FT-CI

França em chamas

Entrada Explosiva da Juventude na Luta

22/10/2010

Na escala Richter dos movimento sociais, os estudantes do ensino médio nas ruas, é um nível de alerta de seis ou sete pontos. É Raymond Soubie, conselheiro de assuntos sociais de Sarkozy, que lançava esta advertência em 15 de outubro, uns dias antes que dezenas de milhares de estudantes do ensino médio (secundaristas) e alguns universitários passaram a se manifestar junto a dezenas de milhares de trabalhadores do setor publico e privado. Há poucos dias, a jornada de greve e manifestações de 19 de outubro foi uma prova contundente de que a juventude já está toda empenhada na luta contra a reforma de Sarkozy, contra sua política reacionária e racista e contra a burguesia francesa.

Na semana passada iniciaram os primeiros piquetes de escolas, e essa semana se intensificou o movimento: de um total de 4.000 escolas em toda a França, dentre as quais estão piquetadas 380 segundo os dados do governo e 850 segundo as organizações dos estudantes do ensino médio. Algumas universidades também votaram piquetes em assembléias de centenas de estudantes, o que é um bom sinal.

Os piquetes de escolas estão sendo acompanhados por dezenas de manifestações diárias em varias cidades da França, e enfrentamentos entre estudantes secundaristas e a policia. Este é particularmente o caso das escolas dos bairros populares periféricos das grandes cidades, periferias, e onde se concentram as fileiras mais exploradas e oprimidas dos jovens, majoritariamente de imigrantes ou filhos de imigrantes das ex-colônias francesas. Os enfrentamentos ocorreram em Nanterre, oeste de Paris, em Seine-Saint-Denis, no norte da capital, e em Lyon. Houveram várias detenções e danos materiais.

Enquanto as provocações policiais [1] com seus escudos, gases e cassetetes são responsáveis por boa parte dos enfrentamentos e distúrbios, a partir da a imprensa – que a partir dos primeiros sinais de radicalização do movimento, deixou bem claro a serviço de quem se encontra – o governo leva a cabo uma campanha odiosa contra os “casseurs” (vândalos). Este termo, que retomam lamentavelmente os sindicatos e partidos de extrema esquerda, é utilizado para separar os estudantes do ensino médio (supostamente “bons e responsáveis”) dos “elementos externos” que vem das “cités” [2] e que devem ser expulsos das manifestações. Assim diz o jornal da direitista “Le Figaro”: “na esmagadora maioria dos casos os vandalos não são exteriores aos movimentos (…) Se tratam antes, dos mesmos estudantes secundaristas (…) nas manifestacões, os secundaristas (…) dos bairros pobres (difíceis) se transformam em “casseurs”. Colocam seus capuzes e começam a atirar pedras e a incendiar latas de lixo de plástico, e até carros” (Le Fígaro, 20/10). Se bem é verdade que existe uma decadência social, sobretudo nas cidades mais pobres, e que há agitadores infiltrados pagos pela policia para quebrar tudo e degradar a imagem dos manifestantes, a realidade é que a mídia tenta desacreditar os jovens estudantes, desarticular sua resistência e tentar evitar um cenário como o de 2006, quando, na luta contra o CPE, os jovens se uniram aos trabalhadores e fizeram o governo retroceder.

Um mau estar que vai além das aposentadorias

Muito se debateu sobre a legitimidade dos estudantes secundaristas nas manifestações contra a reforma... para não mencionar os piquetes das escolas. A burguesia e organizações de pais de estudantes “pró-governo”, entre outros, se indignaram denunciando uma “manipulação” e uma “simples vontade de não ir ás aulas” dos estudantes. No entanto, várias vozes se ergueram para lembrar que foi esse governo que baixou a idade criminal para 13 anos. Nesse sentido, a bandeira dos estudantes do ensino médio que fazem piquetes em suas escolas é: “aos 13 anos ã cadeia, aos 16 irresponsável, aos 25 desempregado, aos 70 morto... no trabalho”.

Mas a realidade é que a reforma do sistema de pensões fez aparecer outras preocupações mais profundas que se encontram latentes na juventude francesa. É que “esta geração é a primeira que, com segurança, entendeu que viverá pior que seus pais (…) no Maio de 68, uma juventude que não tinha por que se preocupar em encontrar um lugar na sociedade, protestava contra a mesma natureza da sociedade construída por seus pais. A geração de 68 não pode transformá-la, e deixou aos seus descendentes uma sociedade mais desigual, e menos acolhedora ainda”. (Rua 89, 19/10)

Hoje em dia, na França, o desemprego entre os jovens ativos de 14 a 25 anos é de 25%. Nessa estatística não se leva em conta os jovens estudantes, já que não são considerados como ativos. No entanto, 75% dos 2,2 milhões de estudantes universitários exercem alguma atividade remunerada. Finalmente, 12% dos jovens de 15 a 29 anos não estudam e também não possuem um emprego [3]. A estes dados deve-se somar o acesso a moradias: “de 1996 a 2009, os rendimentos disponíveis por família aumentaram 34%, enquanto que ao mesmo tempo os preços das casas aumentaram 130%”. (Le Monde, 15/10) Resultado: é impossível hoje em dia, para alguém que compra uma casa pela primeira vez, alojar-se nas mesmas condições que seus pais, ou mesmo em condições decentes.

Assim, a reforma da previdência, que é fundamental para o capitalismo francês, e que se faz, como não poderia ser de outra forma, ás costas dos trabalhadores, aparece entre os jovens como uma precarização suplementar que deverão sofrer no fim de suas profissões. É isto o que explica a entrada explosiva dos secundaristas e dos jovens de bairros populares no movimento. E as manifestações mais ou menos agressivas de uma parte desta juventude, muito mais do que ser uma simples manifestação de delinqüentes, reflete o único modo de expressão que eles encontram como conseqüência da política criminosa das direções sindicais e estudantis, que deixam de lado as preocupações e frustrações agudas destes setores, para se contentarem somente com ações de pressão sobre o regime. Como disse um deles: “Certamente Sarkozy não vai gostar que haja imagens em todo o mundo de jovens como nós queimando carros. Pela reputação da França, estará obrigado a fazer algo”. (Le Monde, 19/10)

Este problema da juventude que sente que não tem futuro é uma questão que vai além das reformas das aposentadorias e do governo de Sarkozy. É uma ameaça permanente para a estabilidade e a paz social burguesa na França. Os revolucionários devem ter uma política que tenda a unificar a luta desta juventude oprimida e a dos trabalhadores para barrar os ataques da burguesia francesa, como o atual ás aposentadorias, que permita ao proletariado recuperar sua forças para vencer em aliança com outros setores oprimidos da sociedade. Um pequeno exemplo disso foi nossa intervenção em Seine-Saint-Denis. Neste departamento, situado no norte da capital, que concentra as desigualdades mais importantes do território nacional, os estudantes do ensino médio entraram com tudo no movimento. Muitos piquetes foram de extrema violência. A vanguarda mobilizada que se reuniu no dia 20/10 em Assembléia para dar continuidade aos atos na terça-feira e na sexta-feira, adotou uma direção comum, chamando a unidade operária-estudantil contra o governo. Este é o caminho que devemos se seguir.

  • NOTAS
    ADICIONALES
  • [1Um secundarista teria ter perdido um olho na semana passada por causa da repressão da polícia.

    [2Concentração de edifícios, majoritariamente compostos por vivendas sociais, que se encontram nos bairros periféricos das grandes cidades francesas.

    [3Dados do “Les Echos”, de 11/03/10.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)