FT-CI

VITÓRIA DOS GARIS DO ABCDMR

Com o lixo no chão, está surgindo um novo movimento operário

11/04/2014

Com o lixo no chão, está surgindo um novo movimento operário

por LER-QI, ABCDMR

A vitória dos Garis do Rio contagiou a categoria em todo o país. No ABCDMR não foi diferente. A greve de 8 dias dos Garis do ABC Paulista comprovou as tendências, ao menos neste setor precário e de maioria negra, presente em todo o país, de um novo e forte movimento operário, que rompe os limites impostos por suas direções e deixam como o exemplo para o conjunto dos trabalhadores de que para lutar consequentemente é necessário superar as burocráticas direções sindicais.

No berço de um bastião operário reconhecido pela imensa força, os varredores e coletores unidos recuperaram uma lição apagada pelos anos de lulismo e transformação dos sindicatos em instrumentos dos patrões e dos governos. Recuperaram a lição de que se organizando desde as bases de maneira independente, não só podem arrancar acordos melhores do que propõem os sindicatos pelegos, mas também garante que não se puna nenhum trabalhador com desconto ou reposição dos dias parados e/ou demissões. Nenhuma punição é a pré-condição para uma luta séria e a categoria sair de cabeça alta e seguir se organizando. Tal como no Rio que não caiu na chantagem das demissões, no ABC também foi derrotada esta ameaça e os descontos, e também como fizeram os garis do Rio, os garis do ABC não se curvaram perante a justiça e sua tentativa de derrotar a greve.

A vitória dos Garis do ABCDMR desde o começo demonstrava-se possível, apesar de serem trabalhadores terceirizados que faziam pela primeira vez uma experiência mais profunda com suas direções sindicais, ao contrário dos garis do Rio, que vinham se organizando e mobilizando previamente. Com sua influencia e demonstração da poderosa força dos trabalhadores unidos os garis do ABCDMR também arrancaram conquistas e mesmo com postos mais precarizados, do que no Rio, com uma imensa divisão de categorias, empresas e cidades distintas, os garis mostraram que é possível lutar, é possível vencer. Sua vitória deixa um exemplo para setores precários, terceirizados.

A formação das comissões e da democracia operária para derrotar as prefeituras, a justiça e o sindicato

Na sexta-feira 04 de abril, o sindicato já demonstrava que greve de fachada tem dia e hora para acabar. Enquanto o Tribunal Regional do Trabalho (TRT) cumpria seu papel de julgar as lutas operárias ilegais, os prefeitos das seis cidades paradas se faziam de descompromissados com aquela situação, colocando no lugar dos garis em greve, trabalhadores ainda mais precarizados.

Os trabalhadores que nesses poucos dias avançavam sua consciência rapidamente percebiam que o sindicato os entregava de bandeja aos patrões, impondo o castigo educativo aos grevistas e ameaçando os trabalhadores se eles levassem sua luta a frente, dizendo que ficariam sem emprego e consequentemente sem ter o que comer. Sem estabilidade e sem a principal reivindicação de aumento salarial (15,39% como pedia a categoria).

Com o exemplo do Rio sendo debatido entre os trabalhadores ficou claro que não só era possível e atual, mas como somente por essa via os trabalhadores arrancariam suas demandas. Foi então que alguns trabalhadores tomaram a linha de frente para organizar uma assembleia que votasse uma comissão com membros revogáveis para que não perdesse seu objetivo de defesa das demandas do conjunto dos trabalhadores. Dividiram-se em grupos e foram nos aterros Peralta e Lara para propagandear sua auto-organização e unificar suas pautas, porque a lição da união dos trabalhadores era não só clara como uma questão decisiva para os rumos da Assembleia que ocorreria a tarde e a luta que tomavam em suas próprias mãos.

O avanço que deram em sua organização, criando esta comissão, fazendo assembleias, tendo representantes revogáveis teve que ser reconhecida pelas empresas. O reconhecimento de sua comissão é um passo a frente para legitimar outras categorias a se organizar e também dentro dos próprios garis do ABCDMR. O ódio que tiveram do sindicato que lhes abandonou agora segue com vários trabalhadores discutindo como fazer para recuperar o sindicato para a luta dos trabalhadores. A estabilidade de 6 meses para todos grevistas acordada com a patronal pela comissão, tem que estar a serviço desta batalha, organizar democraticamente e desde a base a categoria para suas reivindicações e para dar passos para retirar os pelegos do sindicato e recuperá-lo para a luta de classes.

O movimento Nossa Classe na greve dos garis do ABCDMR

Jovens da Juventude ás Ruas da Fundação Santo André e da USP, junto a professores e metalúrgicos do Movimento Nossa Classe estivemos desde o primeiro dia nas manifestações e piquetes dos trabalhadores. Nos orgulhamos de ter contribuído moralmente com sua vitória, colocando esta aliança como força para confiarem em suas forças mesmo quando o sindicato lhes traía. Estivemos em sua luta não como pequenos grupos que querem dar aulas aos trabalhadores, mas para apoiar sua organização, sua tomada de decisões. Nestas greves estão se forjando dirigentes operários, vamos a elas para aprender e, ao mesmo tempo, desde a experiência histórica e de outras categorias, como os garis do Rio, contribuir para que os trabalhadores avancem em sua consciência e organização.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)