FT-CI

Venezuela

Luta e organização dos trabalhadores de Sidor

05/08/2008

No dia 11 de abril passado, o presidente venezuelano anunciou a nacionalização da empresa, propriedade do grupo argentino Techint; foi um primeiro triunfo dos trabalhadores venezuelanos, e em particular dos operários sidoristas que depois de mais de 9 paralisações escalonados, conseguiram torcer o braço da patronal e do próprio governo venezuelano. Publicamos a seguir extratos do primeiro número de “Hoja Obrera” (Folha Operária), uma publicação impulsionada por trabalhadores de base da Sidor. Na fábrica se mantém a organização e mobilização dos trabalhadores, que realizaram a primeira reunião do Comitê de Fábrica (na Venezuela não existem as comissões internas) numa das gerências da empresa, cujas resoluções publicamos abaixo.

Nasce a “Hoja Obrera”

Os que escrevemos Hoja Obrera somos trabalhadores sidoristas. Depois da luta que travamos pelo convênio coletivo e a nacionalização da empresa, consideramos que é importante que comecemos a nos organizar para fazer sentir, além de nossa voz sindical, também nossa voz política. Lutamos pela unidade das fileiras operárias, mas desde a base (...) Os que fazemos Hoja Obrera, cremos que somente podemos confiar em nossas próprias forças(...) Esse triunfo foi produto de nossa luta e de ninguém mais. Fomos nós que forçamos Chávez a tomar essa decisão. Recordemos que tudo o que havia feito o ministro do Trabalho, o Governador, e o que fez a Guarda Nacional com sua repressão, tudo isso foram ordens de cima, a ordem vinha do governo nacional.

A Hoja Obrera é para começar a discutir que não podemos confiar em políticos que nos falam que o capitalismo é ruim, e do socialismo, mas terminam negociando e aliando-se aos empresários (...)

Outra das questões que queremos discutir com a Hoja Obrera, é a necessidade de organizarmos pela base, organizar os conselhos de fábrica, com um delegado por setor votado diretamente e removido quando os trabalhadores considerarem necessário, que representem a todos os trabalhadores sejamos fixos ou contratados, e constituir comitês de gestão e o controle operário por Setor e de toda a empresa. Isso faltou ã combatividade operária de nossa luta (...)

Desde a Hoja Obrera consideramos que agora que alcançamos essa nacionalização, ainda que “chucuta”(pois os representante de Ternium continuaram na empresa com uma determinada porcentagem) , é necessário empreender a luta pelo controle da produção em toda empresa, luta pelo aprofundamento da nacionalização total de Sidor com controle operário.

Desde Hoja Obrera lutamos para que nossa classe tome um curso estratégico de independência. Para isso é necessário lutar pela independência do movimento operário e pela formação nos sindicatos de firmes tendências revolucionárias que, ao mesmo tempo que defendem a unidade do movimento operário, sejam capazes de lutar por uma política de classe e uma composição revolucionária dos mesmos. Lutar por uma política quer dizer ser independente do Estado e dos patrões pois esses acabam sempre favorecendo os empresários, e reforçam a exploração e debilitam nossas forças. É por isso que a Hoja Obrera pretende ser um boletim operário militante, pela unidade operária, a auto-organizaçã o e a independência operária, antagônico aos poderes da burguesia e do Estado.

Lutemos por Comitês de Controle e Gestão Operária

(...) Na empresa, esses organismos democráticos estão sendo formados nas diferentes seções de alguns setores da empresa, e os trabalhadores a denominaram de “Comitês de controle e gestão operária”. Sua estrutura parte da eleição democrática de um delegado por cada setor das diferentes áreas dirigidas por um supervisor (...) os canditados procedem direto do seio do movimento e são eleitos por voto direto, ã mão levantada, e revogáveis a qualquer momento. Esses Comitês tem começado a criar raízes. Já se têm eleitos cerca de 24 delegados, um por cada área no departamento de Produtos Planos e no de Barra e Arame. E começam a eleger-se em outros setores. Na eleição não há diferença entre operários fixos e terceirizados, sindicalizados ou não, pois todos somos iguais.

