FT-CI

CONGRESSO DE FUNDAÇÃO DO PARTIDO DOS TRABALHADORES

Completar a fundação do partido nas ruas com a COB e contra o governo

13/03/2013

Por LOR-CI, Bolívia

Em Huanuni, nos dias 7 e 8 de março, com a presença de mais de 1300 credenciados de aproximadamente 100 organizações participantes, se realizou o Congresso de fundação do Partido dos Trabalhadores convocado pela COB (Central Operária Boliviana) em cumprimento das resoluções do XV Congresso ordinário de Tarija e do XXXI Congresso da FSTMB (Federação Sindical dos Trabalhadores Mineiros da Bolívia).

O Congresso aprovou a declaração de princípios e programa do governo, sobre a base da fusão de dois documentos: o primeiro elaborado pela comissão política da COB e o segundo apresentado pelo Sindicato de Huanuni. Também foram aprovados os estatutos do Partido dos Trabalhadores. Este Congresso deu um primeiro passo no caminho de que os trabalhadores e suas organizações intervenham na política para defender e lutar pelos interesses dos trabalhadores e do povo, para enfrentar a direita oligárquica, transnacional e burguesa, assim como as políticas anti-operárias e pró-empresariais do governo do MAS. Demandas como a recuperação da agenda de outubro, pela nacionalização sem indenização dos hidrocarbonetos, da mineração e do conjunto dos recursos naturais, a expropriação do latifúndio, a nacionalização do sistema bancário, e a abertura dos livros de contabilidade das empresas e o controle operário coletivo fazem parte do plano de governo do PT.

A resposta negativa ás reivindicações da COB por parte do MAS e o início da luta por salário de milhares de trabalhadores será a oportunidade para que a direção transitória do partido coloque em marcha a unidade da luta econômica com a luta política completado desta forma a fundação do partido nas ruas, como um partido de combate e de luta junto ã COB.

Uma importante luta política

O Congresso foi antecedido por um forte e importante luta política no interior dos sindicatos e de todas as organizações onde a burocracia do MAS, ocultando a convocatória ao congresso, se negou a impulsionar assembléias de base e finalmente se apresentaram no Congresso com o objetivo de moderar os documentos ou buscando fazer com que fracassasse o evento. Esta luta política também se desenvolveu durante o congresso, onde o MAS buscou impedir que os dirigentes sindicais, assim com a esquerda operária e socialista, ocupasse posições chave na direção, tentando desta forma debilitar o surgimento do PT. A luta travada em torno do artigo 39 que garantia expressamente a presença de correntes políticas no interior do PT mostrou a vontade de Trujillo e o MAS de construir um partido não das bases mas da burocracia. Este ataque no entanto não pode eliminar o conjunto de cláusulas democráticas e de independência de classe tanto da declaração de princípios e do conjunto dos documentos, o que faz com que os mesmos contenham importantes pontos de apoio para a luta e a organização dos trabalhadores de base. Lamentavelmente o abstencionismo e a capitulação do POR (que se apresentou e inscreveu dois dirigentes no congresso) impediu, assim como a burocracia do MAS, que os trabalhadores das federações que dirigem assistissem e lutassem, abandonando a luta política sem dizer uma palavra, facilitando o trabalho de Trujillo e do MAS que não tiveram que enfrentar os delegados do magistério urbano nacional (PCB) e tão pouco as federações dirigidas pelo POR.

Nenhuma confiança na direção transitória: exigir que encabecemos a luta junto ã COB pelas demandas operárias!

A aparição de uma declaração impulsionada pelos traidores do PCB e do MAS aos trabalhadores, assinada pela CTEUB, AASANA, COR-EL Alto entre outras, facilitou a operação da burocracia sindical nas últimas horas de girar ã direita a discussão sobre a direção, impedindo que membros da CEN da COB ou de algumas organizações façam parte da direção do PT, mediante a chantagem de “que a COB vai embora”, empurrando setores de esquerda a se disciplinar diante de Trujillo e seus amigos. A resolução do Congresso em relação ã direção nacional, foi estabelecer uma direção transitória formada por 11 organizações sindicais nacionais quem deveriam iniciar de imediato os trâmites legais para o reconhecimento do PT pela corte eleitoral assim como convocar e preparar um novo encontro de trabalhadores que deve eleger a direção nacional formada por 44 membros e dois secretários gerais no prazo máximo de um mês. Esta resolução deixou em evidencia que os dirigentes que sabotaram a convocatória ao congresso, que se negaram a levar adiante assembléias de base, como setores da COD Cochabamba, hoje se encontram ã frente do PT. Por este motivo e diante do perigo real de que esta direção boicote o surgimento do PT desde a LOR-CI chamamos aos trabalhadores de base a não depositar nenhuma confiança nesta direção e a exigir que em primeiro lugar o Partido dos Trabalhadores ocupe um lugar destacado na luta pelo cumprimento das reivindicações da COB rechaçadas pelo governo. Para impedir o surgimento de um partido meramente eleitoralista é necessário avançar em completar o trabalho do Congresso terminando de fundar o partido nas ruas junto aos trabalhadores das fábricas, os mineiros e todas as organizações da COB. Devemos exigir a publicação e difusão de todos os documentos aprovados, e impedir que os mesmos sejam reescritos pelas costas dos trabalhadores e do próprio congresso. É preciso impedir que este primeiro e importante passo dado no sentido da independência política dos trabalhadores seja sabotado por dentro pela burocracia sindical.

Para esta tarefa, desde a LOR-CI consideramos que é vital tirar conclusões destas primeiras experiências no desenvolvimento do partido, onde fica em evidencia que somente com uma sólida e profunda disposição a lutar pela independência política da classe trabalhadora em relação ao estado, ao governo, suas instituições repressivas (polícia, exército e igrejas) como partidos e organizações empresariais e latifundiárias, confiando somente nas próprias forças dos trabalhadores explorados e oprimidos que pode garantir o cumprimento das aspirações políticas de que este partido seja um verdadeiro instrumento de luta e organização.

LOR-CI (Liga Obrera Revolucionaria – Cuarta Internacional)

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)