FT-CI

Crise Econômica Internacional

O começo do segundo capítulo?

19/02/2010

Três elementos chaves se combinaram no cenário econômico global. A situação econômica e financeira que está sendo experimentada por três países da zona do euro, a Grécia, Portugal e Espanha e, mais em geral o chamado depreciativamente PIGS (iniciais dos primeiros três países mais a Irlanda, e que em inglês significa porco), devido ã situação crítica das suas economias, seus imensos déficits orçamentários e dívidas públicas. Esta situação também pode se tornar uma séria ameaça para a continuidade da moeda comum européia, e tem interessantes pontos de contato com a crise da conversibilidade na Argentina, que terminou com a queda do presidente De la Rúa em 2001. Como ontem, na Argentina, hoje, na Grécia e Espanha são anunciados e já estão sendo implementados planos de duros ajustes fiscais, reformas trabalhistas, cortes e descontos salariais. A Grécia antecipa as primeiras respostas dos trabalhadores e do movimento de massas, e na Espanha há uma tensa situação política e o governo de Zapatero caiu para os níveis mais baixos de popularidade.

Isso se combina ã crise no relacionamento entre a China e os EUA que teve origem na recusa da China a valorizar o yuan, um problema que dificulta as intenções dos EUA de aumentar a sua competitividade internacional e reduzir as importações. A resposta dos EUA é ofensiva, com a ameaça do Google a se retirar da China, a venda de armas para Taiwan (ilha que fazia parte da China e retirou-se para as forças de contrarrevolução de Chiang Kai-Shek em 1949) e Obama confirma encontro com o Dalai Lama (líder espiritual budista tibetano e atual líder do governo tibetano no exílio) contra a vontade do governo em Pequim.

A localização da economia dos EUA combina um crescimento anualizado de 5,7% do PIB para o quarto trimestre de 2009 com o desemprego que se mantém em cerca de 10%, e uma profunda crise fiscal e da dívida, que empurram para baixo a popularidade de Obama e os recentes reveses do Partido Democrata, com as perdas de assentos como em Massachusetts que foi ocupado até sua morte pelo democrata Edward Kennedy.

Esses três elementos são expressões dos limites da forma como o capitalismo impediu que a recessão fosse transformada em depressão, que se manifestam como mais ou menos mediada na crise orçamentária e na dívida pública. Esta poderia ser a abertura de um novo ciclo de crise econômica global.

Impacto da transformação da dívida privada em dívida pública

Após a quebra do Lehman Brothers no final de 2008 e do estouro da bolha imobiliária que abriu a mais profunda recessão econômica mundial desde a crise dos anos 30, os estados capitalistas evitaram a depressão sob o custo de conversão de dívida privada em dívida pública. Tanto nos EUA como nos países que constituem a União Européia e o Japão, os maiores bancos de investimento, seguradoras e bancos comerciais (e também empresas como a General Motors) evitaram a falência através da ajuda do Estado.
Pacotes de estímulo fiscal e as taxas de juro historicamente baixas foram os principais mecanismos para reanimar a demanda e o crédito. Evitando uma limpeza de capitais na magnitude que a crise exigiu, conseguiu conter a atual economia deprimida, mas também mudou o problema para outro lugar, não conseguindo resolvê-lo em sua casa. E, de fato parte da crise foi transferida do setor privado para o setor público, ou seja, o Estado. Os déficits orçamentais e a dívida pública pesada, portanto, tornaram-se um setor mais vulnerável da economia. O mercado de dívida pública sob a forma de ações, títulos e outros instrumentos financeiros funciona de forma semelhante a qualquer outro mercado de capitais especulativos, e dado que os ataques são direcionados para pontos críticos no sistema, pode sustentar-se que "(...) os problemas nos mercados de dívida pública estão começando a parecer-se perigosamente ataques especulativos contra o setor financeiro de um ano e meio atrás "(El Pais, 4 / 02).
A intervenção do Estado para conter o curso da crise e dá um resultado de duas faces: ela contém a queda nos negócios privados absorver o custo da crise e estimular o surgimento de uma nova bolha da dívida. O problema é que, em primeiro lugar, a dívida pública é como disse Marx, o mais fictício de todo o capital fictício, uma vez que carece de qualquer contrapartida real. Além disso, no primeiro ato o Estado atuou como o fiador do negócio capitalista, em um segundo ato, se efetivamente o Estado é o alvo, quem irá resgatá-lo?