Em princípio, esses organismos terão como função: apresentação e discussão de todas as reclamações feitas pelos trabalhadores, supervisão do cumprimento da legislação trabalhista e convênios coletivos, as normas de segurança e o tratamento digno dos supervisores com os trabalhadores, a obrigação da patronal de consultar o comitê sobre qualquer proposta seja para a produção ou administrativa, e apresentar provas efetivas da culpabilidade do trabalhador quando a empresa quiser impor alguma sanção a um trabalhador. Impulsionar a unidade dos fixos e dos contratados e a luta pela incorporação dos terceirizados no quadro de funcionários da empresa. Também terá entre suas funções a luta pelo controle da produção.

Essas funções que servirão de escola da organização da classe operária irão se ampliando de acordo com o desenvolvimento e a experiência dos trabalhadores organizados e os problemas que irão se apresentando. Os trabalhadores devemos nos preparar para o controle da empresa, a execução de planos de inversão e produção, o controle da gestão financeira, preparação em caso de conflitos globais da empresa.

Será ao calor da luta e da atividade com o máximo de clareza que esses comitês irão transformando- se em verdadeiros órgãos de luta, de democracia direta. Dessa forma, esse tipo de organização são os embriões de verdadeiros órgãos revolucionários que serão instrumento necessário para unir e fortalecer a luta contra o despotismo do capital.

A perspectiva é impulsionar esse tipo de organização operária em todas as fábricas, indústrias e empresas de toda a região de Guayana, importante bastião operário do país.

Realizou-se a primeira Assembléia Extraordinária de Delegados do Comitês de Gestão e Controle Operário da Supplychaing de Sidor

No dia 2 de julho se realizou a primeira Assembléia Extraordinária de Delegados do primeiro Comitê de Gestão e Controle Operário em Sidor dos setores de Barra e Arame, Produtos Planos e outras áreas da empresa que compõe a Supplychaing que concentram mais de 400 trabalhadores.

Como já explicamos, durante o mês anterior aconteceu a eleição dos delegados, sendo eleito 1 a cada área composta por aproximadamente 20 operários e revogáveis a qualquer momento. Essa primeira assembléia contou com a presença de 17 delegados, com a apresentação dos delegados das distintas áreas, exposição dos tópicos da Assembléia, a nomeação de um coordenador por área e um coordenador geral, abrindo espaço depois para as discussões e as tarefas imediatas. A assembléia demonstrou grande entusiasmo pela dinâmica do processo, e a maneira de síntese, que depois ampliaremos em outras edições desse boletim, relatamos alguns dos pontos tratados e que expressam os objetivos pretendidos.

1 Em função de avançar para o controle dos trabalhadores na empresa e na produção, se debateu sobre a necessidade da eleição direta dos cargos de chefia da gerência pelos próprios trabalhadores, e não como tem sido até agora, que são nomeados desde cima pela Junta Diretiva. Por isso o debate mais imediato foi eleger por votação todos os cargos de chefia da gerência sendo que para os mesmos podem-se postular todos aqueles trabalhadores que queiram exercer tal cargo; a aprovação foi unânime, dentro da assembléia (...)

2 Outro dos pontos importantes foi a discussão sobre a luta pela incorporação dos companheiros terceirizados ã trabalhadores da folha de Sidor, já que essa foi uma das demandas fundamentais quando lutamos pelo convênio coletivo até que conseguimos a nacionalização da empresa (...) A aprovação foi unânime, dentro da assembléia

3 Como parte das tarefas imediatas, e por melhores condições de trabalho, se discutiu e resolveu, no caso do benefício contratual do pagamento da meia hora de almoço por cada jornada trabalhada (...)A aprovação foi unânime, dentro da assembléia.

4 Também foi tocado o assunto da mudança de pessoal de uma área a outra, com o fim de colocá-lo provisoriamente durante o turno fora de sua habitual área de trabalho. Chegou-se ã conclusão por maioria que não se deve transladar por nenhum conceito a um trabalhador a outra área.

Como exemplo desses pontos tratados, com a constituição dos Comitês de Gestão e Controle Operário nos outros setores da empresa, lutamos para avançar realmente para que sejamos os próprios trabalhadores os que controlemos e gestionemos toda a Sidor. Por isso, expomos aos trabalhadores as outros setores da Sidor a constituição desses Comitês, para que possamos realizar uma verdadeira Assembléia Geral de Delegados de toda empresa e dar passos decisivos ao controle da mesma pelos próprios operários.

Traduzido por Beatriz Michel

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)