FT-CI

África

Tunísia e a primavera árabe

27/01/2011

Enquanto prosseguem os protestos na Tunísia contra o governo de transição, o Egito vive manifestações históricas

As promessas e os gestos de abertura do governo de Ghannouchi logo após a queda de seu ex-patrão, o ditador Bem Ali, não bastou para conter os protestos na Tunísia. As ruas das principais cidades do país seguem sendo o teatro de importantes manifestações e a classe operária se perfila cada vez mais como um ator central da situação, ainda que até agora controlada pelos setores “radicais” da poderosa central sindical tunesina, a UGTT. O governo de Ghannouchi anunciou a liberação de todos os presos políticos, enquanto muitos dos atuais ministros se desfiliaram do RCD, o ex-partido do regime. O governo transitório até chegou a anunciar que processaria o ex-ditador e alguns de seus parentes e colaboradores próximos por corrupção e enriquecimento ilícito e também a criação de um subsídio para os jovens licenciados e atualmente desempregados. Os manifestantes seguem exigindo, entretanto, já não só a saída de todos os ministros do RCD do atual governo, mas também a do próprio Ghannouchi. Esta foi uma das demandas dos manifestantes da “caravana da liberdade” que saiu do Sul do país e chegou ã capital, Tunes, no dia 23. Desde então milhares são os que desafiam o diário toque de recolher e acampam dia e noite na praça da Khasbah, em frente ao palácio do governo, exigindo sua renuncia. Foram estes os que no dia 25/1 dispersaram a marcha a favor do governo orquestrada por Ghannouchi que terminou em um fracasso. Chamativamente, até o discurso aos manifestantes pronunciado no dia 24/1 pelo popular chefe de Estado maior das Forças Armadas Rachid Ammar e que chamava ã calma e ã paciência não conseguiu apaziguar os ânimos, por mais que prometesse que o exército se comprometia a ser “garantidor da revolução tunesiana”.

O êxito da greve docente e a greve geral em Sfax

Com o tempo o processo tunesiano segue arraigando-se na classe operária, em particular entre aqueles setores que estiveram, historicamente, ã cabeça da oposição a Bem Ali. A greve geral indefinida convocada a partir do dia 24/1 pelo sindicato docente da poderosa central sindical a UGTT, com a exigência da renuncia de Ghannouchi, foi acatada de forma quase unânime nas escolas do país e bastante seguida nos colégios secundaristas. A burocracia terminou levantando a medida de força depois de 48 horas alegando que tinha sido um êxito, mas não gozava de suficiente popularidade entre os pais. O que teme na realidade a direção do sindicato docente (historicamente opositora a Ben Ali, ainda que sobre bases moderadas, mais ainda hoje em dia depois da caída revolucionária do ditador) é que a greve se transforme em coluna vertebral da oposição ao governo de transição que hoje por hoje aposta em reformas cosméticas e negociados com as Forças Armadas e a UGTT para conseguir a estabilização do país. A pressão da base operária segue sendo muito alta, entretanto, como o testemunha a greve geral que começou a paralisar no dia 26/1 a segunda cidade do país, Sfax, o pulmão econômico da Tunísia. Encurralado pelos protestos Ghannouchi anunciou a criação de um novo gabinete cuja proclamação vem sendo postergada. É muito pouco provável que a mudança governamental que poderia ter lugar no dia 27/1 consiga acalmar a situação, por mais que termine marginalizando os ministros mais vinculados com o benalismo e dê mais espaço ã ex-oposição. Ao protestar contra a presença do RCD e exigir a dissolução do ex-partido benalista e a renuncia de Gahnnouchi, os manifestantes questionam objetivamente as bases mesmas do velho regime. É o que compreendeu a oposição burguesa mais radical, tanto o social democrata Congresso pela República de Moncef Marzuki como os islamistas de Ennahda. Mais que nunca, é necessário recalcar que a única saída autenticamente democrática para o país, alternativa ã armadilha das “reformas cosméticas” e do reestruturação governamental de Ghannouchi tanto como ás oposições mais radicais da oposição burguesa que exige a demissão do Premier, passar pela convocatória de uma Assembléia Constituinte Revolucionária capaz de rediscutir as próprias bases do país sobre as ruínas do regime benalista e dos acordos de submissão imperialista ã França e ã EU. Tal assembléia Constituinte Revolucionária não poderia senão ser convocada por um governo operário, camponês e popular baseado nos comitês de grevistas, de autodefesa e populares independentes do exército e constituídos pelos que foram o motor do movimento que tirou Ben Alí e são hoje o sustentáculo da oposição a Ghannouchi, a classe operária e a juventude.

Históricas mobilizações no Egito

Enquanto isso, a Tunísia segue tendo um enorme impacto no conjunto do mundo arábico mulçumano. Muitos foram nos últimos dias os casos desesperados de imolações (no Egito, Argélia, Marrocos, etc.), a imagem e semelhança do suicídio de Mohamed Buazizi com o qual iniciou o processo tunesino em meados de dezembro. Tudo mudou, entretanto, no dia 25/1 com as manifestações que sacudiram as principais cidades do Egito. Desafiando o estado de sítio em vigor desde 1981, quando Hosni Mubarak chegou ao poder, milhares de manifestantes se enfrentaram com a polícia no El Cairo, Suez, Alejandrina, Ismailia, exigindo a renuncia de Mubarak no poder há 30 anos. Com um saldo de quatro mortos, trataram-se das manifestações mais importantes desde a revolta do pão de 2007. Os protestos, em grande parte espontâneas, não foram encabeçadas pelos partidos da oposição legal e nem sequer pelo poderoso movimento dos irmãos muçulmanos, principal força de oposição a Mubarak. Longe de retroceder ante a repressão policial, os manifestantes resistiram durante várias horas frente ás forças de repressão no centro da capital. Por outro lado, as marchas tiveram um marcado caráter popular e até operário em algumas cidades, como Mahalla, teatro já em 2007-2008 das grandes greves têxteis que haviam desembocado na greve geral de 4 de abril de 2008. O regime egípcio suspendeu todas as conexões ás redes sociais que a juventude do Cairo utilizou para chamar aos protestos do dia 25/1 e não vacilou em reprimir duramente todo tentativa de concentração no dia 26/1, levando a cabo as batidas policialescas e quase 700 detenções em só dois dias. Voltou-se a chamar uma jornada mais de protesto para o dia 28/1, depois da grande redobrada de forças de quinta-feira. Mubarak pensa que bastará a repressão e a presença do exército na rua para esmagar os protestos. O mesmo pensava Ben Alí até o último minuto, até que a onda popular o levou. Fica por vermos como evoluirá nos próximos dias a situação tanto na Tunísia como no Egito. Parece, entretanto, que mais que nunca as marchas da avenida Burguiba da Tunísia deram início a uma nova primavera árabe.

Um golpe ao imperialismo ianque

A situação aberta no Egito é ainda mais uma nova dor de cabeça para Washington. O país norte-africano é o segundo receptor de ajuda financeira militar estadounidense depois de Israel e o ditador Mubarak é um aliado indispensável para a política dos Estados Unidos no Oriente Médio. Tanto é assim que Hillary Clinton afirmou no dia 25/1 que “o Governo egípcio se mantém estável apesar dos protestos”, enquanto que o porta-voz da Casa Branca, Robert Gibbs, perguntado sobre se os Estados Unidos continuava apoiando a Mubarak, assinalou que o Egito segue sendo um “importante e estreito aliado” (Europapress, 26/1). Desta maneira o despertar das massas egípcias se converte em uma nova frente que deve encarar Barack Obama.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)