FT-CI

Momentos decisivos

Oaxaca: retroceder é entregar a luta

27/10/2006

Entre as tentativas de setores da direção magisterial de entregar a luta e a chantagem repressivo do governo, em Oaxaca se mantém as barricadas e segue o plantão da APPO na capital mexicana. A luta se encontra em um momento decisivo.

Os trabalhadores e o povo de Oaxaca nos estão dando um grande exemplo de como lutar contra os governos dos capitalistas: com as barricadas e a greve sustentada pelas bases do magistério contra as ameaças do governo e a campanha de difamação dos meios de comunicação, enquanto mantém, apesar da chuva e do frio, um combativo plantão em torno do Senado (no Distrito Federal - DF) e uma greve de fome sustentada heroicamente por 21 companheiros e companheiras.

A combativa luta da Assembléia Popular dos Povos de Oaxaca (APPO) está em um momento decisivo. O governo, o PAN, o PRI, o PRD e as instituições do regime querem acabar de qualquer maneira com a heróica Comuna oaxaquenha, já que é um exemplo de luta para milhões de trabalhadores, camponeses e jovens em todo o país. Um exemplo que mostra o caminho para construir um poder alternativo ao poder dos patrões e seus políticos. Apostam que a APPO não triunfe em sua luta. Por isso é que até agora estão contra a saída do governador de Oaxaca, Ulises Ruiz Ortiz (URO) (como quando o Senado se negou a resolver a “desaparição de poderes”), sabendo que sua renúncia poderia ser um exemplo para as massas do México. Por isso mantém a ameaça da repressão, mediante o exército e a PFP, enquanto os paramilitares vinculados ã polícia e ao PRI atacam e assassinam companheiros nas barricadas, para amedrontar e fazer retroceder essa valente luta. Se Fox e a Secretaría de Gobernación ainda não se decidiram a reprimir é porque sabem que enfrentarão uma grande resistência, que poderia despertar uma verdadeira insurreição com repercussões em Oaxaca e outros estados, e incentivar o resurgimento de um movimento nacional de solidariedade. Buscam acabar com o movimento mediante a chantagem e a divisão interna entre o magistério e a APPO, com manobras que não resolvem as demandas comuns e só buscam destruir o movimento. Não passarão!

Frente a isso, impulsionar o retorno ás aulas sem que nem sequer caia URO, como está fazendo um setor da direção da Coordenadoria Nacional de Trabalhadores da Educação (CNTE) encabeçada por Rueda Pacheco, é uma traição aberta a esta heróica luta.

Fortalecer e estender a luta da APPO para que caia URO

As bases combativas do magistério e o povo de Oaxaca sabem que se as aulas voltarem sob essas condições, não conseguirão sua demanda básica e unificadora: a renúncia de Ulises Ruiz. O magistério sabe bem que as “promessas” da Gobernación nunca são mais que isso: “promessas” para dividir, desmobilizar e evitar que se radicalize a luta.

Da mesma forma, impulsionar uma “trégua” entregando a cidade com uma licenca de URO por 100 dias (como sugeriu SERAPAZ - organismo de DDHH-), somente desmobilizará aos milhares que estão sustentando as barricadas e o plantão do Distrito Federal, e deixará aberta a possibilidade de que URO retorne posteriormente ao governo. Sob essa saída, Fox e o regime poderão também pactuar entre “os de cima” uma substituição por outro político burguês que continuará com os mesmos planos contra os trabalhadores e o povo de Oaxaca.

Certamente, as bases magisteriais e os que sustentam as barricadas em Oaxaca e no plantão do Distrito Federal repudiam a proposta de Rueda Pacheco, considerando-a uma traição à luta. Este setor da direção da CNTE primeiro impulsionou uma consulta por fora dos resolutivos prévios, que colocava a necessidade da renúncia de URO para discutir o retorno ás aulas. Tentou dividir o movimento, aceitando uma proposta que somente promete resolver as demandas setoriais do magistério. E agora quer levantar a greve passando por cima da vontade das bases da Seção 22, como mostram as irregularidades na consulta. A direção de Rueda Pacheco, pactista e conciliadora com o governo, está indo contra o movimento e a resistência das bases, que nas barricadas e no plantão são quem sustentam a luta.

