FT-CI

Aniversario da fundaçao do Estado de Israel

60 anos de opressão do povo palestino

18/05/2008

60 anos de opressão do povo palestino

Talvez me despojes da última polegada da minha terra

Talvez aprisiones minha juventude

Talvez me roubes a herança de meus antepassados

Móveis... utensílios e jarras

Talvez queimes meus poemas e meus livros

Talvez atires meu corpo aos cães

Talvez levantes espantos de terror sobre nossa aldeia

Mas juro que não me venderei

Ó inimigo do sol

E até a última pulsação de minhas veias

Resistirei

Resistirei

Resistirei

Trecho da poesia "Discurso no mercado do desemprego" escrita pelo palestino Samih Al-Qassim, professor proibido de exercer sua função pelos israelenses.


No dia 14 de maio completaram-se 60 anos da fundação do Estado de Israel. Comemorações enchem as ruas de Jerusalém, Tel Aviv e Haifa, que receberão a visita de seu padrinho, George W Bush. Enquanto isso milhões de palestinos recordam as décadas de expurgo, sofrimento e miséria a que foram submetidos desde que foram expulsos de suas casas após a votação da ONU, três anos após o fim da II Guerra Mundial. A fundação do Estado de Israel é denominada pelos palestinos como Nakba (tragédia), sendo o ponto culminante da história de opressão de um povo, agora sob a bota de Israel e do imperialismo norte-americano, sucedido por anos de dominação britânica.

Estima-se que desde 1948 cerca de 7 milhões de palestinos deixaram a região. Entre 1948 e 1950 Israel expulsou cerca de 85% da população palestina das áreas que foram incorporadas, e na Guerra dos Seis Dias em 1967 expropriou metade da terra pertencente aos palestinos, deportou mais 6.000, revogou os direitos de residência de 100 mil e demoliu cerca de 20.000 lares e assentamentos de refugiados. Calcula-se que hoje haja cerca de 1.25 milhões de refugiados palestinos residentes em 59 campos na Cisjordânia, Faixa de Gaza, Jordânia, Líbano e Síria, em péssimas condições, que têm se deteriorado ainda mais frente aos ataques recorrentes do exército de Israel contra a Faixa de Gaza, território declarado como “zona hostil” por ser controlado pelo Hamas. O número de assassinatos promovidos pelo estado de Israel é incalculável, mas estima-se que de setembro de 2000 a outubro de 2007 a cifra de mortos palestinos na Faixa de Gaza seja de 5.300, enquanto de feridos contam-se 600 mil, muitos dos quais são crianças, idosos e mulheres.
Isso demonstra que o caráter ilegítimo do estado sionista de Israel faz com que este só possa se manter em base ao assassinato e a opressão crescente do povo palestino. Trataremos neste artigo de alguns aspectos chave sobre o caráter do estado de Israel e qual a posição dos revolucionários.

As origens do Estado sionista

O movimento sionista se consolidou no final do século XIX, tendo como nomes proeminentes Theodor Herzl, jornalista vienense, e o emigrado russo Chaim Weissman. Com o fim da I Guerra Mundial e a instalação do mandato britânico sobre a região da Palestina, Weissman consegue acordos junto ao primeiro-ministro Lloyd George que favoreciam a política de emigração ã região. Desde aí, o projeto de Herzl se enquadrava perfeitamente com os anseios de dominação imperialista sobre o Oriente Médio, tal como atestam suas palavras: "Se Sua Majestade, o Sultão, nos desse a Palestina poderíamos nos comprometer a estabilizar completamente as finanças da Turquia. Para a Europa constituiríamos ali um pilar contra a Ásia, seríamos a sentinela avançada da civilização contra a barbárie".

Mas os sionistas eram minoria entre os judeus. Grandes comunidades judias, como a norte-americana, não compartilhavam do projeto de Weissman e Herzl. Havia ainda setores significativos de judeus que aderiram ao movimento comunista. Para fazer frente a isso, Herzl chegou a pactuar com figuras anti-semitas, como o ministro czarista Von Plewbe sob a promessa de apoio da monarquia russa para a colonização da Palestina em troca do convencimento dos judeus de abandonar os partidos operários.

Foi após a II Guerra Mundial e a tragédia do massacre judeu pelos nazistas que se legitima a ocupação da Palestina na ONU. O motor da criação do estado de Israel foi o anseio do imperialismo, agora encabeçado pelos EUA, de estabelecer uma base na região que atendesse aos seus interesses. Os EUA e a Grã-Bretanha fecharam suas fronteiras para o enorme contingente de refugiados judeus durante e após a II Guerra Mundial, tendo permitido que fossem massacrados pelos nazistas. Com a fundação do estado de Israel seguiam tirando proveito da situação dando uma resposta reacionária ao problema judeu como povo perseguido anteriormente. Isso mostra que o capitalismo em decadência não pode resolver as demandas das minorias oprimidas de maneira progressiva.

