FT-CI

Egito

Egito: a classe operária e o processo revolucionário

24/12/2011

Há quase um ano das mobilizações de janeiro-fevereiro que acabaram com a ditadura de 30 anos de Hosni Mubarak, uma vez mais milhares de pessoas saíram ás ruas no Egito para exigir o fim do Governo do Conselho Supremo das Forças Armadas (que governa o país desde a queda de Mubarak). O detonador desta segunda onda de protestos foi a intenção do Exército de perpetuar-se no poder e garantir-se o direito de vetar qualquer modificação na constituição. Apesar dos massivos protestos, nenhum dos principais partidos que participam do processo eleitoral questionou a política dos militares e assim demonstram que não constituem nenhuma alternativa ã classe trabalhadora e ã juventude.

Um processo revolucionário

O Egito vive um processo revolucionário: as massas com sua luta terminaram com a ditadura, enfrentaram as forças repressivas durante dias, causando uma crise política que obrigou a queda do ditador Mubarak a 11 de fevereiro de 2011. Depois desta queda, o Exército, que se mostrava como “amigo do povo” durante os protestos, encabeçou uma “transição” com a promessa de avançar para uma reforma constitucional e eleições livres.

O processo revolucionário aberto a 25 de janeiro teve como precedente anos de resistência operária e popular. Especialmente as trabalhadoras e os trabalhadores têxteis protagonizaram duas importantes ondas de greves com ocupações entre 2006 e 2008 na cidade de Al-Mahalla. Estas lutas foram muito importantes porque a indústria têxtil emprega 48% da força de trabalho do país e al-Mahalla abriga indústrias como a Fábrica Fios e Tecidos do Egito, que emprega 24.000 pessoas (sua maioria mulheres). Com estas greves e lutas surgiu um processo de reorganização, nasceram sindicatos independentes da central sindical burocrática (transporte, empregados fiscais, docentes, entre outros). Ainda que as trabalhadoras e trabalhadores não estivessem no centro dos protestos em janeiro e fevereiro, cumpriram um papel importante com as greves, protestos, bloqueios e a ameaça de fechamento do estratégico Canal de Suez, que foram o pano de fundo real da queda de Mubarak.

A incipiente experiência prévia, ainda sob condições de trabalho muito ruins, fez com que as trabalhadoras e trabalhadores egípcios tivessem um protagonismo importante antes, durante e depois da queda de Mubarak. Contra os desejos do Exército e do imperialismo, isto só alimentou o protesto operário, uma vez liberado do controle policial da burocracia sindical pró-Mubarak.

Aqueles que não tinham nada, nem sequer o direito de protestar, encontraram no processo revolucionário um terreno fértil para suas lutas e somaram assim sua força ã imponente mobilização das massas. Por isso, quando muitos setores se retiraram das praças e das ruas após a queda de Mubarak, a classe operária se manteve em luta junto a um setor da juventude.

Uma transição de migalhas e repressão

Durante a “transição” o governo militar não somente desconsiderou as demandas dos trabalhadores e da juventude que se haviam mobilizado senão que impôs novas leis anti-democráticas como a proibição das greves. Ainda que o governo militar tenha prometido derrogar o “estado de emergência” manteve vigentes todas as proibições dessa lei repressiva vigente há 30 anos. E ainda que o governo militar tivesse de fazer concessões (dissolução do partido de Mubarak, da Polícia Secreta, legalização de partidos opositores), tenta limitar com leis e decretos reacionários os direitos mais elementares. Também o velho regime sobrevive nos tribunais militares, que seguem em funcionamento: Desde a queda de Mubarak julgaram 12.000 jovens, operários e mulheres por participar de greves, manifestações e por criticar o Exército, enquanto seguem impunes os assassinatos de mais de 1.000 pessoas que morreram pela mão da repressão.

O decreto que proíbe as greves diz que é um crime participar de qualquer ação que afete o desenvolvimento da economia. Ou seja, qualquer ação, já que todos sabemos que uma medida de força que não afete o desenvolvimento da economia carece de efetividade como meio de ação operária.

A participação operária

Logo após a queda de Mubarak, a classe operária continuou lutando: uma onda de greves e ocupações que combinavam demandas econômicas e políticas, ou seja, que iam desde o aumento salarial até a luta contra as privatizações e para expulsar os diretores de empresa que haviam sido escolhidos a dedo por Mubarak. Também se acelerou o processo de reorganização de novos sindicatos e se liquidou a velha central sindical burocrática.

Enquanto se exige paciência aos trabalhadores, nas fábricas e empresas se vê o enorme abismo entre os salários de miséria e os lucros milionários da patronal. Ademais, o Exército não é neutro nesta disputa: eles são donos de uma grande parte! São proprietários de empresas de água mineral, óleos, pesticidas, têm instalações de tratamento de água, hotéis e outros serviços.

É por isso que, desafiando o decreto anti-greves, entre agosto e setembro se desenvolveu outra grande onda grevista: pela primeira vez em 60 anos pararam os médicos e os/as trabalhadores/as da saúde de todo o país, os docentes, e se realizou uma greve muito importante do transporte público. Durante o mesmo período um setor da vanguarda operária se organizou em torno de uma federação de sindicatos independentes. Ocuparam-se fábricas e empresas exigindo sua renacionalização, aumento salarial, a equiparação das condições das mulheres (que cobram salários mais baixos) e o direito de organizar-se.

Em empresas como a têxtil Shebin El-Kom se conseguiu a renacionalização; também houve casos como a Companhia Fios e Tecidos do Egito, onde o Exército teve de ceder ante a greve e a ocupação dos trabalhadores, e expulsar o diretor da empresa (aliado de Mubarak). Por outro lado, os trabalhadores do Canal de Suez já haviam mostrado em fevereiro seu poder ao ameaçar parar por tempo indeterminado o funcionamento do Canal por onde passam diariamente 2 milhões de barris de petróleo, e representa uma das principais fontes de ingresso do país. Estes exemplos mostram em pequena escala a grande potencialidade da ação dos trabalhadores como parte de um processo revolucionário ao mesmo tempo em que se unem ã mobilização e à luta da juventude e do povo em geral.

Uma das lições que deixaram estes meses de mobilizações no Egito é que nenhuma das demandas democráticas elementares, que foram o motor do processo revolucionário, pode alcançar-se nos marcos do capitalismo (seja sob a direção do Exército ou sob os partidos que hoje pactuam com a Junta Militar). Somente a classe operária, tomando em suas mãos o conjunto das demandas dos setores explorados e oprimidos, pode levar até o final a luta por suas demandas. Como mostrou a queda de Mubarak, o fim da ditadura significou somente o começo de uma luta mais profunda para terminar com a opressão e a exploração.

21-12-2011

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)