FT-CI

II CONGRESSO DO PTR-CcC Chileno

Realizou-se o II Congresso do PTR – Ccc

31/07/2012

Por Juan Valenzuela, Clase Contra Clase , Pablo Torres, PTR
Publicado originalmente em 18/07.


Nos dias 14, 15 e 16 de julho, realizou-se o II Congresso do Partido de Trabalhadores Revolucionários – Classe contra Classe. Reunidos num sindicato do setor alimentício na zona sul de Santiago, dezenas de delegados, quase 200 companheiras e companheiros militantes e convidados provenientes de Arica, Antofagasta, Valparaíso, Temuco e Santiago deliberaram durante três intensas jornadas neste congresso marcado pela enorme luta de 2011 protagonizada pela juventude. O congresso contou com a importante participação e enorme apoio do companheiro Christian Castillo, ex-candidato a vice-presidente da Frente de Esquerda e dos Trabalhadores, e dirigente do Partido de Trabalhadores Socialistas (PTS) da Argentina, além do companheiro Fernando Scolnik da Juventude do PTS. Também participou ativamente o companheiro Marcelo Torres da Liga Estratégia Revolucionária pela Quarta Internacional (LER-QI) do Brasil, que no ano passado esteve por vários meses no Chile contribuindo com a intervenção revolucionária do PTR.

A crise mundial se agudiza e as novas oportunidades para os marxistas revolucionários

Iniciando com saudações internacionalistas dos distintos grupos da Fração Trotskista pela Quarta Internacional (FT-QI), corrente da qual somos parte, abrimos a discussão do primeiro dia sobre a situação internacional. Discutimos que a crise mundial de caráter histórico aberta a cinco anos, apesar dos massivos planos de resgate e mecanismos para que os capitalistas ganhem tempo, continua agudizando-se e ameaça com quebras maiores. A crise está se expressando em agudas crises políticas e novos fenômenos da luta de classes em todo o mundo, além do surgimento de novas disputas entre os imperialismos, em particular entre EUA e Alemanha. Na Europa, com os enormes ataques ao proletariado e a crise social de milhões de pessoas no mundo, está abrindo enormes brechas entre os partidos da burguesia e milhões de trabalhadores e pobres que começam a enfrentar os planos capitalistas com massivas greves e marchas, tendência a greve geral, não só na classe trabalhadora, mas na emergência da juventude em todo o mundo. Não só na Europa, mas nos EUA com a emergência do Occupy Wall Street, no Norte da África com as rebeliões populares que estão tentando desviar, na América Latina com novos processos de luta de classes, na China com o surgimento do proletariado industrial mais importante do mundo. Se reatualiza a época de crises, guerras e revoluções e abrem uma enorme oportunidade para que ao calor das lutas seja possível superar a crise moral e de subjetividade do proletariado resultantes do mal-chamado “socialismo real", e abre enormes perspectivas para que as ideias do marxismo abram caminhos na classe trabalhadora e permitam novas vias para a construção de partidos revolucionários de combate que lutem contra as burocracias sindicais e os novos fenômenos reformistas que buscam desviar as grandes batalhas com saídas burguesas para a crise. Portanto, se recoloca a necessidade de impulsionar uma ofensiva das ideias do trotskismo e dar novos passos na construção de correntes revolucionárias no movimento operário e da juventude como parte da luta pela reconstrução da IV Internacional.

A crise contida do regime e a massiva luta da juventude

Em 2011 no Chile, vivemos o proceso de luta de massas mais importante desde a ditadura e abriu um novo ciclo politico. Milhares de estudantes secundaristas e universitários, acompanhados de setores da classe trabalhadora e setores populares que apoiaram ativamente a luta como foi com os panelaços, desafiaram ao regime neo-pinochetista da Concertación e da direita. Essa enorme luta golpeou as bases do neoliberalismo no Chile e deixou no chão a aprovação das instituições do regime (governo, parlamento, partidos burgueses, justiça patronal, polícia, Igreja etc.) e o enorme rechaço da população a estes. O movimento estudantil emergiu como a única oposição política não só contra o governo direitista do empresário milionário Sebastián Piñera, mas também ao conjunto do regime de transição pactuada. É um regime debilitado, com crises nas alturas, com um governo que está com suas próprias fileiras desordenadas, com uma oposição centro-esquerdista também debilitada. Isso abre maiores oportunidade para a emergência dos explorados e oprimidos. A luta do ano passado mudou a o pensamento de milhões de pessoas e abriu novos processos de luta de classes: Aysén, Freirina e diversas batalhas nas universidades, colégios, nos bloqueios de rua, dos quais inicialmente começaram a entrar as lutas dos trabalhadores como vimos nas diversas greves nos últimos meses. A burguesia, por hora, reforçou a repressão e tenta introduzir novos mecanismos de repressão para frear o ascenso da luta de classes. Também se preparam para saídas estratégicas de auto-reforma no caso da novas lutas ameaçarem o domínio polítco dos empresários e seus partidos. O velho regime neo-pinochetista totalmente anacrônico é incapaz de responder ás necessidades mínimas das massas e isso abre uma tendência explosiva que pode dar maiores saltos na luta de classes e permitir a entrada explosiva da classe trabalhadora. O grande limite para derrubar a herança pinochetista e abrir caminho a uma luta revolucionária são as direções de colaboração de classes, tanto do movimento estudantil como do movimento operário. O Partido Comunista, que dirige setores estratégicos do movimento operário e o ano passado foi a principal direção do movimento estudantil vem se integrando cada vez mais ao regime, em aliança com a Concertación e buscando conter as lutas para desviá-las pela via parlamentar o que lhes permite ganhar peso para sua negociação com o regime. A luta contra a burocracia estudantil e sindical de colaboração de classes que buscam frear o questionamento ã herança pinochetista é um requisito fundamental para os novos desafios colocados.

