FT-CI

Bolivia: declaração da LOR-CI

Todo o apoio aos trabalhadores mineradores de Huanuni!

14/07/2007 LOR-CI

Todo o apoio aos trabalhadores mineradores de Huanuni!

Solidariedade e coordenação das lutas!

Que a COB rompa a subordinação ao governo e impulsione um plano de luta nacional!

No dia 5 de julho o governo de Evo Morales desatou uma selvagem repressão, com dezenas de feridos e detidos, alguns em suas próprias casas, contra os trabalhadores mineradores de Huanuni, que vinham exigindo um aprofundamento do “controle social” mediante a autonomia de gestão da empresa para poder desenvolver os planos de exploração e produção de novas jazidas e minerais.

Esta repressão foi diretamente justificada pelo presidente Evo Morales, desde Potosí, que assegurou que “o povo me pede: Evo, mão dura com os bloqueadores!", e foi solicitada pelos empresários privados na reunião mantida com o presidente na segunda-feira, 2 de julho, a qual não pode participar o representante da Federação de Empresários de Oruro pelo bloqueio dos mineradores.

Ao mesmo tempo que o governo reprime os trabalhadores mineradores em Oruro, os camponeses em Yapacani, os guaranis em Camiri, no Congresso nacional acordos são obtidos entre o MAS e a direita para avançar na nova Lei de Armas, que penaliza a simples posse de dinamite, penalizando os protestos sociais.

Enquanto se opõe ás demandas dos mineradores, que permitiriam consolidar a nacionalização da Empresa de Mineração Hunauni e aprofundar o chamado "controle social" pelos trabalhadores, aceita as autonomias departamentais dos latifundiários e da oligarquia do oriente. Enquanto os trabalhadores e o povo exigem prisão para os assassinos de outubro de 2003, designa como diretor da aduana o ex-general Mario López, nada menos que chefe de estado Maior durante a repressão assassina em El Alto e assim sucessivamente. Tudo isto desmascara claramente o papel do governo, sua política de pactos e concessões ao empresariado, os comitês cívicos, a igreja, os militares, as transnacionais, quer dizer, ao conjunto da classe dominante.

Aprofundar o controle social até impor a administração operária direta em Huanuni!

As demandas dos trabalhadores, entre as que estão ter autonomia de gestão da Empresa Mineradora Huanuni, foi mostrada como uma medida que atenta contra COMIBOL e contra a nacionalização. O ministro maoísta de mineração Jorge Echazú, que avança na entrega do Mutun ã transnacional hindú Jindal, declarou que "as disposições vigentes devem ser respeitadas" e lançou uma campanha de calúnias contra os trabalhadores. A verdade é muito diferente, já que graças ã heróica luta de anos dos trabalhadores mineradores que Huanuni foi nacionalizada, que esta nacionalização foi defendida contra o MAS e seus aliados os cooperativistas, e que com a imposição dos trabalhadores de seu "controle social", quer dizer, determinadas formas de controle sobre a produção, distribuição e comercialização dos minerais de jazida, permitiu que a empresa que se encontrava em uma fraudulenta quebra em 2002, hoje seja a empresa mineradora que mais aporta ao TGN, permitiu a criação de quase 4000 novos postos de trabalho (algo que o governo dizia que era impossível). Os mineradores reivindicavam a retirada do gerente Guillermo Dalence (ex-ministro de mineração de Evo e que agora foi enviado a El Mutún) por suas manobras contra os trabalhadores, que se erga como lei o decreto que determina que não operarão cooperativas nem outros empreendimentos privados em Huanuni, o desembolso de fundos necessários para o desenvolvimento da produção e um novo maquinário, etc. A “autonomia de gestão" exigida pelos trabalhadores, busca garantir que as utilidades geradas pelos trabalhadores não se percam nas administrações nomeadas a dedo no COMIBOL, e que levaram a virtual quebra a Corporação em 1985, mas sim que sejam reinvertidas em exploração, extração de outros minerais. O ministro Echazú e todo o governo caluniaram os trabalhadores, afirmando que os mineradores não querem dividir as utilidades com o resto do povo boliviano através do Estado e a COMIBOL.
Entretanto esta é uma mentira escandalosa já que o SMTMH (Sindicato Misto de Trabalhadores Mineradores de Huanuni) declararam não só estar de acordo com um aumento do ICM (Imposto Complementar Mineiro), mas para conseguir a industrialização e o melhor aproveitamento de nossos minerais é necessário avançar em direção ã declaratoria instituição criação do monopólio por parte do Estado do comérico de minerais, eliminado os parasitas das “comercializadoras” e a exportação en bruto que realiza a Sinchi Wayra e outras transnacionais mineiras.

Os socialistas revolucionários da LOR-CI , afirmamos que estas propostas são progressivas, mas que é necessário ir mais além. É necessário implantar a Administração Operária Direta da empresa de maneira coletiva, para afirmar e acrescentar o poder dos trabalhadores e começar a elaborar um plano que permita organizar a economia mineradora ã serviço dos trabalhadores e do povo, baseado na integração com a fundição de Vinto e a nacionalização da grande mineração, sob controle operário coletivo, e contemplando os interesses dos cooperativistas pobres.

Abaixo ã repressão! Por comitês de autodefesa em Huanuni!

A repressão do dia 5 de julho, junto com a ameaça de deixar sem resguardo as jazidas de Huanuni, é uma chantagem não só aos trabalhadores, mas também ã toda população de Huanuni, atemorizada pela eventualidade de novos ataques de alguns grupos de cooperativistas que buscam a reprivatização da jazida. Frente a esta situação, para evitar qualquer agressão ou tentativa de tomada da mina, assim como para poder garantir a segurança das mobilizações frente ã repressão governamental, se faz urgente colocar em marcha comitês de autodefesa dos trabalhadores de Huanuni.

Que a COB e as organizações sindicais rompam com o governo para impor um genuíno plano de luta nacional!

Os dirigentes da COB durante todo este ano se animaram em negociar com o governo "popular", enquanto este se negava a resolver todas e cada uma das demandas dos trabalhadores. Assim, no dia 1 de maio, deixou o governo desfilar junto com a COB. Logo depois, no congresso da seguridade social realizado em La Paz nos últimos dias de junho, apresentaram uma proposta para manter no essencial a estrutura da atual Lei de pensões, elaborada por Gonzalo Sánchez de Losada, com a aprovação dos máximos dirigentes operários. Esta situação deve terminar. A COB deve denunciar claramente a repressão ordenada por Evo Morales e García Linera, e cercar de solidariedade ativa os trabalhadores de Huanuni. Os trabalhadores devemos impor em nossas organizações a independência sindical e política frente ao governo do MAS e sua política de pactos com os empresários e as transnacionais, o apoio e coordenação das lutas como Huanuni, para as levar ã vitória, e a discussão e preparação democrática -desde as bases- de um genuíno plano de luta nacional para impor todas as demandas operárias que vem sendo postergadas indefinidamente, como é o aumento salarial que cubra as necessidades básicas familiar, trabalho para todos, a jornada de 8 horas, as condições de trabalho, a terra e o território dos povos originários etc.

Os sindicatos combativos, os trabalhadores avançados, os lutadores estudantis, temos que tomar a iniciativa, somando esforços nas tarefas de cercar Huanuni e outras lutas de solidariedade, impulsionar a coordenação das lutas, defender a independência política dos sindicatos frente ao governo e aos partidos empresariais e colocar de pé um movimento ativo, de organização e luta, pelas demandas operárias.

La Paz, 6 de julho de 2007.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)