FT-CI

Zelaya na embaixada do Brasil

O que está por trás da ação de Lula em Honduras?

24/09/2009

A volta de Zelaya a Honduras colocou o Brasil no centro da tensão que percorre o país da América Central. Do lado de fora da embaixada brasileira, o exército comandado pelos golpistas reprimiu selvagemmente a mobilização popular que cercava a casa, oficialmente território brasileiro, deixando a embaixada militarizada. O saldo da ofensiva dos golpistas de Michelleti foi de centenas de pessoas presas, e muitos feridos a bala de borracha e com bombas de gás lacrimogêneo. Neste exato momento, corre a notícia de que os golpistas cortarão a luz de Tegucigalpa por 48 horas, em mais uma tentativa de acabar com a heróica mobilização do povo hondurenho. A brutal repressão que ocorreu na madrugada de 22 de setembro deixou ainda o saldo de 2 pessoas mortas, além de muitos feridos.

Até o momento, o golpista Micheleti afirma que não invadirá a embaixada brasileira, e que “Zelaya pode morar na embaixada por 5, 10 anos ou o tempo que quiser”, embora esta e seus arredores estejam militarizados. Entretanto, segue exigindo ao governo brasileiro que ou entregue Zelaya ao governo golpista, cuja intenção é prendê-lo, ou que lhe dê asilo no Brasil, questão que é negada tanto pelo próprio Zelaya como pelo governo de Lula. Frente a esta situação, cabe questionar o que há por trás da política de Lula para a América Latina frente a este episódio, que segue o reforço da capacidade militar acordada com a França poucas semanas atrás, após o anúncio da instalação de novas bases militares norte-americanas na Colômbia.

Com uma ajudinha de Lula

A versão oficial dada pelo Itamaraty é de que Zelaya retornou ã Honduras sozinho, e bateu na porta da embaixada brasileira, tendo o governo apenas cumprido o papel de autorizar sua entrada. Segundo a Ministra da Casa Civil e candidata ã presidência do PT, Dilma Roussef, tratou-se de uma ação de “direitos humanos”, que não teve nenhuma articulação ou tentativa de projeção de Lula na região. Entretanto, é muito difícil acreditar que Lula tenha sido pego de surpresa, ou mesmo o imperialismo norte-americano, com a volta de Zelaya.

A política imperialista expressa na mediação de Oscar Arias e os Acordos de San José, era encontrar uma saída negociada com Micheletti e, neste marco, garantir a restituição condicionada de Zelaya ã presidencia, que entre outras coisas, garantía a anistia aos golpistas e a renuncia ã convocatória de uma Assembléia Constituinte. Enquanto Zelaya havia aceitado todas as condições impostas pelos Acordos de San José, os golpistas de Micheletti, apoiados em setores da direita republicana norte-americana, rechaçaram o acordo. Ainda que tanto a OEA como o governo norte-americano tenham se negado a reconhecer as eleições convocadas pelo governo golpista para 29 de novembro, Oscar Arias vinha de fazer uma reunião com os candidatos dos partidos golpistas cuja política era seguir o proceso eleitoral esperando que uma vez realizadas as eleições, estas fossem legitimidas.

É provável que se esta variante se concretiza, o papel mediador do governo de Lula se debilitaria, questão que pode ter motivado a decisão de Lula de alojar Zelaya na embaixada brasileira de Honduras.

Lula se lança assim a cumprir o papel que não poderiam cumprir nem o imperialismo norte-americano, nem o chavismo: o de forçar uma saída negociada ã crise de Honduras que implicasse a saída de Micheletti do governo. Foi nesse sentido que o seu discurso de abertura na 64 Assembléia da ONU apontou, no qual voltou a defender a restiuição imediata de Zelaya. Frente ã direita golpista e ao bloco da ALBA, Lula aproveita as contradições agudizadas pela situação latino-americana em geral, e a hondurenha em particular, para se propor como um líder capaz de estabilizar os conflitos regionais e recompor sua autoridade desgastada nas reuniões da UNASUL, onde ficou clara sua impotencia frente ao imperialismo norte-americano na questão das bases militares na Colombia. Desta forma, Lula pretende apresentar-se como uma garantia de estabilidade, ainda que no imediato a situação aberta em Honduras está marcada por grandes tensões.

Lula e a manobra da saída negociada

Ao mesmo tempo, Lula capitaliza esta imagem de “ator independente”, num momento marcado por muitas interrogantes no cenário latino-americano, em que ainda segue em aberto que relação de forças se estabelecerá. E no próprio cenário nacional, em que atravessa um ano antes das eleições presidenciais um clima de campanha por parte do governo Lula. Frente ao papel do governo Lula para o retorno de Zelaya, a oposição burguesa, na figura dos senadores do PSDB e do DEM rapidamente saíram a dizer que o Brasil tomou uma medida “chavista”, e que haveria deixado de ser imparcial. Com isso, buscam não só desgastar o governo, como capitalizar o apoio dos setores mais ã direita, os mesmos que apóiam o endurecimento da repressão aos trabalhadores, como na greve da USP, e ao povo pobre nas favelas de São Paulo. Os senadores do PSDB e do DEM, que apesar de ter como nome do seu partido “Democratas”, mostram como em verdade apóiam, uns mais abertamente, outros menos, os golpistas hondurenhos, sendo parte da onda direitista latino-americana da qual os golpistas de Honduras são a ala mais determinada.

Agora se abre o impasse em Honduras. E por mais que Lula busque se apoiar no seu peso regional e se alçar como ator de peso internacional, agora chama a que a ONU e a OEA intervenham para resolver a questão de Honduras, mostrando que não deseja, e nem poderia, cair numa situação em que teria que se enfrentar diretamente com o governo golpista. O governo Lula, frente ã dura resposta dos golpistas, que não parecem dispostos a entregar o poder e avançam ferozmente sobre as massas, já declarou que “vai pedir na quarta-feira, 23, na ONU que o governo de facto de Honduras garanta a integridade física do presidente deposto Manuel Zelaya, a inviolabilidade da embaixada brasileira e que o povo de Honduras seja protegido[1]”. Mas que tipo de “proteção” o “governo de facto”, ou seja, os golpistas, podem dar ao povo hondurenho? Esta é a maior prova de o papel de Lula em Honduras atende menos a uma preocupação com o povo de Honduras, que não recebeu do governo Lula e do chanceler Celso Amorim uma declaração sequer que apontasse no sentido de acabar com a repressão e condenar a ação do exército, que a uma política de garantir sua influência regional, e continuar a negociação arquitetada pelo imperialismo por outros meios.

Por outro lado, o fato de Zelaya ter regressado a Honduras por fora de um acordo acabado com os golpistas abriu uma situação em que até o momento há recrudescimento das tensões, com a resistência se enfrentando aos batalhões do exército e das forças de segurança. Assim, seu discurso moderado – bem como o do próprio Zelaya – está contrastando com a dinâmica de enfrentamentos aberta em Honduras.

Só a classe trabalhadora e as massas, pela sua ação independente, podem derrotar os golpistas e avançar na resolução de suas demandas mais sentidas. Portanto, é necessário agora redobrar o apoio ã resistência com todas as forças, na luta para que o fim do golpe seja uma conquista da classe trabalhadora e das massas, e não o desvio de sua luta.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)