FT-CI

Cuba - Debate com a LIT-QI

Aonde vai a LIT-QI com sua política democratizante?

29/04/2011

A corrente encabeçada pelo PSTU do Brasil publicou a declaração “Chamamos a rodear de solidariedade os trabalhadores e o povo cubano” (3/04), fundamentada em sua caracterização de que Cuba faz tempo já é plenamente capitalista, onde os trabalhadores sofreriam uma exploração “qualitativamente superior à quela imposta na maioria dos países da América Latina e do mundo” e que seu governo seria uma ditadura comparável ás “de Mubarak no Egito, Pinochet no Chile ou Videla na Argentina”. Para a LIT, “A restauração do capitalismo na Ilha, combinada com a total falta de democracia, teve como resultado a existência de uma ditadura muito similar ás piores e mais sanguinárias ditaduras do mundo. Na realidade, em alguns aspectos é uma ditadura muito pior que aquelas.”

Já discutimos em outros artigos contra a equivocada definição de Cuba como país plenamente capitalista, defendendo a caracterização marxista de que é um Estado operário deformado em processo de decomposição, ou seja, o processo de retorno ao capitalismo, de conversão da casta burocrática em uma nova burguesia e de re-colonização pelo imperialismo ainda não terminou, por isso segue colocada a defesa das conquistas estruturais básicas da revolução, fundadas na nacionalização dos meios de produção e na liquidação da burguesia como classe, que apesar de degradas e minadas dia-a-dia pela burocracia em seu próprio benefício, ainda sobrevivem.

A alternativa de ferro em Cuba é que frente aos planos de restauração capitalista, seja a “via cubana” gradualista da burocracia, seja a via de “mudança de regime” e “abertura econômica e política” que o imperialismo preferiria; a única alternativa estratégica é o programa da revolução política, no sentido trotskista do termo, encaminhada até a queda revolucionária da burocracia e o estabelecimento de um verdadeiro governo dos trabalhadores.

A LIT rompeu com o programa trotskista de revolução política. Como decidiu dar como fato consumado há anos o retorno ã ordem burguesa, o que é um processo inacabado, não pode propor um programa correto para enfrentar o programa real da burocracia governante, expresso na plataforma recém aprovada pelo Congresso do PCC – que aponta não só a ajustes e demissões, como os que já vêm implementando, senão a deslocar a economia de transição para avançar cada vez mais nas concessões ao mercado e ao capital estrangeiro. Dá essa batalha por perdida, no passado, em vez de a considerar como uma tarefa difícil, mas presente, atual.

Mais ainda, os erros grosseiros da LIT estão ligados a uma política democratizante com desastrosas conseqüências. Sua declaração parte de levantar uma política para uma possibilidade futura: “De uma forma ou de outra, mais cedo ou mais tarde, os trabalhadores cubanos vão se rebelar contra essa situação, e quando isso acontecer, uma nova e grande ameaça vai se colocar sobre suas cabeças: a repressão”, mas não propõe nenhum programa de classe nem perspectiva própria pela qual os trabalhadores cubanos possam chegar ao triunfo. Definindo o regime como uma ditadura capitalista, se preparam para um processo de “revolução democrática”, tomando como exemplo tacitamente os primeiros momentos da “primavera árabe” de levantamentos populares contra ditaduras burguesas. Todo o eixo está colocado em solidariedade internacional com o povo cubano que está “suportando uma brutal ditadura, e que está sendo ameaçado de ser massacrado quando começar a se levantar contra os seus exploradores e opressores.”

