FT-CI

Brasil

15 de abril: os trabalhadores devem entrar em cena

10/04/2015

15 de abril: os trabalhadores devem entrar em cena

Depois de março todas as organizações da esquerda e movimentos sociais estão falando sobre a necessidade de construir uma “terceira via” ou uma “alternativa de esquerda”. Isso porque este início de 2015 está marcado tanto pelo plano de ajustes do governo Dilma (e de toda a classe dominante) como por uma nova articulação de direções da direita ancoradas na insatisfação frente aos inúmeros casos de corrupção e ao descontentamento social. Mesmo os que votaram “útil” em Dilma (como setores majoritários do PSOL) tiveram que “admitir um esgotamento do governo e do PT”, e ao mesmo tempo muitos levantam a bandeira contra um suposto “golpismo” e impeachment.

O avanço dos ataques do governo se nota com a aprovação da PL 4330. A presidente Dilma tentou fazer demagogia para aparecer “a favor dos trabalhadores”, declarando que “A posição do governo é no sentido de que a terceirização não pode comprometer direitos dos trabalhadores”. Não passa de demagogia de uma presidente impopular, pois continua defendendo a terceirização, apenas pretende assegurar aos “cofres” do governo a garantia de que “as empresas contratadas assegurem o pagamento de salários, de contribuições previdenciárias e, ao mesmo tempo, também paguem seus impostos”.

Este ataque está obrigando as centrais sindicais governistas a darem respostas com o chamado a uma paralisação nacional para o próximo dia 15 de abril. Esta paralisação nacional teria como pauta única a luta contra a PL 4330 e as MPs 664 e 665. Não se pode esconder que as centrais sindicais também são responsáveis pelo aumento das terceirizações e das péssimas condições de trabalho, pois impediram a mobilização da classe trabalhadora para manter seus acordos com os governos e os empresários. Desde a posse da presidente Dilma e do ministro Joaquim Levy, essas centrais sindicais nada fizeram para organizar, unir e mobilizar os trabalhadores contra as Medidas Provisórias de Dilma-Levy. Em vários estados os professores estão em greve contra os “ajustes” dos governos do PT e do PSDB, porém essas lutas continuam isoladas e abandonadas por essa burocracia sindical.

Apesar disso, acreditamos que todos os trabalhadores devem participar, se organizando pela base, para realizar no dia 15 uma efetiva paralisação nacional como parte de um plano de lutas que tenha continuidade com atos, passeatas, paralisações e greves nacionais para derrotar o PL 4330 e as medidas provisórias do governo e da casta política no Congresso.

Em meio a esta unidade, sem qualquer confiança nos dirigentes da CUT, CTB e demais centrais governistas e patronais, é preciso debater como construir uma “alternativa” ou “terceira via” de forma independente do governo e dos patrões, retomando a ideia de que não estamos nem com o governo e nem com a direita.

Se analisarmos a política de organizações da esquerda como, por exemplo, o PSOL, veremos alguns limites. A Direção Nacional do PSOL antes das manifestações dos dias 13 e 15 de março publicou a chamada “Carta de Brasília” que reunia uma série de propostas para enfrentar a crise, um documento crítico ao governo Dilma. Entretanto, após os atos contra o governo Dilma e a corrupção de 15 de março, importantes figuras do PSOL, como o deputado federal Ivan Valente, reunido com André Singer (PT) e Guilherme Boulos (MTST) defendeu a formação de uma “frente social” ou “frente popular” para, em tese, combater o “avanço da direita”: “Formou-se, entre os debatedores, um consenso de que é possível unificar a esquerda. Não contra o governo Dilma, que em nenhum momento foi citado como inimigo principal. Mas contra o ajuste de direita – que significa o sequestro, pela direita, de um governo eleito com discurso de esquerda. E, especialmente, contra a direita que baba de ódio nas ruas e no Congresso” segundo um site ligado ao governismo .
Neste debate fica claro, ao menos por parte de uma das alas do PSOL, liderada por Ivan Valente e Randolfe Rodrigues, o retorno daquela ideia de defender o “mal menor”.

A bandeira “contra a direita” quando não está delimitada claramente do governo Dilma termina, na prática, sendo em defesa do governo como “mal menor”. Outras organizações de esquerda, como o PCO, não tentam mais esconder isso: é a defesa enfática do governo Dilma contra um pretenso “golpe de estado”.

O líder do Movimento de Trabalhadores Sem Teto (MTST), Guiherme Boulos, é crítico ao governo Dilma, mas “encontra-se com frequência com o ex-presidente Lula” segundo mesma noticia mencionada acima. Numa convocatória compartilhada, entre outras organizações, com a CUT, o PSOL, a juventude Juntos (do MÊS, de Luciana Genro), o MTST convoca para o dia 15 de abril um ato ás 17 horas com o lema “Contra a direita, mais direitos”. Este ato, apesar de críticas ao “governo federal” (sem citar o nome da presidente Dilma), na verdade pretende mascarar seu apoio ã presidente e ao PT como se estivéssemos diante de uma real ameaça de “golpismo” da direita, como se o governo federal e o PT – com Lula ã frente – não estivessem cada vez mais girando ã direita, entregando maiores poderes políticos ao PMDB como garantia de “governabilidade”, isto é, recuperar as condições políticas para implementar os ajustes econômicos e sociais que preservem os interesses dos capitalistas e da casta política contra os direitos trabalhistas e sociais da classe trabalhadora e da antes aliada “classe C”.

Neste cenário, Luciana Genro, principal figura do PSOL, tem agitado as consignas de que “a saída é pela esquerda”, mas agora, quando se alia ao MTST e o projeto de “frente social”, agita de forma mais enfática a consigna “mais direitos”, e não mais “contra os ajustes de Dilma-Levy”. Nas últimas reuniões da CSP-Conlutas se abriu um debate sobre a formação de uma unidade da esquerda, onde todas as correntes do PSOL defenderam acriticamente a unidade com o MTST, inclusive dividindo a própria CSP-Conlutas, onde o PSTU corretamente tem denunciado que esta frente (que no ano passado tinha como nome “frente pelas reformas populares”) terminava servindo de apoio (ainda que velado) ao governo Dilma.

Acreditamos que é preciso neste dia 15 levar até o final a luta contra o PL 4330 e os ajustes. Por isso, achamos que o ato convocado ás 17h deveria ser expressão direta da entrada em cena dos trabalhadores, tomando pra si a pauta da paralisação nacional que deve ser efetiva e construída em assembleias de base, com piquetes e cortes de rodovias que sejam uma demonstração de força unitária da classe trabalhadora.

Numa manifestação como esta, a esquerda, seus sindicatos e os movimentos sociais combativos deveriam formar um bloco anti-governista, não permitindo que a CUT e o MTST utilizem as mobilizações para “blindar” – mesmo que indiretamente – o governo Dilma e o PT. Somente assim seria possível avançar para uma unidade da esquerda que aponte a uma terceira força, nem com o governo (e o PT) nem com a direita.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)