FT-CI

Honduras: diálogo entre Zelaya e os golpistas

Colocou-se em marcha a saída reacionária

09/10/2009 LVO 346

Ao fechamento deste artigo, representantes do governo golpista e do presidente Zelaya deram início ao que a ditadura cívico-militar encabeçada por Micheletti denominou de Diálogo Guaymuras. Entre os representantes designados por Zelaya que estão participando na negociação se encontra o Coordenador Geral da Frente Nacional de Resistência contra o Golpe de Estado, o dirigente sindical Jaun Barahona.

Esta rodada de negociação conta com a participação da comissão de chanceleres da OEA, de seu secretário geral, Miguel Insulza, do subsecretário de Estado para a América Latina do Estados Unidos, Thomas Shannon, do representante da União Européia e das Nações Unidas.

Entre todos buscaram selar um acordo reacionário que coloque fim ã crise aberta com o golpe militar último dia 28 de junho. Para dar só um exemplo do caráter deste diálogo, em uma entrevista recente, o acordo com os golpistas, deixou claro que se restitui a Zelaya na presidência, poderão reconhecer as eleições presidenciais previstas para o dia 29 de novembro e haverá anistia para os golpistas.

Até o momento não está claro qual será o resultado concreto do Diálogo Guaymuras. Zelaya há tempos tem aceitado as condições impostas nos Acordos de San José proposto pelo presidente costarriquenho Oscar Arias, como mediador designado por Obama e Hilary Clinton. Recordemos que Arias já cumpriu um papel de pacificar a América Central nos finais da década de 1980, reconciliando ás organizações guerrilheiras com os repressores e integrando-as aos regimes burgueses. O chamado Plano Airias para Honduras inclui a conformação de um governo de unidade nacional com os golpistas, a anistia para os que deram o golpe e cometeram abusos e violações aos direitos humanos e o compromisso de não convocar a uma Assembléia Constituinte. Entretanto, Micheletti apóia por setores empresários e da elite política local, e por alguns congressistas e funcionários norteamericanos, segue negando-se a aceitar todos os termos do Plano Airas. Entre os planos alternativos dos golpistas estão: a renúncia tanto de Micheletti como de Zelaya e a assenção de um presidente interino e a realização das eleições de 29 de novembro, a restituição de Zelaya, mas só depois de que se conheçam os resultados das eleições, a anistia para os golpistas, mas não para Zelaya, e outras variantes. Frente a isso Zelaya tem colocado como condição para respeitar as eleições ser restituito como presidente antes do dia 15 de outubro.

Para além dos termos concretos que se terminem negociando ou não, o Diálogo Guaymuras, da mesma forma que os Acordos de San José, é uma via para impor uma saída reacionária que legitima aos golpistas, busca outorgar-lhes uma ampla anistia aos que cometeram abusos e violências aos direitos humanos, e preserva o regime oligárquico e pró-imperialista imposto pela burguesia hondurenha na constituição de 1982.

Nenhum acordo com os golpistas

As mobilizações que se desenvolveram com o retorno de Zelaya a Honduras abriram uma situação de uma grande instabilidade política, colocando a perspectiva certa de que se radicalizou a resistência operária, camponesa e popular que, há três meses, vem enfrentando o regime golpista. Entretanto, Zelaya não voltou a Honduras para alentar a caída revolucionária de Micheletti, mas sim que com o aval do Brasil, tinha por objetivo exercer uma pressão in extremis sobre os golpistas para que estes aceitassem os Acordos de San José. Sua política foi iniciar o diálogo com a Igreja católica e os candidatos dos partidos golpistas, o Partido Nacional e o Partido Liberal, chamando ao povo hondurenho a confiar não em suas próprias forças, e sim em uma resolução pacífica e negociada supostamente garantida pelo imperialismo e a OEA.

Micheletti mostrou que não ia ceder facilmente e decretou o estado de sítio para disciplinar ao movimento de massas. A suspensão das garantias constitucionais se manteve durante uma semana e implicou um salto nas ações repressivas do exército, com centenas de ativistas detidos, e a clausura dos meios de comunicação antigolpistas.

A política “dialoguista” de Zelaya e a repressão de Micheletti e os golpistas atuaram para desarticular a mobilização popular e facilitar a implementação de uma saída reacionária.

Ainda que originalmente tinha questionado alguns pontos dos Acordos de San José, a estratégia da direção majoritária da Frente Nacional de Resistência contra o Golpe de Estado esteve de acordo com a orientação de Zelaya. Inclusive um de seus dirigentes mais reconhecidos, Rafael Alegría, declarou que a convocatória da Assembléia Constituinte, uma das demandas centrais da resistência, podia suspender-se para o próximo ano. Desta maneira, a política de subordinar ao movimento de massas ã direção de Zelaya não faz mais que manter intacto o poder dos exploradores hondurenhos.

Desde o começo, a estratégia de Zelaya, como a da OEA e o bloco da ALBA, foi subordinar-se ã política do governo imperialista de Obama que se expressou no Plano Arias, de dialogar com os golpistas, aceitando sua restituição condicionada ã presidência e permitindo a legitimidade do regime oligárquico ao serviço da burguesia pró-imperialista hondurenha, do que o mesmo forma parte.

Agora o bloco zelayista busca conseguir na mesa de negociação a reinstalação de Zelaya na presidência antes de 15 de outubro, em troca disso legitimaria as eleições do dia 29 de novembro. Mas inclusive esta saída que parece tão conveniente aos olhos de Obama e dos governos latino americanos, não está garantida no marco da grande polarização política e social de Honduras onde uma minoria de capitalistas e latifundiários, sócios menores do imperialismo norteamericano, buscam manter submetida ã grande maioria da população.

Ao se concretizarem, os acordos com os golpistas seriam uma grande estafa para o povo hondurenho, ainda que restituam a Zelaya na presidência. É necessário que os trabalhadores, os camponeses pobres, os jovens, as mulheres e os setores populares que tem vindo sustentado a resistência contra o golpe durante mais de três meses, e que começaram a desenvolver elementos embrionários de auto-defesa nas em bairros e colônias populares ante a repressão do exército, dotem-se de uma política e uma estratégia própria independente de Zelaya. É preciso que o exijam ás direções operárias e camponesas desconhecer qualquer acordo que eventualmente se firme com os golpistas e retomar o caminho da luta e da mobilização na perspectiva de organizar o boicote ás eleições e a greve geral indefinda até derrotar os golpistas e impor um governo provisório das organizações operárias e populares.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)