FT-CI

Eleições Estados Unidos

A mensagem anti-establishment de Iowa

03/02/2016

A mensagem anti-establishment de Iowa

Esta fúria contra a política “as usual” deu a vitória ao republicano Ted Cruz, o senador texano de ultra-direita, referenciado no Tea Party, e privou Hillary Clinton do triunfo eleitoral, que terminou em um empate virtual com o senador Bernie Sanders.

Mas ainda que a tendência comum pareça ser à radicalização, o sentido da flecha é oposto. Para os republicanos que votaram majoritariamente em Ted Cruz, Donald Trump e Marco Rubio, os inimigos são o “grande governo”, os imigrantes, os muçulmanos, os impostos, os republicanos “traidores” e a ingerência estatal vivida como uma ameaça contra o individualismo extremo. Para a base democrata que votou em Sanders, os inimigos são a desigualdade, as guerras, Wall Street e seus políticos.

Os resultados das primárias em Iowa não são definitivos. O estado só responde por uma pequena quantidade de delegados às convenções partidárias – 44 de 4763 democratas e 30 de 2472 republicanos –. Além de conservar o método assembleário (convenção partidária) que não se repete em outros estados. Mas tem a força de dar início à corrida e de influir nas estratégias do resto da campanha presidencial.

Winners e losers

No campo republicano, a convenção de Iowa deixou uma sequência de perdedores e só dois vencedores. Além do resultado, também foi uma surpresa o crescimento da participação: 185.000 pessoas participaram da convenção republicana, um crescimento de 54% com respeito à primária de melhor performance até o momento.

Entre os vencedores está obviamente Ted Cruz, que se impôs com 28% dos votos, apelando ao caráter não convencional de sua candidatura. Sua campanha esteve dirigida à base evangélica, com referências recorrentes à Cristo, e a atacar os que em seu discurso de vitória chamou o “cartel de Washington” e os republicanos traidores. Cruz fez suas várias das “propostas” de Trump como levantar um muro na fronteira sul com México ou deportar milhões de trabalhadores sem documentos.

O outro candidato que ganhou apesar de ficar em terceiro é o senador pela Flórida Marco Rubio, que com 23% dos votos ficou só a um ponto de Trump. Sua vitória nesta primeira instância das primárias consiste em apresentar-se como uma opção válida para o establishment do partido, já que frente à demagogia de extrema-direita de Cruz e Trump, Rubio parece um moderado. Seu discurso de segunda-feira à noite depois do fechamento da eleição toca nesta posição estratégica. Rubio se apresentou como o candidato que pode chegar a outros setores pra além da base republicana radicalizada à direita, cujas posições extremas são minoritárias quando se trata de uma eleição geral.

Sem discussões, o grande perdedor foi Donald Trump, que ficou em segundo com 24% dos votos, ainda que possa se anotar o mérito de ter empurrado à extrema-direita o discurso político republicano. Isto não significa obviamente que esteja fora do páreo. Mas perdeu a aura de invencibilidade que construiu durante os meses que liderou as pesquisas. Além disso sofreu um golpe pessoal, porque sua campanha até o momento se centra em sua própria pessoa e em sua imagem de vencedor em todos os terrenos, começando pela ostentação de sua grande fortuna pessoal.

Muito longe de Trump, segue um pelotão de perdedores integrado por cinco governadores ou ex-governadores, com Jeb Bush à cabeça. Entre todos não chegaram nem a 8% dos votos, menos que o que obteve Ben Carson (um neurocirurgião aposentado que quase se retirou pouco antes da convenção). O problema para o partido republicano e para a burguesia norte-americana é que por trás deste grupo de losers está o establishment do partido e da classe dominante: os doadores republicanos colocaram mais de 100 milhões de dólares para a campanha de Jeb Bush, que obteve apenas 3% dos votos.

No campo democrata, a eleição terminou em um virtual empate. Hillary, como disse em seu discurso “respirou aliviada” mas não pôde fechar no armário o fantasma da derrota de Iowa diante de Obama em 2008, ainda que desta vez foi muito melhor, só dividiu a metade da votação e dos delegados comparado com o terceiro lugar cômodo (atrás de Obama e de John Edwards) de sua primeira campanha como aspirante à nominação democrata.

Mas se há que escolher algum vencedor entre os dois, Sanders leva as preferências. O senador “socialista” por Vermont estava 40 pontos atrás de Hillary quando em abril do ano passado anunciou sua candidatura. Com o resultado que obteve em Iowa e o crescimento de sua campanha já se pode dizer que transformou o que seria a coroação de Hillary Clinton em uma competição eleitoral.

