FT-CI

Estados Unidos

O fim da “Obamania”

06/11/2014

O fim da “Obamania”

As eleições de meio mandato de 4 de novembro deram aos republicanos um triunfo ainda mais contundente do que prognosticavam as enquetes. O partido Republicano ampliou seu domínio na Câmara dos Representantes, conseguiu a maioria no Senado e ficou com diversos governadores nos estados. Conseguiu inclusive reeleger o governador de Wisconsin, Scott Walker, que impôs uma legislação profundamente antioperária e antisindical.

Este resultado é uma derrota para o partido Democrata e um duro revés para o presidente Barack Obama, que deverá transitar como um presidente debilitado pelos dois últimos anos de seu mandato. Isto provavelmente o empurrará a uma política conciliadora com os republicanos. Ao menos todos os sinais vão neste sentido.

Algumas particularidades da política norteamericana contribuíram para que a derrota democrata fosse mais estrepitosa: nas eleições legislativas baixa o número de votantes e sobe a porcentagem do eleitorado masculino, branco e maior de 40 anos, tradicionalmente base do partido republicano. A isto se soma que o Senado se renova um terço de cada vez, e nesta eleição primavam as bancas de estados com fortes tendências conservadoras.

Mas a explicação de fundo é o profundo descontentamento com a administração democrata e com o presidente Obama, que subiu com a promessa da “mudança” e governou como garantidor do status quo a serviço dos interesses imperialistas da mesma elite corporativa, financeira e política, que seu antecessor George Bush. Não por casualidade, os principais contribuintes da campanha, que custou nada menos que US$4 bilhões, são as grandes empresas, como os irmãos Koch (proprietários do segundo grupo industrial dos Estados Unidos) ou Paul Singer (o abutre de Elliot Management), que contribuíram generosamente para tornar possível o triunfo republicano, assim como o magnata George Soros havia contribuído na campanha democrata.

O partido Republicano compreendeu rapidamente que fazendo uma campanha “negativa” contra Obama poderia transformar-se em veículo deste descontentamento, dado que o sistema bipartidário só permite o jogo da alternância de poder dos principais partidos capitalistas. Outra lição que tirou a liderança do partido republicano das derrotas anteriores é que para ganhar devia domesticar o Tea Party, a ala de extrema direita, e adotar um discurso mais moderado, sobretudo em questões raciais e em conquistas democráticas como o direito ao aborto.

Por isso, como primeira definição, mais que um giro ã direita, o que as eleições expressaram é o fim das ilusões no partido democrata. Este estado de ânimo se manifesta em que somente 38% da população votou (as eleições não são obrigatórias).

O voto democrata segue sendo majoritário entre as mulheres (sobretudo solteiras), jovens, as minorias (afroamericanos, latinos), os que têm salários mais baixos (até 30 mil dólares por ano) e a elite intelectual, tradicionalmente progressista e liberal. Mas estes setores não encontraram razões válidas para ir votar e ficaram em suas casas.

Há outros dados curiosos que mostram o cansaço e a falta de entusiasmo na votação: as mesmas enquetes de boca de urna que registraram 59% de descontentamento com Obama, encontraram também 61% de opinião desfavorável aos líderes republicanos no Congresso.

Militarismo

Obama ganhou a presidência em 2008, no meio do estouro da Grande Recessão e depois de quase uma década de aventuras militares desastrosas que levaram ás derrotas no Iraque e no Afeganistão. Sua grande promessa foi colocar fim ás guerras de Bush. Não obstante, durante seus dois mandatos, aumentou a presença militar no Afeganistão, donde ainda os Estados Unidos não pôde retirar-se, continuando a “guerra contra o terrorismo”. E como se a história se repetisse como tragédia ou como farsa, terminará sua presidência com os Estados Unidos lutando uma guerra, por ora apenas aérea, no Iraque e na Síria, contra o Estado Islà¢mico, um grupo surgido no Iraque produto do caos e da exacerbação de conflitos produzidos durante os anos da ocupação norteamericana.

Ainda que a política de Obama de intervir na Síria e no Iraque contra o Estado islà¢mico conseguisse apoio popular, particularmente depois que o EI decapitou jornalistas e cidadãos ocidentais tomados como reféns, o limite que tem Obama é o envio de tropas terrestres.

Pela direita, sua política externa é criticada por ser demasiado branda por republicanos e neoconservadores que lutam por uma política militar mais agressiva.

Continua sendo a economia...

Na campanha presidencial de 1992, Bill Clinton tornou famosa a frase “é a economia, estúpido,” como explicação popular de seu triunfo sobre o candidato republicano, George Bush pai. Desde então, essa frase expressa como influi o emprego ou a inflação na hora de votar.

A economia norteamericana saiu da recessão em 2009. O terceiro trimestre de 2014 registrou um índice de crescimento de 3,5% (comparado com uma situação de virtual estancamento e tendências ã recessão na União Européia). A taxa oficial de desemprego caiu para 5,9% em setembro de 2014. E o mercado de valores alcançou números recordes. Mas estes indicadores macroeconômicos relativamente “exitosos” não bastam para convencer a grande maioria da população trabalhadora (chamada de “classe média”) que vê que sua situação não melhorou. Apenas como exemplo, a metade dos norteamericanos considera que ainda há recessão, e dois terços acreditam que a economia vai piorar no próximo período.

E não é para menos. Os cinco anos de recuperação beneficiaram apenas o “1%” mais rico. Enquanto os lucros corporativos chegaram a seu ponto mais alto nos últimos 85 anos (1,7 trilhão de dólares em 2013, o equivalente a 10% do PIB), o salário está em seu nível mais baixo dos últimos 65 anos. Milhões de assalariados cobram um salário mínimo miserável, fixado em US$7,5 a hora.

Segundo a Oficina de Censos, ainda há 43,5 milhões de norteamericanos, 14,5% da população, vivendo abaixo da linha de pobreza (estabelecida em um ingresso de 23.834 dólares anuais para uma família de 4 pessoas).

A situação das minorias tampouco melhorou qualitativamente. Como informa o Economic Policy Institute, a comunidade afroamericana tem a taxa de desemprego nacional mais alta (11%), seguida pelos latinos (6,9%).

Estas condições de salários baixos, empregos precários e leis antisindicais deram lugar a fenômenos novos, como a organização AltLabor que expressa tendências ã organização dos setores mais precarizados, como os trabalhadores das redes de fast food, e a campanha pelo aumento do salário mínimo para 15 dólares a hora. Inclusive, vários estados que votaram nos republicanos também votaram pela subida do salário mínimo que se havia colocado sob referendo (junto com outras questões, como a legalização da maconha).

Ainda que tanto Obama como os republicanos dessem sinais de buscar a governabilidade, ou seja, não polarizar e encontrar consensos, neste novo cenário não se pode descartar que se repitam situações de crise interna, sobretudo tendo em consideração que já começou a campanha pelas eleições presidenciais de 2016. Isto teria conseqüências não somente na política doméstica, mas também no plano externo, porque complicaria ainda mais a administração por parte do governo norteamericano da sustentada decadência de sua liderança como principal potência imperialista do mundo.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)