FT-CI

Egito

Mobilizações se aprofundam debilitam ainda mais o governo de Mursi

08/02/2013

Por Simone Ishibashi

O Egito volta a ser o palco de intensas convulsões sociais, que estão colocando em xeque o governo de Mohamed Mursi. Desde os enfrentamentos do final de 2012 - quando milhares de manifestantes se levantaram contra a tentativa do presidente Mursi de ampliar seus poderes na nova Constituição, forçando-o a retirar a medida -, a instabilidade do governo chefiado pela Irmandade Muçulmana através do Partido da Liberdade e Justiça aumenta. O ano de 2013 inicia-se aprofundando a tendência de crise política e enfrentamentos nas ruas em um ritmo veloz. No aniversário do segundo ano da queda de Mubarak, em 25 de janeiro, o país é tomado por manifestantes em Suez, Port Said, Malhalla, e a Praça Tahrir.

Estas mobilizações entram em choque com a polícia, transformando-se em atos de questionamento ao governo de Mursi. A tensão social se aprofunda quando é anunciada a condenação de 21 pessoas ã pena de morte por um tumulto em uma partida de futebol ocorrida em Port Said, que resultou em 74 mortos. “Essas sentenças são políticas. E a única coisa que provocaram aqui em Port Said é raiva, raiva, e mais raiva ”, afirmou o advogado Gergis Greiss, representante de famílias dos falecidos, engrossando as fileiras dos milhares que protestavam, e desafiaram o decreto de estado de emergência, forçando novamente o governo a um recuo.

No quesito repressão Mursi está demonstrando que não deve nada a Mubarak. O governo egípcio aprovou no dia 28 de janeiro a autorização para prisão indiscriminada dos manifestantes. Como resultado, os protestos estão se espalhando por várias cidades. Em diversas manifestações a consigna “fora já” dirigida contra Mursi é entoada. Se contabiliza mais de 60 manifestantes mortos, o que culminou no pedido de renúncia do ministro da Cultura, Mohamed Saber Arab por sua oposição ã violência policial, e na exigência por parte dos manifestantes da renúncia do ministro do interior, após um vídeo em que policiais atacam violentamente um homem nu em frente ao palácio presidencial vir ã tona.

O governo em menos de um ano de existência já impôs medidas antipopulares, como o pacote firmado com o FMI que exigia um aumento de impostos de produtos essenciais agravando a carestia de vida da população, além de não ter resolvido nenhuma das demandas democráticas fundamentais, como a submissão ao imperialismo e a Israel, e de ter aprovado uma constituinte é marcada por uma política antidemocrática em relação ás mulheres, e anti-operária denunciada pela Federação de Sindicatos Independentes.

É frente a este pano de fundo que o presidente do Irã, Ahmadinejad, desembarcou no Egito para participar de uma cúpula da Organização para a Cooperação Islà¢mica. Ainda que o encontro seja marcado por verborragias em relação ao combate a Israel, o fato é que isso passa longe dos objetivos de Mursi, que busca se alçar como um negociador regional entre o imperialismo e a região, tal como atuou durante os ataques sionistas ã Gaza em 2012. Como continuidade desta política externa, o que busca o presidente egípcio é utilizar o encontro para realinhar os setores islà¢micos em torno do seu governo, de modo a tentar capitalizá-lo no plano interno. Porém, o processo iniciado pelas massas egípcias se mostra muito mais profundo que manobras desde o alto. Em verdade, o maior perigo que estas enfrentam atua em seu interior.

O combate a Mursi deve se ligar ao combate ã Frente de Salvação Nacional já

Os setores burgueses opositores do Egito estão utilizando as mobilizações para ampliar sua localização no regime. A oposição burguesa agrupada na Frente de Salvação Nacional, coalizão que envolve setores de organizações como o Movimento 6 de Abril, tem como objetivo dirigir as mobilizações contra Mursi atuando como um freio para impedir que estas assumam uma perspectiva abertamente revolucionária. Dessa maneira, estes setores colocam suas forças para impedir a confluência entre a vanguarda da classe trabalhadora e as massas, rejeitam as consignas mais radicalizadas postas pelos manifestantes. O porta-voz da Frente declarou que a intenção desta organização não é forçar a queda de Mursi, mas apenas “obrigá-lo a respeitar as regras do jogo” [1].

Portanto, a política defendida por alguns setores da esquerda, como a LIT-PSTU emerge como um descalabro. Em primeiro lugar, torna-se evidente que a queda de Mubarak a despeito da bravura das massas, não se tratou de uma “revolução democrática triunfante” como colocou a LIT-PSTU, simplesmente porque nenhuma demanda democrática estrutural, como a libertação nacional frente ao imperialismo, ou a divisão de terras, foi conquistada. A dinâmica no Egito confirma a validade da teoria da revolução permanente elaborada por Trotsky, segundo a qual se liquida a concepção etapista da revolução. Isso porque a dinâmica da economia mundial em sua fase imperialista faz com que as burguesias dos países atrasados ou semicoloniais sejam incapazes de conduzir uma revolução que liberte a nação oprimida, já que esta é ligada por mil e um laços ao capital imperialista. Portanto, desde o seu início esta deveria ter como protagonista a classe trabalhadora, e não a burguesia, adiante do povo explorado e da juventude.