Construir uma agrupação de centenas de jovens combativos e revolucionários para colocar abaixo a heranca pinochetista

O congresso discutiu sobre como deveriam se orientar os revolucionários trotskistas nesses cenários. A luta de 2011 fez surgir uma vanguarda na juventude com uma nova subjetividade, com uma nova disposição de luta, uma geração “sem medo” que se enfrenta com a polícia nas ruas, que odeia o regime e rechaça a política colaboracionista do PC e da burocracia estudantil, que começa a tirar suas lições e inicia um caminho de organização. Isso abre um enorme campo para que os revolucionários possam se fusionar com o melhor da vanguarda e dar uma batalha em comum contra as direções reformistas, autonomistas e populistas. O que permite importantes perspectivas para que possa emergir o trotskismo como uma alternativa revolucionária neste novo ciclo político aberto no país. Isso se expressa nas declarações de Carlos Larraín, presidente da Renovação Nacional (RN), partido do governo, ao mencionar o perigo do “trotskismo”. Buscamos que esse “fantasma” se transforme numa séria ameaça ao regime e possa emergir como uma corrente com peso no movimento operário e estudantil.

Nossa organização ainda não é um partido, somos uma liga de propaganda com traços de ação. Nesse marco, o congresso refletiu sobre que táticas e que meios buscar para nos ligar ao melhor dessa vanguarda na luta estratégica de construção de um partido revolucionário de combate. Que as tarefas de uma liga, nos colocam a necessidade de pensar diversas táticas e políticas audazes que permitam que o trotskismo possa emergir como uma corrente com peso no movimento operário e estudantil.

Dando conta disso, o congresso definiu revitalizar a “Agrupación Combativa y Revolucionaria (ACR)” surgida em 2011, com dezenas de ativistas independentes, em seu encontro nacional realizado na Casa Central da Universidade do Chile que estava ocupada, e no colégio A-90 que estava sob gestão dos estudantes, pais e professores. Em vários lugares onde atuamos durante o conflito, confluimos com dezenas e centenas de ativistas da luta. Hoje a vanguarda está dispersa buscando se organizar, enquanto ainda somos centenas de milhares que saímos a rua para nos manifestar contra o governo e o regime. Como podemos ser uma contribuição para que todos os que queriam a gratuidade agora e colocaram suas energias nas ocupações, marchas, lutas contra a polícia, para que todos os que desconfiaram da mesa de diálogo entre Confech e o governo, possam se reorganizar, enquanto a burocracia tenta desviar tudo para o parlamento? Com o objetivo de avaçar nisso, decidimos revitalizar a ACR, com encontros locais, regionais e um nacional que possa agrupar centenas de companheiras e companheiros numa militância em comum que se proponha a acabar com a herança pinochetista e enfrentar as políticas do reformismo e o atonomismo que tentam levar as batalhas a colaboração com os partidos patronais. Uma agrupação que nucleie o melhor desses milhares de estudantes combativos secundaristas, universitários e também jovens trabalhadores que buscam abrir o caminho enfrentado a herança da ditadura.

Os que participaram da lista “Seguimos de Pé” da USACH junto a Javiera Márquez que teve 2 mil votos, triunfando sobre a Juventude Comunista, os lutadores do A-90 como Cristóbal Espinoza que levaram adiante a experiência de auto-gestão tri-estamental, lutadores da Filosofia e Humanidades da Universidade do Chile como Bárbara Brito que deram impotantes batalhas pela auto-organização, ou a referência do rap, Zonyko, que expressou o sentimento de milhares ao ritmo do ip-hop e as bandas das ocpações, se propuseram a buscar as vias para conformar uma grande corrente política que combata o reformismo e os coletivos populares. Uma batalha estratégica para que possa emergir o trotskismo e transformar-se numa séria ameaça para os empresários e seus partidos. Essa é a tarefa do período: grupar centenas ou milhares de jovens combativos que possam disputar setores massivos do reformismo, do populismo para que a juventude junto a classe trabalhadora seja capaz de mandar ã história toda a herança da ditadura de Pinochet.


Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)