FT-CI

Crise política na Bolívia

Evo Morales, a direita e o "referendo revogatório"

03/07/2008

Evo Morales, a direita e o

Depois de impor as consultas pelos estatutos autonômicos nos quatro departamentos da chamada "meia lua" (Santa Cruz, Tarija, Beni e Pando), no dia 29 de junho a direita marcou outro triunfo eleitoral com a eleição de Sabrina Cuellar (ex masista) como nova Prefeita de Chuquisaca.

Arrebatados por esses resultados, alguns setores "civis" querem forçar o adiantamento das eleições gerais, com a idéia de substituir de uma vez Evo Morales no governo nacional.

Contudo, e apesar de seu fortalecimento, o bloco reacionário mostra divisões sobre como aproveitar o enfraquecimento do MAS, que expressam diferenças mais profundas sobre a reorganização do Estado e do regime, entre autonomistas do Oriente, setores burgueses do Altiplano e camarilhas neoliberais que buscam preservar seu espaço político frente ao ascenso dos "civis".

Assim, a maior parte da oposição parlamentarista, encabeçada pela direitista PODEMOS (Poder Democrático e Social), prefere ir ao referendo revogatório do dia 10 de agosto, onde se julgará a continuidade ou não dos mandatos do presidente e dos prefeitos (devendo ocorrer, em 90 dias, eleições para os postos que tenham mais votos negativos que os recebidos nos comícios de 2005).O projeto de lei apresentado pelo MAS há meses foi retomado e aprovado no Senado pelo PODEMOS, a briga agora é por modificar os termos do mesmo para torná-lo mais favorável aos prefeitos.

Em 10 de agosto, o MAS tentará "plebiscitar" a permanência de Evo no Palacio Quemado e fazer com que alguns prefeitos opositores caiam, para melhorar a relação de forças políticas para tentar um novo "diálogo nacional".

As conseqüências da estratégia do MAS de conciliação

Muitos comentaristas assinalam que em apenas dois anos e meio, o governo de Evo Morales, que subiu com a mais ampla votação da história, passou a ser golpeado por uma direita fortalecida e que domina mais da metade do país a partir das prefeituras. Se isso foi possível, foi antes de tudo, graças a própria estratégia colaboração de classes do MAS. Enquanto conteve com todas as suas forças a luta das massas por salário, trabalho, terra e território, desviou a demanda da nacionalização ã assinatura de novos contratos com as petroleiras e transformou as reivindicações operárias, indígenas e populares em simples enunciados de uma nova Constituição Política destinada a ser pactuada com a direita.

A oposição burguesa tirou partido dos acordos, pactos e concessões que fez o MAS para recuperar base social e força política, encontrando no autonomismo departamental uma bandeira na qual encobrir seus objetivos reacionários por trás de velhos sentimentos regionais.A retórica indianista e nacionalista de Evo não serviu para afetar em nada o poder e a propriedade dos proprietários de terra e empresários, mas alentou o giro conservador da pequena burguesia urbana.

Entretanto, como fez depois da humilhação racista a dezenas de camponeses em Sucre em 25 de maio, o MAS freia a resposta de massas: ali impediu que se iniciasse um bloqueio camponês e de fato chamou a "oferecer a outra face" aos provocadores racistas.

Poderia surpreender o posterior triunfo eleitoral da direita?

Como demonstraram os atos do dia 4 de maio, a grande mobilização contra a embaixada ianque e as dezenas de conflitos setoriais que vêm acontecendo sem parar nos últimos meses, o movimento de massas teria força e disposição para enfrentar a direita. Além disso, os altos índices de abstenção nos referendos departamentais e o fato do MAS ter 40% dos votos em Chuquisaca, mostram que os civis não tem sua própria posição tão segura nem homogênea.