A teoria da revolução permanente e a necessidade de uma política clara

Por negar a teoria da revolução permanente, a LIT-PSTU é incapaz de explicar como esta “revolução democrática triunfante” de acordo com suas palavras, teria se transformando um regime bonapartista de um “novo faraó”. Se isso ocorreu é porque não foi uma revolução democrática triunfante, ainda que tenha derrubado Mubarak. Por não ter a classe trabalhadora no centro, com sua vanguarda organizada em um partido marxista revolucionário, este processo pôde ser desviado pelo Exército, a burguesia local e o imperialismo. Portanto, se não quiser semear mais confusão entre suas próprias fileiras, a LIT-PSTU deveria colocar abertamente o balanço de sua posição equivocada frente ã queda de Mubarak, e rever criticamente seu legado definido pela teoria da revolução democrática, já que hoje é obrigada a se render aos fatos e afirmar que “a essência do regime bonapartista, repressor e submisso ao imperialismo continua intacto, pois o regime foi reformado, (...) mas não destruído, como aconteceu no caso da Líbia” [2], e a afirmar agora, depois que todos os seus prognósticos se mostraram equivocados que a “revolução é permanente”.

A lógica defendida pela LIT durante a queda de Muabarak, de que o processo deveria ter dois momentos, um primeiro de “todos contra Mubarak” incluindo aí a burguesia opositora, para somente depois se colocar uma política de independência de classe e consignas anticapitalistas leva as mobilizações a um beco sem saída. Mediante a mobilização por conta do referendo ã Constituinte em dezembro de 2012, eis que surge a LIT-PSTU com uma política eclética, que se por um lado adverte que as direções burguesas não serão consequentes, por outro não levantam uma política efetiva para combatê-la. Naquela ocasião, assinalavam que: “O combate contra a ofensiva bonapartista se dá agora nas ruas e também no terreno eleitoral. Por isso, mantendo a mais absoluta independência de classe, sustentamos ser necessário que as organizações sindicais e a esquerda apliquem uma política de ampla unidade de ação com todos os setores, inclusive burgueses, que estejam dispostos a enfrentar o regime e a Constituição que o consolida” [3]. Ainda que nomeiem a necessidade de levantar uma política de independência de classe, ao não colocarem a denúncia do papel das forças opositoras da burguesia com centralidade por velarem pela unidade de ação com aquela, deixam as massas e os trabalhadores desarmados para que uma alternativa efetiva da classe trabalhadora surja neste combate. Além disso, a definição acima abre todas as brechas para que a “unidade de ação nas ruas” com os burgueses opositores fosse seguida pelo “combate também no terreno eleitoral”. Como assinalamos em outro artigo: “aplicado ao caso da primavera árabe, a teoria da revolução permanente significa que toda aliança com as direções burguesas leva ã derrota da revolução, mesmo de suas tarefas democráticas, e que é preciso que a classe trabalhadora conquiste sua independência política não só em relação á Irmandade Muçulmana, como da Frente de Salvação Nacional. A partir de conquistar sua independência, a classe operária deve avançar sobre a propriedade capitalista dos meios de produção, e não deter-se em nenhuma etapa democrática” [4]. Concretamente isso significava colocar em alto e bom tom não só que a FSN não poderá levar o combate até o final, mas que atuará contra este, como de fato já está se dando frente ã radicalização das mobilizações.

Partindo disso a chave está em levantar uma política que chame a classe trabalhadora a dar um salto em sua organização, colocando a necessidade de que esta intervenha nas manifestações contra o governo enquanto sujeito, e avance para instaurar uma greve geral indefinida contra o governo de Mursi. A partir disso seria possível articular milícias populares que possam organizar a resistência contra os ataques das forças armadas e, sobretudo da polícia. Este combate deve se completar com a agitação da necessidade urgente da construção de um partido marxista revolucionário. Só assim se poderá derrubar a atual assembleia constituinte que, garante todos os direitos ã burguesia, e instaurar uma que efetivamente a serviço dos interesses dos trabalhadores, da juventude e do povo, avançando para a constituição de um governo operário, camponês e popular, que liberte o país da dominação imperialista.

  • NOTAS
    ADICIONALES
  • [1Violência policial aumenta crise no Egito, 05/02/13 – Folha de S Paulo

    [2La revolucion egípcia no se detiene, www.litci.org

    [3Tahrir ruge contra o novo faraó, www.litci.org

    [4Egipto y la revolucion permanente, parte I – www.ft-ci.org

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)