FT-CI

ELEIÇÕES

PSOL – eleições e debates

01/10/2014

PSOL – eleições e debates

Com pouco tempo e recursos disponíveis para campanha, Luciana Genro tem aproveitado os debates nacionais para tornar suas posições conhecidas. Ganhou terreno no debate promovido pela CNBB ao se diferenciar de PT e PSDB. No debate do último domingo, adotou postura moderada em meio a afirmações homofóbicas de Levy Fidelix. A candidatura de esquerda com mais visibilidade atrai simpatizantes, mas falha na defesa dos interesses dos trabalhadores e da juventude.

Uma campanha que não esteve ã altura de Junho

A candidatura de Luciana Genro foi decidida no começo do ano, após intensas lutas internas. Em um primeiro momento, Randolfe Rodrigues havia obtido a nomeação em congresso nacional do partido, com Luciana Genro como vice. Entretanto, em meio a denúncias de fraude na eleição de delegados, o enfraquecimento de sua base política em seu Estado (Amapá) e ã obstinada busca de Genro pela liderança partidária, o nome de Rodrigues foi retirado e Genro assumiu o posto em convenção, no começo do primeiro semestre. Decididos os nomes, mãos ã obra.

Em junho do ano passado o Brasil protagonizou uma série de manifestações massivas que abriram um novo momento político nacional. O impacto foi tão profundo que obrigou todos candidatos a falarem “em nome da mudança”. Para os partidos de esquerda, ouvidos mais atentos ás suas ideias. O PSOL, entretanto, não mudou uma vírgula de seu script de eleições passadas; apenas aprofundou medidas de adaptação ao deplorável regime político-partidário brasileiro. Aceitou, mais uma vez, dinheiro de empresas capitalistas. Dando corpo a seu programa de desenvolvimento capitalista com direcionamento estatal (entenda-se, burguês), focou sua propaganda essencialmente em denúncias da política econômica do govermo Dilma.
A candidatura de Luciana Genro não serviu como palanque das lutas operárias e populares. Como exemplo marcante podemos citar a greve da USP e das estaduais paulistas, que após 116 dias de um duríssimo enfrentamento com reitorias e governos conseguiu impedir ataques estruturais ã universidade pública, como a tentativa de desvinculação do Hospital Universitário da USP, e ainda arrancar um reajuste salarial contra a proposta de 0% das reitorias. As candidaturas do PSOL em nenhum momento colocaram como seu eixo fortalecer essa importante luta em defesa da educação e da saúde públicas: pelo contrário, ã frente dos DCEs da USP e Unicamp, enfraqueceram a luta para priorizar suas campanhas eleitorais completamente por fora desse processo.

Dois debates, dois resultados: uma mesma ideia

O intricado sistema partidário brasileiro é absolutamente antidemocrático. Funciona de tal maneira a privilegiar os partidos tradicionais, que defendem a ordem. Genro ganhou destaque no debate realizado pela Confederanção Nacional de Bispos (CNBB), no dia 19. O trecho que mais circula na internet é a sequência de pergunta, resposta, réplica e tréplica que teve com o candidato tucano Aécio Neves. O tucano havia terminado uma sequência de ataques ã Dilma, denunciando os casos de corrupção mais recentes, com destaque para o caso da Petrobrás. Após concordar que o governo Dilma e o PT devem ser criticados pela maneira como se apopriam do Estado em benefício próprio, Luciana Genro remarcou que o PSDB foi o precurssor dessa prática. Lembrou o caso da compra de votos no Senado em 1997 em prol da emenda constitucional que garantisse a reeleição. Com vigor e entusiasmo, abraçou a velha bandeira da ética do PT pré-mensalào. Infelizmente, a candidata não aproveitou a oportunidade para denunciar a relação simbiótica entre o Estado capitalista, seus partidos políticos, os bancos e o crime organizado. A corrupção e o crime organizado são inerentes ao Estado dirigido pela burguesia, pois é ela a principal beneficiária dessa relação. Aos trabalhadores, ã juventude e ao povo pobre, que ouve busca atentamente uma alternativa política que defenda de fato seus interesses, ficou somente a falsa ideia de que basta mudar as pessoas que compõem os organismos do regime político brasileiro que as coisas serão diferentes.

A repercussão obtida pelo desempenho de Genro não é tributária da força de suas ideias. O espaço político para ideias de esquerda depois de junho é crescente. Em meio ao marasmo e ã podridão política dos partidos oficiais, refrescar a memória e lembrar que os governos do PSDB não devem em nada quanto ã corrupção aos do PT, ainda mais se diferenciando pela esquerda, é estimulante para aqueles que se sensibilizaram com junho. Mas é absolutamente insuficiente.
O debate do último domingo, televisionado pela Rede Record, foi um momento que definiu a intervenção de Genro. Já no final, a candidata do PSOL perguntou a Levy Fidelix porque alguém que defende a família se recusa a reconhecer o casamento entre homosexuais. A resposta de Fidelix foi um ataque aos mais elementares direitos dos homossexuais, uma manifestação homofóbica com incitação ã violência.

A mesa estava posta para uma demonstração de como a esquerda responde a posições como essa. Melhor ainda, em cadeia nacional. O que poderia ter sido um combate frontal contra Fidelix e sua postura digna de defensores de regimes autoritários, tranformou-se em mera resposta genérica, defendendo o casamento igualitário. Perdeu-se enorme oportunidade de desmacarar Dilma e PT, que governam com o apoio da bancada evangélica, perseguidora das lésbicas, gays, travestis, transexuais e trasgêneros. Desmascar Marina Silva e seu discurso de “nova política”, mas que define seu programa com os conselhos de Malafaia.

O sopro refrescante de denúncia tanto de PSDB quanto do PT em matéria de corrupção no debate da CNBB encontrou sua outra face no debate da Record. Luciana Genro defende um projeto político que propõe se apropriar das estruturas do regime político nacional e, a partir daí, realizar transformações sociais e políticas. A questão é que esse mesmo regime serve para defender os interesses dos capitalistas. Ter como objetivo principal ocupar paulatinamento os espaços políticos existentes desarma os trabalhadores o povo pobre para a defesa de seus interesses. A força da candidatura de Luciana Genro entre setores importantes da esquerda e jovens que despertaram politicamente ao protagonizar Junho não está em suas ideias. Se econtra justamente no anseio de algo a mais, de uma política atrelada aos destinos dos trabalhadores e do povo pobre. O PSOL, porém, não está a altura desse desafio.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)