Mas as direções da Central Operária Boliviana (COB), da Central Operária regional (COR) e da Federação de Juntas Vicinal (FEJUVE) alteñas, da CSUTCB, colonizadores (povos originários) etc, colaboram com o governo para impedir que as massas entrem em cena. A fracassada greve da COB, concebida como uma "ajuda" a Evo para que enfrente a direita, não foi mais que uma tentativa de lavar a cara dos dirigentes que querem conservar suas cadeiras e desgastar a vanguarda para que não haja nenhuma luta séria.

Essa força latente das massas e as divisões na direita mostram que seria possível mudar o rumo da crise política. No entanto, o MAS pretende voltar ao diálogo depois do dia 10 de agosto, buscando pela enésima vez o acordo com a reação pró-imperialista, apelando novamente ã Igreja, a OEA ou aos "países vizinhos."

Falta uma contra-ofensiva operária, camponesa e popular

Não derrotaremos a direita com papeladas. Antes e depois do dia 10 de agosto, o que falta é organizar uma grande contra-ofensiva operária, camponesa e popular que faça a direita engolir a poeira da derrota. Para isso, há que se convocar já o congresso da COB com a mais ampla participação de base (mandatos por assembléia, voz e voto para os sindicatos de base etc.) para recuperar a plena independência sindical e adotar um programa de ação que una a luta contra a direita (que proponha em primeiro plano comitês de autodefesa em todas as organizações de massas e sua centralização) , com a luta pelo salário e contra o alto custo de vida (comitês de controle popular do abastecimento, estatização das empresas que especulam etc.) e as demandas camponesas, indígenas e populares.

Essa luta é inseparável de uma perspectiva política independente, e por isso é preciso colocar em andamento as resoluções de congressos anteriores da COB de constituir um Instrumento Político dos Trabalhadores (IPT), baseado nos sindicatos e com a mais ampla democracia operária como instrumento de independência de classe.

Além disso, esse Congresso deve ser o primeiro passo para começar a preparar política e organizativamente a Assembléia Popular que, além de unir forças para derrotar a reação e impor a "agenda de Outubro" e os chamados operários e populares, abra caminho para um governo operário, camponês e popular, como única saída progressiva para a enorme crise nacional.

Por uma posição operária independente

Não estamos a favor do adiantamento de eleições gerais, pois é uma manobra reacionária que equivaleria a um virtual "golpe branco".

Lutamos para que os trabalhadores, os camponeses e o povo pobre possam esgotar sua experiência com o MAS; são os únicos que podem decidir que ele se vá e substituí-lo, quando chegue o momento, com seus próprios métodos e organização. Enquanto estamos na mesma trincheira contra os ataques da reação e do imperialismo, denunciamos o MAS por sua busca por conciliação e pactos com os representantes dos empresários, proprietários de terra e multinacionais. Explicamos pacientemente seu papel a serviço da ordem burguesa e chamamos a não depositar nenhuma confiança política no governo. Os trabalhadores, camponeses e povos originários necessitam das mãos livres para enfrentar a reação e isso significa romper com a subordinação política ao governo. O "apoio crítico" que alguns setores propagandeiam serve para confundir e ajudar a manter atadas as mãos do povo trabalhador, sob o controle do MAS.

A partir desta luta pela independência de classe, dizemos:

No referendo de 10 de agosto, pactuado entre o MAS e PODEMOS, chamamos a votar NÃO nas prefeituras, para que saiam todos os prefeitos. Mas chamamos a votar em branco para presidente, pois dar o SIM a Evo é dizer sim ã política de conciliação com os proprietários de terra, os empresários e as multinacionais que têm fortalecido a direita.

Continua pendente a urgente e vital tarefa de por em pé um pólo de classe, de combate (a serviço da luta) e pela independência política. Chamamos a impulsionar a construção do IPT, pois é necessário que a classe operária se dote de uma política dos trabalhadores para construir a aliança operária, camponesa, indígena e popular e lutar por sua própria saída.

Chamamos aos sindicatos combativos, ás organizações camponesas e originárias que querem lutar, ás organizações estudantis e juvenis e ã esquerda operária e socialista a impulsionar um bloco para tomar a iniciativa na luta por estas propostas.

Traduzido por Beatriz Michel

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)