Assim o imperialismo pôs de pé um estado artificial, baseado na expulsão e no assassinato dos palestinos. Um estado teocrático, terrorista, racista, de cidadãos-soldados.

60 anos depois: corrupção e superexploração

60 anos após sua fundação, o estado de Israel enfrenta um momento de crise, ainda que siga exercendo o papel de sócio do imperialismo e opressor em nome deste em toda a região. Em primeiro lugar, colabora para isso a política desastrosa levada pelos EUA com a Guerra do Iraque, que levou ao desgaste de seus aliados em todo o mundo, e sobretudo no Oriente Médio. Isso se soma aos resultados da ofensiva desferida sobre o Líbano em 2006, quando Israel sofreu um fracasso militar após atacar as fronteiras com o país na tentativa de desarmar o Hezbollah. Naquela ocasião Israel não só não conseguiu desarmar o Hezbollah, que saiu fortalecido, como ainda sofreu o primeiro fracasso militar desde sua fundação, o que abalou o mito da invencibilidade de seu poderoso exército, base fundamental sobre a qual se assenta seu papel opressor na região.

Para reverter isso, Israel endureceu ainda mais o cerco sobre os palestinos, contanto agora com a colaboração aberta do presidente da Autoridade Nacional Palestina, Abbas do Fatah. Ambos atuaram no sentido de isolar o Hamas - organização islà¢mica que combate a ocupação sionista, vencedora das eleições legislativas em 2006 - a se isolar na Faixa de Gaza, que está sofrendo duros ataques militares na tentativa de fazer com que estes desistam de seu mandato, e como um recado a todos os setores armados que lutam contra Israel de que a estes só restariam duas saídas: ou a capitulação, como faz Abbas, ou a repressão militar.

Porém, esta ofensiva não impediu que mostras da degradação do alto escalào do governo israelense se coloquem cada vez mais abertamente. Hoje o premiê israelense Ehud Olmert, segue envolvido em um escândalo de corrupção, sob acusação de ter recebido dinheiro ilegal de um empresário norte-americano, e pode cair. Este não é o primeiro escândalo envolvendo Olmert, que já foi acusado de ter se beneficiado com especulação imobiliária ilegal, enquanto o ex-ministro da Justiça fora acusado tempos atrás de abuso sexual, o falcão Ariel Sharon (em coma) foi subornado por um corrupto empresário para a compra de uma ilha grega. Se Olmert cair é provável que vençam as eleições Benjamin Netanyahu, líder do partido Likud, outro corrupto ligado a mafiosos como Jack Abramoff, conhecido por ser ligado com a ala mais duvidosa do Partido Republicano norte-americano. Apesar da hipocrisia da burguesia sionista de se alçar como uma “civilização adiantada” e colonizadora no Oriente Médio, a geração mais proeminente de seus políticos encontra-se completamente corroída pela corrupção.

Mesmo sua forte economia, cujo PIB se situa na 18° colocação mundial, avança aprofundando as contradições. Isso porque se dá graças a uma intensa exploração dos trabalhadores, e numa desigualdade social impressionante. Um milhão e meio de israelenses, de uma população total de sete milhões, vivem abaixo da linha da pobreza, enquanto que 40% da receita das 500 maiores empresas do país estão nas mãos de 19 famílias. Assim, vê-se que o estado de Israel se sustenta sobre uma dupla base: opressão dos palestinos e árabes, e superexploração de sua força de trabalho.

Por uma Palestina laica, não-racista e socialista
É como conclusão de tudo isso que para os marxistas revolucionários não pode haver nenhuma solução possível por fora da destruição do estado de Israel. Que a justa aspiração pela convivência pacífica entre judeus e árabes nunca se efetivará com os "tratados de paz" orquestrados pelo imperialismo, por Israel e pelas direções burguesas árabes, que terminam conciliando, como o Fatah. Todos estes acordos (Oslo, Mapa do Caminho e as retiradas "unilaterais" de Sharon e Olmert, e agora os que se tentam com Abbas) são na prática a renúncia dos palestinos aos direitos democráticos mais elementares, como o de reaver seu território. Qualquer pretensa solução de “dois estados” serve apenas aos interesses da burguesia sionista e do imperialismo, podendo oferecer aos palestinos apenas uma caricatura de estado, sem unidade territorial e com as piores terras.

Estamos contra os ataques desferidos por Israel na Faixa de Gaza contra a população palestina e o Hamas. Por outro lado, defendemos que os trabalhadores e as massas palestinas e árabes avancem da estratégia levada a frente pelas direções islà¢micas, que oculta as divisões entre as classes substituindo-as pela divisão religiosa. Estamos pela defesa da luta de libertação nacional do povo palestino, que só poderá ser levada até o final com a destruição do estado de Israel e a construção de uma Palestina operária e socialista onde possa conviver em paz árabes e judeus, na perspectiva de uma Federação Socialista do Oriente Médio.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)