Adaptação ã democracia burguesa

Entre os múltiplos problemas e confusões que a LIT consegue acumular em poucas linhas, assinalamos dois:

Em primeiro lugar, como se poderia impedir um massacre só apelando ã solidariedade internacional? Não coincidimos com sua caracterização de que estamos frente a um regime fascista ou semi-fascista (pelo contrário sustentamos que em Cuba há um regime burocrático apoiado nas forças armadas e em um partido único stalinista), mas ainda concedendo por um momento que assim fosse, a política que propõe é completamente impotente para fazer-lhe frente. O único método eficaz seria o da classe operária com suas formas de luta. Chamar os operários cubanos a organizar-se nas fábricas, armando os comitês de autodefesa desde os sindicatos e organizações nos bairros, desenvolver a auto-organização democrática das massas (conselhos, soviets) para derrotar a guerra civil lançada pela casta dirigente e derrotá-la mediante uma insurreição conscientemente preparada, para impor um governo das organizações operárias e de massas que encabecem a luta. Mas a LIT não diz nada disso.

Em segundo lugar, achamos que sua linha de “solidariedade” obedece uma lógica de “revolução democrática” para substituir o regime político de “partido único” por uma “democracia”... burguesa, como uma fase necessária ou, ao menos, inevitável do processo. Não é necessário clarificar que os marxistas revolucionário distinguimos as diferenças que existem entre ditadura e democracia em um Estado burguês e que defendemos a conquista de liberdades democráticas para a luta e organização da classe operária e o povo. Mas nem por isso separamos a luta pelas liberdades democráticas da luta pela revolução.

Quando a LIT confunde como se fossem o mesmo o regime burocrático de “partido único” que oprime o povo cubano e as ditaduras pró-imperialistas como as de Mubarak ou Videla que afogaram em sangue toda resistência para proteger a propriedade privada e os lucros capitalistas, pretende fazer plausível que seria melhor conseguir uma democracia burguesa, já que ao menos existiriam mais liberdades, legalidade para os partidos, sindicatos etc. Na verdade, a LIT já escreveu: “Qual é, portanto, a grande tarefa proposta para a classe operária e o povo cubanos? A mesma que, no seu momento, esteve proposta nos outros países da região: derrubar essa ditadura para conquistar as mais amplas liberdades democráticas e para avançar em direção a uma nova revolução socialista” (www.litci.org, Martín Hernández, Revolução e contra-revolução em Cuba, 21/12/2010).

E é por isso que vêm exigindo amplas liberdades democráticas para todas as correntes opositoras, inclusive as burguesas, o que os coloca no pouco invejável lugar de estar objetivamente reivindicando liberdade de ação política também para os representantes dos gusanos e Miami (a burguesia exilada), os grupos ligados ã Igreja, entre outros agrupamentos da direita pró-imperialista, política que rompe com os mais elementares princípios de classe. Pelo contrário, os trotskistas chamamos a lutar por liberdade políticas e de organização para as massas contra o regime dos Castro, inclusive pelo direito ã greve, a criar sindicatos e ã plena liberdade de ação e legalidade para os partidos políticos que defendem as conquistas da revolução.

A LIT a beira do barranco

Lamentavelmente a lógica política da LIT a está levando por um perigoso caminho, localizando-a como ala esquerda do plano imperialista de contra-revolução democrática.

Podemos recordar que frente ao golpe em Honduras, um país semi-colonial oprimido pelo imperialismo norte-americano, levantou “a exigência de ruptura das relações com o governo de fato dos governos de todos os países que ainda não o fizeram. E, especialmente a exigência de boicote econômico, principalmente dos Estados Unidos (...)”. Ao considerar o regime imperante em Cuba como similar ao de um Mubarak ou um Videla, observando só a similitude nos traços repressivos, sem ter em conta a diferente base social, ou seja, o caráter de classe do Estado, porque não dar um passo mais e reivindicar boicote comercial e ruptura de relações diplomáticos com o regime cubano, como fizeram em Honduras?

Uma posição assim seria cair na mais vergonhosa bancarrota política. Acaso não é essa em essência a política que estão aplicando, até onde podem, os governos norte-americanos: bloqueio e isolamento, para dobrar Cuba? Os militantes honestos da LIT deveriam refletir sobre esses problemas de princípios e reclamar a sua direção uma urgente retificação em suas posições sobre Cuba.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)