade pública e da educação de qualidade e é por esse motivo que agora a reitoria da USP tenta colocá-lo na cada vez mais longa lista de demitidos políticos pelo país a fora.

Como delegado sindical e diretor do SINTUSP eleito em fóruns da categoria, Brandão sempre esteve ã frente da defesa dos interesses do conjunto dos trabalhadores da universidade, se pautando em deliberações legitimamente tomadas pelos trabalhadores em suas assembléias e instâncias de decisão. Por tudo isso, as entidades, associações e movimentos abaixo-assinados REPUDIAMOS A DEMISSÃO do diretor do SINTUSP Claudionor Brandão. Trata-se de um ataque duríssimo à liberdade de organização sindical e política dos trabalhadores, estudantes e ao próprio SINTUSP. Exigimos a REINCORPORAÇÃO IMEDIATA E INCONDICIONAL de Claudionor Brandão aos quadros da universidade e a retirada de todos os processos administrativos e sindicâncias aos estudantes, trabalhadores e professores que lutaram em defesa da universidade. Veja algumas das assinaturas (em ordem alfabética por categoria)

Professores e Intelectuais

Antonio Rago Filho - PUC e da Fundação Santo André

Caio Navarro de Toledo - Unicamp

Carmen L. Ortiz Agostinho - FMUSP

Claudete Pagotto - Doutoranda em Sociologia Unicamp IFCH

Claudia Mazzei Nogueira - UFSC

Erika Kulessa de Souza - Cientista Social FFLCH USP

Gonzalo Adrián Rojas - (CH-UFCG) e Doutor em Ciência Política pela USP

Hélio ázara de Oliveira - Doutorando do IFCH/Unicamp

Helio Rios - Diretor do Sindicato dos Professores do ABC e Professor de Filosofia na Universidade Metodista de São Paulo

Henrique S. Carneiro - Dept.História/FFLCH/USP

Ivan Rodrigues Martin - Apropuc

João Bernardo - Escritor e professor

Leonel Itaussu - Ciências Sociais/FFLCH/USP

Lívia Cristina de Aguiar Cotrim - Professora Doutora Centro Universitário Fundação Santo André

Lúcia Rodrigues - Jornalista/Professora Universitária - Ex diretora do DCE Livre da USP - gestão É preciso Ousar (92/93)

Lúcio Flávio Rodrigues de Almeida - Dep. de Política da PUC-SP

Magno Vila Castro Júnior - Cientista social, Universidade Estadual do Piauí

Maria Beatriz Costa Abramides - Faculdade de Serviço Social da PUC/SP e diretora da APROPUC

Maria Cecília Manzoli Turatti - Antropóloga e professora universitária

Nair Casagrande - Faculdade de Educação da USP

Paula Regina Pereira Marcelino - Socióloga UFBA

Pedro Fassoni - Ciências Sociais da PUC-SP

Ricardo Antunes - Unicamp

Ricardo C. Festi - Centro Paula Souza e mestrando de sociologia da Unicamp

Ricardo Musse - USP

Rita Miranda - Professora da Rede Estadual de São Paulo

Ruy Braga - Ciências Sociais da USP

Militantes da Esquerda

Alfredo dos Santos - Coordenador do Instituto de estudos Políticos Mário Alves (SP) - Integrante do MLST - Movimento de Libertação dos Sem Terra

Anderson Mangolin - PSOL/ABC

Ciro Moraes - Alternativa/Conlutas Oposição Metroviária, CST

David Rehem - funcionário público municipal de Salvador/BA, licenciado e bacharel em História pela UFBA

Felipe Luiz - DCE “Helenira de Rezende”, Seção Marília

Gervison Marcos Melào Monteiro - Oposição Metalúrgicos ABC

José Paulo Pires Perestrelo - Sociólogo e Servidor Público Federal no INCRA

Paulo Pasin - Intersindical, Dirigente sindical metroviário de oposição

Wernestty Aparecido Tasse

Internacionais

Bárbara Brito, Consejera de la Facultad de Filosofía y Humanidades de la Universidad de Chile

Domingo Lara, Candidato 2008 a la Presidencia de la Federación de Estudiantes de la Universidad de Chile.

Raul Muños, Dirigente del Sindicato de Trabajadores Públicos del Hospital Barros Luco - Chile

Entidades/Movimentos

Núcleo Pão e Rosas

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)