FT-CI

Chile | Declaração PTR-CcC

Esclarecimento, julgamento e castigo aos responsáveis da morte de Juan Pablo Jiménez!

25/02/2013

Não ao assassinato de trabalhadores

Nenhuma confiança nas investigações do Governo e suas forças políciais:

Por uma Comissão de Trabalhadores para investigar e castigar aos responsáveis

Na quinta-feira 21 de fevereiro, Juan Pablo Jiménez Garrido, presidente do sindicato N° 1 da empresa Ingeniería Eléctrica AZETA, e presidente da Federação de Trabalhadores de AZETA, empresa subcontratista de Chilectra [1], foi encontrado assassinado em seu local de trabalho, de uma bala na cabeça.

Esse dia, iria apresentar na Direção do Trabalho denúncias por abusos trabalhistas e demissões injustificadas.

Além disso, o sindicato tinha ganho o ódio da empresa, já que em dezembro de 2012 o processo de negociação coletiva terminou sem acordo com a empresa, decidindo-se o acolhimento ao artigo 369 do Código do Trabalho, o que chateou os donos da empresa, porque significa repetir a negociação coletiva dentro de um ano. A gerente de Recursos Humanos descalificava os trabalhadores: são "diminuídos de mente", dizia.

A empresa, como se nada houvesse ocorrido, continuou com os trabalhos.

O Governo declarou uma indiferente "preocupação". Que diferença quando os mortos são deles! - recordemos o recente caso Luchsinger-. Para eles os nossos mortos, os mortos do povo trabalhador, não valem nada.

Enquanto isso, a PDI (Polícia de Investigações) declarou que se tratava de uma "bala louca". Podemos confiar nesses agentes dos patrões e seu Estado?

O Sindicato N° 1 de Azeta, numa declaração manifestou seu ceticismo com respeito ã causa da morte, considerando a audiência de denúncia na Direção do Trabalho.

Por sua parte, Cristian Cuevas, dirigente da CUT, assegurou que "não podemos descartar também o tema do assassinato por encomenda porque é um tema que tem-se instalado no nosso país dramaticamente", e afirmou que "muitas vezes tem se denunciado como as máfias tem se instalado para poder impedir o exercício de nossa ação como dirigentes sindicais".

Por sua parte, a presidenta da CUT Bárbara Figueroa afirmou a necessidade de "fazer uma investigação com todos os elementos para poder dar conta do que aconteceu", e que a CUT se "encontra num estado de alerta com respeito a esta situação". Depois adicionou que se reunirão com o Fiscal Nacional Sabas Chauan, para pedir um fiscal especial Conhecemos a Fiscalia, é a da montagem do caso bombas[Denominou-se "caso bombas" ao caso armado a partir do Estado contra um grupo de jovens acusados da colocação de bombas, na que pretendeu-se aplicar a ley anti-terrorista, e terminou com a absolução devido ã falta de provas e um escândalo político que involucrou funcionários e instituiçoes governamentais e judiciárias, por se tratar de uma armação.]] com o ex fiscal Peña. Além disso, o chefe da Fiscalia Sul Raúl Guzmán declarou que isso seria recarregar de trabalho aos fiscais. A CUT dirigida pelo PC junto ã Concertação continúa confiando nas instituições da democracia para ricos da direita e da Concertação. Este não é o caminho. Falta uma politica dos trabalhadores independente da direita e da Concertação.

Os trabalhadores de seu esquadrão anuciam uma paralização diante da atitude da empresa que manteve seus trabalhos.

Não poderá conhecer-se a verdade pelo lado da empresa, seu Governo e suas forças políciais. Não temos que confiar em seus fiscais, como pede a CUT dirigida pelo PC e a Concertação. É necessária a formação de uma comissão dos trabalhadores, organismos de Direitos Humanos, para investigar e castigar aos responsáveis, que seja convocada unitariamente por organizações sindicais, organismos de Direitos Humanos e estudantis.

Enquanto isso não podemos ficar de braços curzados, esta ação só busca amedrentar aos trabalhadores que lentamente vem levantando a cabeça no Chile e no mundo, colocando-se em pé e lutando contra as precárias e muitas vezes inhumanas condições de trabalho nas que nos arrastam os empresários. Seus salários de fome, suas demissões por "necessidades da empresa", seu código trabalhista que ilegaliza a greve ea negociação coletiva, sua Constituição impulsada na ditadura e mantida pelos 17 anos de Concertação e direita.

O PTR tem-se solidarizado com o apoio a diferentes greves de trabalhadores, uma delas foi a de Azeta, onde tivemos a possibilidade de conhecer ao companheiro Juan Pablo.

Enviamos nossas mais sentidas condolências aso familiares e companheiros de trabalho de Juan Pablo. Estaremos apoiando em cada atividade que se organize para exigir que se saiba a verdade sobre a morte do companheiro se se faça justiça.

Da mesma forma fazemos um chamamento ás organizações de esquerda, sindicatos, federações estudantis, etc., a se pronunciar, impulsar e coordenar ações em comum para denunciar este fato repudiável.

Se tocan a um, tocan a todos!

Partido de Trabajadores Revolucionario- Clase contra Clase/ PTR-CcC

  • NOTAS
    ADICIONALES
  • [1Chilectra: Uma das principais empresas de distribuição elétrica do Chile, estre seus acionistas se econtra o monopolio imperialista Endesa, que entre outros projetos que saqueiam Recursos Naturais como a água está Hidroaysen, que despertou o rechaço de dezenas de miles de mobilizados no Chile todo durante os anos 2011 e 2012.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)