A Europa: um hospício

As primeiras conseqüências financeiras dos altos endividamentos estatais e sua capacidade duvidosa para pagar, foram sentidos no pequeno emirado árabe de Dubai. Mais tarde, a situação começou a ameaçar seriamente o símbolo mais importante da unidade européia: o euro. Primeiro foi a Grécia. Agora se sente na tríade Grécia, Portugal e Espanha. Mas, sobretudo na Espanha, onde o mercado de ações sofreu uma queda em dois dias de mais de 7%, uma situação que o diretor-gerente do FMI, Dominique Strauss-Kahn, comparou "ao que aconteceu nos EUA". Como disse o economista e colunista do "Financial Times", Nouriel Roubini, "Se a Grécia é um problema para a zona euro, a Espanha poderia ser um desastre, porque é a quarta maior economia da região" (The Nation, 5 / 02). A economia espanhola caiu "(...) em alta velocidade depois do país entrar em recessão em 2008. Os seus déficits orçamentais caíram de um superávit de 2,23% do PIB em 2007 para um déficit de 11,4% em 2009. A dívida pública espanhola passou de 36,2% em 2007 para 55,2% em 2009 e deve chegar a 74% em 2012. " (The Nation, 5 / 02). O desemprego na Espanha chegou a 20% e é de longe o maior da zona do euro. A Espanha, juntamente com a Grécia, Portugal e Itália e, fora da zona do euro, a Grã-Bretanha são os países da União Européia cujas economias eram mais envolvidas no processo de especulação. Por essa razão, estão entre as que mais diretamente foram afetadas pela crise em 2008. Para além da Espanha, a Grécia tem um déficit de 12,7% do PIB, a dívida pública é de cerca de 110% do PIB e em Portugal, o déficit orçamental atingiu 8% do PIB e a dívida pública atinge cerca de 80%. Mas a idéia de que o problema da dívida afeta somente o PIGS "é declarada pelo economista marxista francês Isaac Joshua, uma ilusão. Como reconheceu recentemente o presidente do Banco Central Europeu, Jean-Claude Trichet, dezesseis países da zona do euro têm um déficit orçamental médio de cerca de 6% do PIB, um valor que está bem acima dos 3% de exigência da UE. Além de tomar alguns exemplos relevantes, nos EUA o déficit orçamental é de cerca de 11% do PIB, de 8% na França, 11,6% na Grã-Bretanha e cerca de 10% no Japão. A dívida pública representa cerca de 85% do PIB dos EUA, 76% na França, 60% na Grã-Bretanha e mais de 100% no Japão. O problema do déficit fiscal e da dívida pública em si não é, então, um problema específico da zona euro. A particularidade da zona do euro é que a adesão ã moeda européia impede o recurso a mecanismos como a manipulação das taxas de juros que são geridas pelo BCE (atualmente sob gestão alemã) ou implementar desvalorizações [1]. E o fio sem,pré se corta na parte mais fina ... É por isso que o ataque especulativo (estimulada com fúria especial pelos jornais Financial Times e The Wall Street Journal, os diretores do capital especulativo internacional) se concentra em países mais fracos que, para permanecer na área do euro terão de aplicar fortes ajustes fiscais para reduzir o déficit e a dívida pública e aumentar a competitividade externa de suas economias por meio de cortes salariais e cortes de trabalhadores, conforme já anunciou o presidente da Espanha, o "socialista" Zapatero, e ainda o ministro “socialista” da Grécia, George Papandreou. Os limites das políticas de sair da crise e expressar todo o seu potencial nos países mais pobres da zona do euro, onde o antídoto para a depressão econômica, o endividamento público, não pode continuar se mantêm-se no quadro moeda européia. Os países mais ricos como a Alemanha ou a França, vão tentar manter o euro, combinando com a exigência de planos neoliberais para os países mais pobres para dar continuidade ás políticas de "keynesianismo financeiro" nos países ricos.Verificou- se que os governos da zona do euro decidiram dar assistência ã Grécia,o que abre a possibilidade de que uma alteração do plano de ajuste anunciadas pelo governo prepare algum tipo de ajuda que poderia temporariamente aliviar a pressão no interior do mercado de bônus. No entanto, essas políticas, obscenas como são, terão de se enfrentar (e a Grécia é um avanço) com a raiva e a resistência dos trabalhadores. Tanto uma crise financeira como o desenvolvimento da resistência do movimento sindical no curto ou médio prazo, poderiam gerar movimentos de resistência em países como a Irlanda ou na Itália, países cada vez mais centrais, desafiando diretamente a existência do euro ou a adesão de muitos países ã zona do euro. Pode até acabar atingindo a própria Grã-Bretanha que está fora da zona euro, mas dentro da União Européia, e que tem graves desequilíbrios na sua economia e cuja moeda, a libra esterlina, está em estado de calma. A atual crise européia traz ã tona o antigo problema de que a União Européia não é, nem poderia ser um “superestado" . Nos anos 20 o economista britânico John Maynard Keynes chamou o continente europeu de hospício. A incapacidade da unidade européia capitalista (e o papel do euro) é um problema grave, não pela primeira vez na história, que agora volta a ser revelado em todas as suas dimensões.

