FT-CI

Argentina

Uma campanha militante contra os candidatos do ajuste

09/07/2015

Uma campanha militante contra os candidatos do ajuste

Começa a surgir lentamente mas com força uma vanguarda operária que luta, se organiza e vê com simpatia ou diretamente é parte da esquerda em nosso país. Construir uma alternativa de independência política dos trabalhadores é a tarefa. O PTS e a Lista 1A da Frente de Esquerda se inscrevem clara e decididamente nesta batalha.

Terminaram as eleições antecipadas em vários estados e na Cidade de Buenos Aires, onde só falta o 2° turno. O kirchnerismo [corrente política da presidente Cristina Kirchner] foi mal, em terceiro em Córdoba – como havia sido em Santa Fé – e Recalde conseguiu menos que Filmus anos atrás na Cidade de Buenos Aires. Macri [direitista pré-candidato ã presidência] não pode festejar de verdade, porque seu candidato ganhou, mas sem conseguir evitar o 2° turno com seus “sócios”, como Lousteau e os membros da UCR. A Frente de Esquerda se consolida.

Entraram três legisladores provinciais da FIT [Frente de Esquerda e dos Trabalhadores, formada por PTS, PO e IS em 2011] em Córdoba (um por cada partido) e uma cadeira na Legislatura de Buenos Aires, e a partir de dezembro Marcelo Ramal (PO) e Patricio del Corro (PTS) serão os dois legisladores da FIT. Em uma eleição muito polarizada Myriam Bregman, candidata a prefeita, tornou-se una personalidade política de muito destaque na Cidade e aumentou a votação das PASO [eleições primárias], ainda que ficou um pouco abaixo do histórico Luis Zamora. A próxima disputa eleitoral nacional é o 9 de agosto. São as PASO. Nessas eleições primárias não se elege nem o presidente nem os deputados, só se elege quem serão os candidatos que disputarão em outubro.

São proscritivas porque se exige superar 1,5% em cada categoria para poder ir ás eleições definitivas. A Frente de Esquerda (FIT) vai eleger nas PASO quem a representará em outubro. Apresentam-se a lista 2U de Altamira (PO) e Giordano (IS) e a Lista 1A de Nicolás del Caño e Myriam Bregman, que se apresenta com o lema “Renovar e fortalecer o Frente de Esquerda” com os trabalhadores, as mulheres e a juventude. É uma lista de luxo, cheia de conhecidos lutadores operários, como Poke Hermosilla delegado da ex-Kraft-Terrabusi que acompanha Christian Castillo na fórmula para governador e vice de Buenos Aires.

Ou o dirigente do Metrô, Claudio Dellecarbonara, que divide a lista ao Parlasur com Andrea D’Atri, fundadora do Pão e Rosas, e Ramón Cortés um dos condenados a cadeia perpétua pela luta dos petroleiros de Las Heras. Mulheres da “estatura” de Vicky Moyano, neta restituída, do CeProDH [Centro por Direitos Humanos], que vai como candidata a deputada pela Cidade de Buenos Aires, onde a lista 1A da FIT tem 70% de mulheres, invertendo a cota para gênero. Jovens trabalhadores como Rubén Matu (delegado de Lear) e o recentemente reincorporado Damian “Bebé” González.

Milani, Menem e “o projeto”

Em nosso país, a presidenta Cristina participou da chamada ceia de camaradagem das Forças Armadas. A poucos dias de ter tido que finalmente retirar Milani [ex-chefe do exército] pelas denúncias que pesavam sobre ele por ter participado do genocídio, se despediu com um discurso que deveria envergonhar os organismos de direitos humanos afins ao kirchnerismo. Exortou os oficiais presentes (muitos deles atuaram durante a ditadura) a não repetir “os erros do passado”. Mas o genocídio com 30.000 desaparecidos, crianças roubadas, com 500 centros clandestinos, que jogaram vivos ao mar muitas das vítimas, não foi um erro.