Frente a isto, seria muito importante que a APPO e suas bases magisteriais votem uma nova direção alternativa a de Rueda Pacheco e seus maniobras. Não podemos esquecer nossos companheiros presos e assassinados, nem os grevistas de fome! Que se discuta nas assembléias e em seu próximo congresso uma política para que a luta se fortaleça e triunfe sem abaixar a guarda, uma política que seja oposto a toda tentativa de se entregar.

Mobilização nacional em solidariedade

Desde a LTS-CC, acreditamos que é urgente superar o isolamento e rodear de solidariedade nacional a APPO. Os sindicatos e as organizações da “Outra Campanha” devem convocar uma paralisação nacional em solidariedade e uma grande mobilização. É necessário exigir o fim da repressão, a solução ás demandas da APPO e impulsionar uma coordenação nacional em apoio ã Oaxaca. A paralisação da CNTE de 27 de outubro é uma oportunidade para isso.

Há que impulsionar a solidariedade concreta com o plantão e com a greve de fome, colocando de pé comitês de solidariedade em todos os centros de trabalho, faculdades, escola e bairros. Há que chamar a construir um fundo de luta juntando recursos, fortalecendo o acampamento e fazendo todos os esforços para difundir a luta, assim como chamando a solidariedade internacional.

Em Oaxaca, frente a ameaça repressiva, seria fundamental uma nova megamarcha que mostra a disposição popular a defender sua Comuna. E organizar uma grande greve geral no Estado, para que sejam todos os trabalhadores, junto ao magistério, a ponta de lança para dar o golpe de misericórdia ao governo de URO. Se triunfa a APPO, ganhamos todos! Há que rechaçar todas as manobras da mesa de negociação. O Senado revelou seu verdadeiro caráter de classe contras as massas oaxaquenhas, mostrando uma vez mais que todas as instituições e seus políticos estão contrários ás demandas dos trabalhadores: por isso, há que insistir pela queda de URO e lutar por um Governo Provisório da APPO e das demais organizaçoes operárias, camponesas e populares em luta, que resolva as demandas de todo o povo de Oaxaca, e de onde os trabalhadores e seus aliados da cidade e do campo, reafirmem e estendam o poder que sustentam há 5 meses.

Em Oaxaca (como em todo o país), ou se é arrancado o poder dos capitalistas e conquistado para os trabalhadores e o povo ou se deixa o poder a nossos opressores. Este governo operário e popular encabeçado pela APPO poderia convocar uma Assembléia Constituinte Revolucionária no estado, onde as grandes maiorias discutam suas reivindicações mais sentidas.

Para isso, a APPO - que hoje agrupa distintas tendências e organizações sociais e política -, teria que transformar-se em um organismo baseado em delegados eleitos nas comunidades, bairros e centros de trabalho de todo o estado, com mandato de base e revogáveis, onde se informe e se decida de forma democrática os passos a seguir. Que se expressem com voz e voto os que são a primeira linha que evitou a ocupação policial-militar: as barricadas e os corpos de autodefesa. Frente a nova onda de assassinatos, provocações e ataques, se torna muito importante que se centralizem e coordenem todos os destacamentos de autodefesa (como as barricadas, os topiles e a Policial Magisterial), onde se definam as medicas democraticamente.

Frente a ação entreguista de setores da direção, colocamos estas propostas ás considerações dos trabalhadores, jovens e mulheres combativas da APPO e o magistério de Oaxaca, para defender a Comuna diante dos ataques do governo e das instituições e apontar a que triunfe esta heróica luta.

VIVA A COMUNA DE OAXACA!

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)