FT-CI

Entrevista em direto

Greve geral na Grécia

10/05/2010

No dia 5/5 os trabalhadores gregos protagonizaram a terceira greve geral do ano, enquanto o governo Giorgos Papandreou se prepara para votar o plano de ajuste. Desde a manhã, dezenas de milhares de manifestantes se somavam ã massiva marcha que percorreu o centro de Atenas e cerca de meio-dia tentou entrar no parlamento para evitar a votação, expressando assim sua oposição direta contra o governo “socialista” do PASOK. Com o centro de Atenas militarizado, se deram enfrentamentos entre os manifestantes e a polícia, no marco dos quais se produziram três mortos. Em 1/5 dezenas de milhares de trabalhadores já haviam se concentrado em Atenas e Salônica, anunciando o estado de ânimo prévio ã greve geral. Em 4/5 um grupo de trabalhadores colou uma bandeira gigante no templo do Partenon que dizia “Povo da Europa: se levante!”, e um protesto de professores interrompeu um programa de televisão onde o ministro da Educação falava, para denunciar a demissão de 17.000 companheiros do setor.

La Verdad Obrera (jornal do PTS da Argentina, organização irmã da LER-QI) entrevistou Stavros, militante da organização trotskista grega OKDE (Organização de Comunistas Internacionalistas da Grécia), que está participando no processo de mobilizações contra o plano de ajuste. Edita o jornal mensal “Luta Operária” e sua página na internet é www.okde.gr

LVO – Qual foi a reação frente ás últimas medidas anunciadas pelo governo?

Houve varias greve e inclusive chamados dos sindicatos a uma greve geral, centralmente no setor público, que é o setor mais fortemente atacado. A política das direções sindicais foi de dividir as lutas e mobilizações entre o setor público e privado. Mas agora as medidas se dirigem contra todos os trabalhadores, contra o conjunto da classe operária e é o que criou o clima para a greve geral que estamos vivendo hoje. Alguns meios estimam que hoje se manifestaram entre 300.000 e 500.000 pessoas. Creio que a mobilização mais importante vimos neste país em 35 anos. Minha impressão é que o clima social que vivemos ainda anuncia muito mais adiante, e cada vez mais gente está se perguntando como fazer para continuar a luta nos locais de trabalho.

LVO - Qual é a situação entre a juventude?

Creio que a situação da juventude pode tornar-se muito explosiva, similar ã que ocorreu em dezembro de 2008 (quando a polícia assassinou um jovem de 15 anos, Alexis Grigoropoulos) ou inclusive mais aguda. Ainda que na universidade esteja em período de provas, é difícil prever como a juventude reagirá, mas creio que a situação geral pode ser muito explosiva. Há também muitos jovens, que não se beneficiam do “Estado de Bem-Estar” e estão muito mais dispostos a confrontar os ataques da patronal e o aparato policial.

LVO - Como foi a greve geral de 5/5?

Os ministérios e as oficinas centrais estão totalmente paralisados. O mesmo acontece em algumas das indústrias maiores. Em setores onde a classe operária está menos organizada, o nível de mobilização é um pouco menor, mas de qualquer maneira há um estado de ânimo melhor. As mobilizações são massivas, e não estão sendo organizadas pelos sindicatos. Comparada com as greves anteriores, as de 24/2 e 11/3 esta é muito maior, muito superior. Em alguns bairros as pessoas se organizam para ir ã marcha e enfrentar os duros ataques da patronal.

LVO – Qual é o papel e a política dos sindicatos?

Antes de responder a esta pergunta, temos que fazer um esclarecimento. Os sindicatos na Grécia não são muito importantes, não tem um papel central na forma como a luta de classes se expressa neste país. Há uma tradição muito mais politizada, isso é algo importante. O segundo ponto é que a burocracia sindical não está muito arraigada, não há uma tradição de sindicatos fortes e poderosos como, por exemplo, é a Confederação do Trabalho alemã, ou dos sindicatos na França. Na Grécia os sindicatos são muito mais débeis, e há mais oposição sindical das forças da esquerda dentro dos sindicatos. Esta é a razão que também explica por que se preservou um certo nível de democracia dentro dos sindicatos gregos. As direções sindicais, centralmente nos grandes sindicatos de transporte e telecomunicação, além do setor público, são controlados (pela fração sindical do) PASOK. No começo da crise, o presidente da Confederação Nacional dos Sindicatos da Grécia, GSEE, que agrupa o setor privado, atuava mais como um representante do governo que como um sindicalista. Por exemplo, quando foram anunciados os primeiros cortes contra o setor público, a GSEE, não chamou a uma greve geral comum. Dizia que era um ataque ao setor público e que o setor privado não se veria muito afetado pelo ajuste. Mas a direção da Confederação de Sindicatos do Setor Público, ADEDY, tampouco tinha um plano sério para confrontar estas medidas. Há alguma influência das correntes de esquerda nos sindicatos, como é o caso do Sinapismos (nome do partido, principalmente composto por ex euro comunistas, que junto com outras organizações de esquerda formam a coalizão SYRIZA), ainda que nós cremos que impulsiones uma política reformista.

LVO – Poderia nos contar como é a composição da esquerda na Grécia?

No que poderíamos chamar esquerda reformista grega há duas organizações principais, o KKE (Partido Comunista Grego), que diz ter políticas para a classe trabalhadora, mas é reformista e trata de separar suas mobilizações, marchas e ações das do resto e quer transformar sua mobilização em votos, com uma política eleitoralista. A outra organização importante é o Synapsimos, ao redor da qual há uma formação mais ampla chamada SYRIZA, na qual participam alguns partidos de esquerda. Eles também fazem chamados à luta, mas em realidade sua política é muito próxima aos sindicalistas do PASOK. Em muitos sindicatos,co- dirigem com o PASOK. Não chamam a uma generalização da luta. Tampouco querem levantar consignas contra a União Européia por que estão a favor da mesma e tem uma orientação eleitoralista.

LVO – Que programa a OKDE levanta nesta situação?

Nosso programa começa com uma lista de demandas de emergência, o que chamaríamos um “Programa de Emergência”, que coloca a abolição das medidas do pacote de ajuste e a extensão da luta até derrotar o FMI e a UE, que atuam como ditadores do povo grego. Estamos tratando de impulsionar a idéia da luta generalizada para derrubar o governo, e também lutamos nos locais de trabalho onde estamos para fortalecer a luta e enfrentar os patrões. Propomos a nacionalização dos bancos sem indenização. Nossa consigna central é abolição da dívida. Também levantamos a proibição das demissões. Tratamos de levantar consignas em todos os locais de trabalho e sindicatos em que estamos.

Tratamos também de explicar que não pode haver outra saída para esta crise por fora de uma saída socialista. Isso requer a acumulação e organização de uma força política, e organização marxista revolucionária. E tratamos de combinar todos estes aspectos.

LVO – Qual seria a sua mensagem para os trabalhadores em outras partes do mundo?

Todo trabalhador e todo joven debe entender que estamos enfrentando a bancarrota de um sistema que causou muitos desastres.Temos que lutar por um programa de emergência frente ã crise, mas também temos que abrir a discussão no movimento operário por que o capitalismo está em crise na Europa. Não pode haver outra solução que não seja socialista, e evidentemente, este socialismo não tem nada a ver com a experiência vivida nos países e regimes ex-stalinistas.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)