FT-CI

Polônia

Sintomas de recuperação da classe trabalhadora polaca

09/08/2007

No dia 16 de julho, depois de 25 dias de luta, as enfermeiras polacas levantaram seu campamento, instalado em frente ao gabinete do Primeiro Ministro Jaroslaw Kaczynski. Diante da negativa do governo ã negociação, o Sindicato Nacional de Enfermeiros e Parteiras (Ozzip) tomou a decisão de levantar “o povoado branco”. As enfermeiras não obtiveram o aumento de orçamento de saúde que exigiam nem o aumento de salários de 1000 zlotys para todas (267 euros), recebendo atualmente um salário de 1200 a 1500 zlotys (de 316 a 395 euros). A única concessão do governo é a incorporação ao salário e ao extra obtido nas greves de 2006, que terminou no fim de outubro, e que agora será integrada definitivamente a seu salário básico.
No dia 19 de setembro se prepara uma grande manifestação intersindical para exigir um serviço de saúde decente.

Uma longa luta

Os primeiros a iniciar a greve foram os médicos. Depois de 8 semanas de paralisação de suas atividades, o primeiro ministro tratou de conseguir a divisão dos trabalhadores da saúde se negando a negociar com os médicos e convidando as enfermeiras para falar. Mas o tiro saiu pela culatra e as enfermeiras iniciaram suas próprias reivindicações. Indignadas, quatro enfermeiras decidiram ocupar um dos escritórios da Chancelaria do Primeiro Ministro e não sair de lá enquanto não começassem as negociações sobre suas reivindicações. "A ocupação de um local público é um delito que deveríamos denunciar no tribunal e eu não posso me sentar em uma mesa com delinqüentes", respondeu Jaroslaw.

As enfermeiras mais indignadas e muito ofendidas se declararam em greve de fome e instalaram centenas de barracas em frente ao escritório do primeiro ministro. Jaroslaw voltou a jogar lenha no fogo quando disse que "As vezes é bom para a saúde não jantar". Esta nova provocação fortaleceu o ódio e determinação na luta das enfermeiras, ao mesmo em que conseguiu aumentar a solidariedade ativa de outros setores da população. Muitos moradores de Varsóvia fizeram chegar comida, mantas e sacos de dormir aos grevistas acampados durante dias. E desde o dia 20 de junho, representantes dos mineradores se uniram ao “povoado branco” para garantir sua segurança e ali ficaram até o final.

Um exemplo para todos os trabalhadores polacos

As reivindicações das enfermeiras são enormemente populares. A simpatia com que outros setores operários viram sua greve, em particular os trabalhadores metalúrgicos e mineradores, foi significativa. Durante a mesma uma pesquisa de opinião mostrava que 72 % da população estava a favor das enfermeiras e 11 % apoiava o governo neste ponto. Isto no marco em que cai a popularidade do governo populista de direita polaco e que o mesmo se encontra cada vez mais fraco.

Entretanto mais importante que isto segundo um artigo que apareceu no Rouge “... o movimento deu idéias a outros: em diversos setores, as greves e os conflitos salariais se multiplicaram. O “povoado branco” também permitiu recriar a tradição de auto-organização dos assalariados: constituído com uma “administração” eleita, o “povoado branco” fazia lembrar as greves com ocupação de 1980-1981. As enfermeiras foram inclusive mais além: se organizou ali mesmo uma universidade livre que teve para seu primeiro curso o antigo portavoz do Sindicato Solidariedade em 1980-1981, Karol Modzelewski. Durante três fins de semana seguidos o povoado se transformou em centro médico gratuito, permitindo a população de Varsóvia beneficiar-se de exames médicos básicos. ”( Rouge 2216, 26/7/2007).

Estes elementos assinalam uma recuperação da classe trabalhadora polaca, depois de anos de retrocessos e ataques ás conquistas operárias. Já no passado 4 de março se realizou uma enorme marcha contra a proposta do governo de escrever na Constitução o “respeito ã dignidade humana” e ã proteção da vida “desde a concepção”( o que equivale a uma proibição constitucional do aborto e da fecundação in vitro). Milhares de mulheres percorreram as ruas da capital defendendo o direto das mulheres a decidir sobre sua maternidade. Ambos processos assinalam um despertar do movimento de massas polaco.

Abaixo a privatização da saúde! Por um sistema de saúde dirigido pelos próprios trabalhadores e comitês de usuários!

A Polônia tem em dos níveis mais baixos de gastos em saúde da União Européia (UE), com um gasto público em saúde por volta de 4% do PIB, a metade da média da UE. É por isso que a luta das enfermeiras da Polônia sobrepassa amplamente a questão salarial em si mesma. É na realidade um chamado de alerta sobre o estado do sistema de saúde polaco e do deterioramento das condições de vida e de trabalho de todos seus trabalhadores. Não por acaso um dos slogans da greve foi “Queremos trabalhar aqui, não emigrar”, dando conta do fato de que como conseqüência destas condições milhares de trabalhadores e profissionais da saúde polacos hoje trabalham nos distintos países da UE.
A restauração do capitalismo, que transferiu a propriedade nacionalizada para as mãos de uma nova elite, resultou num golpe fenomenal e drásticos ajustes do sistema de saúde.Por sua vez, a entrada na UE implicou novos cortes orçamentários. Bruxelas não só demandou a liquidação da indústria agrícola e mineradora, senão rebaixar o orçamento estatal, incluindo o da saúde. Como resultado disto a proporção de leitos hospitalares para cada 1000 habitantes caiu de 6.7 em 1980 a 4.6 em 2002. Desde 1999 adiante com a liquidação da garantia estatal do sistema de saúde, o esvaziamento dos hospitais foi dando um salto enquanto a medicina privada foi avançando para os setores mais elitizados da população. Esta tendência corre o risco de se aprofundar. É que endividados muito mais além de seu valor contável, os hospitais públicos correm o risco de liquidação para poderem ser privatizados a baixo preço.

Neste marco, é fundamental que frente ã ofensiva privatizante, remarcada uma e outra vez pelos meios de comunicação que lançaram noticias durante toda a greve de “doutores ricos” buscando gerar uma rivalidade de classe que sirva para isolar sua reivindicação do resto da população trabalhadora e frente ã decadência do sistema de saúde, viciado de corrupção e ineficiências, os trabalhadores devem levantar não só um aumento do orçamento mas que os hospitais e o sistema de saúde passem a ser dirigidos pelos próprios trabalhadores e comitês de usuários.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)