O crescimento dos EUA e o aumento das tensões com a China

Há poucos dias foram divulgados dados de crescimento dos EUA para o último trimestre de 2009 que resultou um valor positivo de 5,7% do PIB em uma base anualizada. Este crescimento aparentemente impressionante, que certamente foi o maior desde o início da crise no final de 2008, é explicado principalmente pela reestruturação dos estoques comerciais e pelo pacote de estímulo do governo para os consumidores. A reconstrução de estoques, associado ao fato de que durante a pior fase da crise, as empresas praticamente liquidaram seus estoques, por isso é um fator excepcional que não pode ser considerado como um crescimento estrutural da economia. Como um freio resultado da queda da economia, o estoque caiu a uma velocidade muito menor do que vinha fazendo.
Segundo a agência EFE “os inventários empresariais caiu em 33.500 milhões de euros no quarto trimestre, depois de cair 139,200 milhões entre julho e setembro." (4/02). Segundo a agência "No total, 60% do crescimento do último trimestre obedeceu ã queda acentuada redução de inventários, o que mostra que as empresas têm retornado para reabastecer seus estoques esgotados pela recessão. "Se elimina-se esse 60%, o crescimento no quarto trimestre representaria cerca de 2,3% (sempre em termos anualizados) sendo menor do que o crescimento de 2,4% do terceiro trimestre e estaria em consonância com a esperada recuperação fraca da economia dos EUA. Recuperação que, por outro lado, é apoiada nas muletas dos planos de estímulo fiscal e juros baixos.
Como nos PIGS os "déficits e endividamento do governo desempenham um papel central em manter a economia dos EUA, que está construindo o maior déficit desde a Segunda Guerra Mundial e tem a maior dívida pública do mundo, o equivalente a mais de 12 trilhões de dólares. Dúvidas sobre capacidade do pagamento podem resultar em uma fonte permanente de instabilidade na economia dos EUA e do mundo. É por isso que a contrapartida do anúncio do crescimento veio ã tona como uma profunda crise orçamental quase ao mesmo tempo em que anuncia que o índice e conduziu a uma série de compromissos pouco críveis de redução do déficit fiscal como subproduto da pressão dos republicanos. Mesmo no último momento, e como uma expressão da extrema fraqueza das finanças norte-americanas, o presidente do Federal Reserve, Ben Bernanke, anunciou que iria reduzir a base monetária como um primeiro passo para depois eliminar os incentivos para aparentemente vir seguida de uma subida das taxas de juros. Esta medida de aplicação imediata questionável, dada a vulnerabilidade da economia dos EUA iria prosseguir a atração de capital através de retornos mais elevados em títulos do Tesouro, acelerando a falência dos países mais fracos. No entanto, em condições extremamente críticas, arriscaria mais uma vez a reforçar a tendência recessiva da economia enferma dos EUA.
Para o momento, não só tem uma base fraca recuperação estrutural, com o apoio que está nos planos de estímulo e de dinheiro barato do governo, mas também mostra sua fraqueza na incapacidade de gerar a recuperação do emprego. A taxa de desemprego é de cerca de 10% e representa um dos problemas mais graves do Estado. Esse problema está na base da queda de popularidade de Obama e enfraqueceu o Partido Democrata.
A natureza pouco séria da recuperação da economia dos EUA e com ela o elevado desemprego, são os elementos definidores da opção dos Estados Unidos por uma política de dólar baixo, o que implica uma postura mais agressiva internacional a fim de aumentar sua competitividade e reduzir as importações. Neste contexto, torna-se relevante a sua relação com a China. As próprias condições da recuperação negam a possibilidade de que o relativo equilíbrio é restaurado entre a China e os Estados Unidos determinou nos últimos anos e estabelecer uma política externa mais agressiva dos Estados Unidos. América precisa que a China valorize o yuan [2] para a redução das importações, mas também para capturar um segmento significativo do seu mercado interno. Estes são os elementos que estão por trás da mudança de políticas "amigáveis" dos EUA e sua atual ofensiva contra a China, a fim de enfraquecê-la [3] .