O dado mais interessante é a composição do voto democrata. Segundo a pesquisa realizada pela Edison Research e difundida por vários órgãos de imprensa, Sanders obteve 84% dos votos dos jovens entre 17 e 29 anos; 57% dos que tiveram renda familiar de até 30.000 dólares anuais em 2015 e 50% daqueles com renda entre 30.000 e 50.000, além de 59% dos que participaram pela primeira vez de uma conferência (quatro de cada dez democratas). Os votos de Sanders se concentraram em assembleias próximas às universidades do estado. Hillary Clinton ganha no setor maior de 65 anos (69%), no que ganha entre 50.000 e 100.000 dólares por ano (50%) e entre as mulheres, que a preferem por ser mulher e por seu compromisso de defender o direito ao aborto.

Outro elemento que fala do atrativo popular da campanha de Sanders é o financiamento, em particular os 20 milhões de dólares que arrecadou em janeiro majoritariamente de pequenas doações. Algo que lembra a campanha de Obama ainda que sem chegar a essa escala.

De qualquer maneira, Iowa é uma lente muito distorcida, dado que a grande maioria de seu eleitorado é branco, com escasso peso tanto de afro-americanos como de latinos, onde Hillary Clinton teria um melhor desempenho.

O que Iowa deixou

Em síntese, Iowa mostrou em estado mais puro a polarização social e política que se instalou para ficar depois da Grande Recessão.

Como aconteceu em outras primárias, no início da campanha o perfil parece surgir mais do estado de ânimo da base dos partidos. Isto vai diluindo à medida que se aproxima o momento de definições, onde o que prima são os “super-delegados” e os mecanismos do aparato para “atropelar”. Este estado de ânimo é de frustração e descontentamento com os políticos tradicionais do sistema bipartidário, o que se expressa no apoio a candidatos que em algum aspecto chamam atenção como outsiders. Ainda que seja difícil considerar o demagogo Donald Trump como “anti-establishment” quando se trata de um multimilionário que está na lista da elite de ricos elaborada anualmente pela revista Forbes. Ou o evangélico Ted Cruz que pretende falar pelos que ficam fora mas sua esposa é uma executiva do Goldman Sachs.

O panorama parece mais complicado para o partido republicano, que sofre uma importante fragmentação (chegou a ter 17 aspirantes à nominação presidencial, agora ficaram 11 e provavelmente vários mais desistirão) e entre suas figuras mais votadas não há nenhuma referência do conservadorismo moderado. Por isso alguns, incluído o próprio Marco Rubio, especulam que frente à queda dos escolhidos pela elite partidária e burguesa, a boa vontade do partido se volte à Rubio, que parece ter a disposição ao menos de por um rosto mais amistoso às políticas de direita, frente a Ted Cruz, candidato com simpatias no Tea Party ou o impresentável Trump. Isto não porque o partido republicano tenha objeções a políticas de direita senão porque a demagogia e o fanatismo de Trump e Cruz (e do Tea Party) não é o melhor rosto para um dos principais partidos do capital norte-americano e dificilmente rompa seus limites para se expandir a um eleitorado que rechaça posições extremas.

O partido democrata talvez possa manejar sua interna, e além disso conta com a garantia de Sanders de que apoiará qualquer candidato de seu partido, ou seja, Hillary. Mas o importante não é o senador Sanders e sua política conciliadora senão o que expressou até agora sua campanha centrada em temas que conseguem importantes audiências populares como o fim da desigualdade, o aumento do salário, a denúncia de Wall Street e dos grandes capitais.

A “revolução política” de Sanders é uma ilusão, mas as condições que deram origem a seu surgimento não. As coordenadas de sua candidatura estão definidas pela concentração da riqueza, a perda do salário que hoje segue estando quase 4000 dólares anuais abaixo de seu nível de 2008, os mais de 48 milhões de norte-americanos que dependem de alguma ajuda estatal para alimentar-se, os 12 milhões de trabalhadores sem documentos sob ameaça, o racismo, a xenofobia e as guerras imperiais.

O efeito colateral benéfico da campanha de Sanders é que tenha colocado em claro não só o descontentamento senão que um setor nada desprezível de jovens e trabalhadores estão dispostos a escutar falar de “socialismo” e “revolução”, palavras quase proibidas no coração do capitalismo mundial. Ainda que o sentido que Sanders dá a estas palavras está longe de significar o fim da sociedade de exploração, o giro político que expressa é sem dúvidas um sinal político alentador.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)