O canto tradicional das Mães da Praça de Maio e de todos os organismos de direitos humanos foi “Não houve erros, não houve excessos, são todos assassinos os milicos do Processo”. Cai o relato de Cristina Kirchner. Milani em sua despedida disse que sua missão (inconclusa) era reconciliar as Forças Armadas com o povo. Para isso o colocou Cristina, não foi esse o motivo pelo qual o tirou. Enquanto isso, o candidato oficial do governo percorre o país. Muitos se surpreenderam porque Scioli em La Rioja disse que “Menem [político neoliberal da década de 90] me deu a oportunidade e acreditou em mim para entrar na política”. O que esperavam? Desde a Frente de Esquerda viemos denunciando que Scioli, Massa e Macri são os filhos políticos de Menem, os candidatos do ajuste.

Os que lutam

Nestas semanas estouraram dois importantes conflitos. Um, o dos motoristas da linha 60, uma das mais emblemáticas da zona metropolitana, que endureceram frente ás demissões discriminatórias e enfrentaram o lock out patronal, colocando os ônibus na rua e não cobrando passagem. Na quarta-feira (8) fizeram uma barulhenta manifestação até a Casa de Governo. Uma das propostas dos trabalhadores é que se a empresa mantém o ataque o serviço seja estatizado; eles podem administrá-lo e dar um serviço barato e eficiente.

Têm razão. Os trabalhadores de algumas linhas do Metrô, onde tem peso a oposição combativa, abriram as catracas em solidariedade. Um grande exemplo. Acindar, uma das maiores siderúrgicas do país, localizada na emblemática Villa Constitución no sul de Santa Fé, paralisou totalmente a produção porque seus trabalhadores se declararam em greve até que readmitam os 12 companheiros demitidos (6 dos quais são contratados).

Esta patronal, de origem indiana, é um dos gigantes do aço mundial. Invoca uma crise, mas o que quer é flexibilizar o trabalho e avançar sobre as conquistas. O governo nacional e o dos falsos socialistas de Santa Fe deixam livre esta empresa abutre. Estes dois conflitos, pra além do desfecho que tenham, mostra que há que enfrentar as demissões com luta. Tanto se são por discriminação e pontuais como nestes casos ou se são decorrência de que os empresários querem descarregar a crise sobre os trabalhadores com demissões massivas ou fechamentos de fábricas.

É o caso de Rasic (Cresta Roja), a metalúrgica de Bahía Blanca ou o fechamento de Worldcolor, onde seus trabalhadores lutam pela fonte de trabalho e decidiram colocar a fábrica para produzir e mobilizar-se nesta sexta-feira (10) ao centro de Buenos Aires. Nos marcos desta resistência desde baixo, que supera e enfrenta a burocracia sindical, é uma grande notícia a reincorporação de Walter Quiñones na Renault em Córdoba e de Daniel Vázquez em Lear. Vitória dos Indomáveis de Lear e da oposição classista ao SMATA [sindicato dos metalúrgicos]. Um orgulho para o PTS que estes companheiros integrem a Lista 1A da FIT.

Vamos com Del Caño-Bregman para presidência

A 40 anos da grande mobilização operária que derrotou os planos de ajuste do governo peronista de Isabel, Rodrigo e López Rega, começa a surgir lentamente mas com força uma vanguarda operária que luta, se organiza e vê com simpatia ou diretamente é parte da esquerda em nosso país. Construir uma alternativa de independência política dos trabalhadores é a tarefa.

O PTS e a Lista 1A da Frente de Esquerda se inscrevem clara e decididamente nesta batalha. Com este objetivo, e com a força dos trabalhadores, as mulheres e a juventude que se expressa em nossas listas, saímos a lutar. Para renovar e fortalecer a Frente de Esquerda. Para enfrentar os candidatos do ajuste. Nicolás del Caño e Myriam Bregman estão percorrendo o país para apresentar nossa proposta.

Em muitos lugares da província de Buenos Aires e em outros pontos do país, os comitês de campanha se puseram em marcha. Discutem como fazer conhecidas nossas propostas, como chegar a cada fábrica, cada bairro, cada escola. São um motor fundamental. Se junte para militar nesta campanha conosco.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)