Rumo a um aumento de contradições

As medidas que em conjunto os Estados capitalistas centrais implementaram para deter a depressão encontraram um limite.As instabilidades assinalam que face a situação paradoxal aberta não se pode continuar como antes, mas uma mudança de política no sentido de reduzir os incentivos fiscais e o aumento das taxas de juro, no contexto de uma recuperação que não tem quase nada de estrutural poderia levar a uma nova queda. Em princípio, esta situação é susceptível de resultar em uma mistura eclética de planos neoliberais nos países mais fracos e continuidade de operações de salvamento nos mais fortes, embora estes últimos corram o risco de choques e, provavelmente, levar a mudanças abruptas nas políticas com conseqüências imprevisíveis. Planos selvagens de ataques ás nações mais fracas certamente irão estimular o ressurgimento da luta de classes que poderiam contaminar as nações mais fortes com elevados níveis de desemprego, como nos Estados Unidos. A estratégia de desvalorização do dólar e da política de “mão aberta" dos Estados Unidos para a China que buscava uma recuperação mais estrutural da economia dos EUA "mantendo as velhas formas" falhou. Também estão frustrando no seio da União Européia em manter os limites do euro, mostrando o caráter profundamente desigual dos países, e deixando correr os desequilíbrios extremos. Todos estes elementos levarão a grandes contradições dentro dos blocos existentes.Por sua vez, o aprofundamento da crise na Europa aumentaria a tendência ã depreciação do euro, cuja contrapartida é a revalorização do dólar. Este elemento poderia afetar seriamente os esforços dos EUA para reconstruir a sua competitividade global e reduzir as importações, agravando as tensões entre os blocos e, em particular, entre as potências como os Estados Unidos e a Alemanha. A China mesmo sendo um país dependente, é a terceira maior economia do mundo depois dos Estados Unidos e do Japão e detém 22% dos títulos do Tesouro dos EUA. Uma crise na relação entre a China e os EUA poderia levar ao aumento do protecionismo e maior estagnação do comércio mundial.
Além dos tempos concretos nos deparamos com os primeiros elementos de uma nova rodada de crise global, que vai aumentar muito provavelmente as contradições dentro dos blocos ou semi-blocos, entre os Estados, com mais ataques sobre o movimento de massas, aumentando a desigualdade econômica e a luta de classes. Não parece que no imediato retornemos a um curso depressivo coordenada claro, de toda a economia mundial, como aconteceu no final de 2008 devido a que os países mais afetados agora não são centrais. No entanto, é muito provável que estejam se forjando as condições para uma nova recaída, que em médio prazo pode trazer de volta ã cena episódios mais violentos de crise, não só com as condições de depressão econômica, mas com o confronto entre Estados e no desenvolvimento da luta de classes.

Para um estudo completo sobre o pano de fundo a atual crise na União Européia e o euro, veja "A Europa contra a crise do mundo capitalista", Juan Chingo, disponível em www.ft-ci.org

  • NOTAS
    ADICIONALES
  • [1Para um estudo completo sobre o pano de fundo a actual crise na União Europeia eo euro, veja "A Europa contra a crise do mundo capitalista" , Juan Chingo artigo traduzido para o espanhol revista Estratégia Internacional 2009, disponível em www.ft-ci.org

    [2Esta definição sugere que a crescente concorrência da China está associada apenas com a política monetária quando, na realidade, é apenas um elemento. A chave para uma maior competitividade da China está sujeito aos seus salários empobrecido, um problema que a América nunca vai falar, porque é altamente benéfica para as suas próprias multinacionais e deslocalização. Sem investimento na China que funcionou nos últimos anos.

    [3Para saber mais sobre as tendências da Sino-relacionamento EUA, em condições de recuperação econômica ver LVO No. 355, "Quatro perguntas sobre a situação econômica global. Decifrando o "recuperação", "Paula Bach.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)