FT-CI

2° dia de greve dos metroviários de São Paulo

Com apoio da população e fortalecimento dos piquetes é possível vencer!

06/06/2014

[1/1]
[1/1]

Diante da intransigência do governador Geraldo Alckmin e do Secretário dos Transportes Jurandir Fernandes mais de mil metroviários ontem reunidos em assembleia decidiram por unanimidade continuar a greve pelo atendimento de suas reivindicações. Para fortalecer a greve decidiram organizar piquetes efetivos nas estações de modo a impedir o precário e inseguro “plano de contingencia” da patronal e garantir o pleno exercício do direito de greve. Como propôs o delegado sindical Felipe Guarnieira da estacao Santa Cruz e militante do Metroviarios pela Base “Cada área aqui tem que discutir quantos companheiros vãopara os piquetes! Porque Ana Rosa não vai funcionar! E se a gente conseguir fazer mais estação não funcionar melhor! O problema é que com uma greve tão forte não podemos deixar tantas estações funcionando. Os metroviários tem que se unir com outras categorias. Os metroviários tem que se unir com os trabalhadores da USP! E pra isso o Metrô de São Paulo tem que estar parado. E para estar parado SL, chefe e diretor não vai entrar! Proposta concreta: ANA ROSA AMANHÃ NÃO FUNCIONA!”[ver vídeo http://youtu.be/t6hgrTMqdWg].

Essa votação foi implementada hoje com dezenas de metroviários das estações, operadores de trem, seguranças e da manutenção que garantiram essa resolução da assembléia que foi brutalmente reprimida pela Polícia Militar a mando do governador Alckmim e da direção da empresa. [veja repercussão na internet]

Diante desta repressão Guarnieri declarou que “Se demonstrou, como propusemos na assembleia de ontem, que para nossa greve avançar é fundamental deixar de lado a estratégia de conciliar e negociar com os supervisores de linha, supervisores gerais e gerentes o que permitia a entrada de funcionários para manter alguns serviços. Foi fundamental esse piquete para a continuidade da greve num momento em que o governo recrudesce sua intransigência e repressão. A polícia chegou a prender um metroviário, o companheiro Pedro Melo delegado sindical da estação Luz e militante da agrupação Metroviários pela Base, por isso ficamos na delegacia por horas até a liberação do companheiro [veja vídeo]. Para os próximos dias teremos que organizar piquetes para impedir as medidas anti-greve, avançando inclusive para se necessário os metroviarios imporem como uma medida de força a liberação das catracas independente de autorização ou não da justiça e sem corte de ponto.”

Marilia Rocha, operadora de trem e delegada sindical da Linha Vermelha que esteve hoje no piquete na estação Tatuapé e Bresser disse que “Na Zona Leste a repressão do governo também foi forte. Ao mesmo tempo as pesquisas indicam que mais de 77% da população apóia nossa greve. Pude ver isso quando depois de termos bloqueado por um tempo o plano de contingência entramos nos vagões e falamos para a população explicando os motivos da greve e a insegurança do plano de contingência e desmascaramos o governo que coloca como um terror e uma “crueldade” a greve dos metroviários enquanto submete a população ã humilhação cotidiana com a superlotação e as altas tarifas. Recebemos aplausos nos trens e usuários participavam de nossas reuniões demonstrando a possibilidade real de uma aliança entre metroviários e usuários”.

Guarnieri finalizou dizendo que “Diante das ameaças do secretário que espera decisão da Justiça do Trabalho que lhe permita iniciar demissões e retaliações contra os grevistas e da intransigência de não atender as reivindicações [que além do índice salarial contém periculosidade para os trabalhadores das estações, plano de saúde para os aposentados, plano de carreira para manutenção e segurança, jornada de 36 horas e participação igualitária nos resultados] na assembléia de hoje devemos votar pela continuidade da greve e preparar piquetes e novas ações para garantir que essa greve que já e histórica realmente nos garanta conquistas ã altura desta forte luta e consolide a aliança com a população numa grande luta para dar uma saída pra crise dos transportes que passa pela imediata redução da tarifa e pela estatização do transporte sob controle dos trabalhadores e usuários, para o qual nós do Metroviários Pela Base viemos propondo para a diretoria do Sindicato dos Metroviários a necessidade de chamar os rodoviários e os ferroviários para unificar as lutas por nossas demandas e para uma saída para a crise do transporte, que motivou as grandes jornadas de junho do ano passado. Sabemos que para a vitória dessa greve que enfrenta esse governo antipopular e corrupto necessitamos cada vez mais do apoio da população mas principalmente da união e coordenação dos trabalhadores e da juventude”.

Nesse sentido chamamos a Conlutas que se reunirá nesse fim de semana a concentrar seus esforços no apoio a greve dos metroviários assim como lançar um chamado ás demais centrais sindicais exigindo medidas concretas de solidariedade e a preparação de uma paralisação nacional pelas reivindicações de todos os trabalhadores retomando as demandas das jornadas de junho. Esse chamado já foi feito pelo Comando de Greve dos trabalhadores da USP mas até o momento segue sem respostas. É necessário avançar nesse rumo denunciando os bilhões gastos com a Copa do Mundo enquanto a população vive sob condições miseráveis de serviços públicos. Viva a greve dos metroviários! Basta de repressão! Nenhuma retaliação ou demissão!

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)