FT-CI

Cúpula do G8

Escalada repressiva na Alemanha

20/05/2007

De 6 a 8 de junho de 2007 será sediada em Heiligendamm, Alemanha, a próxima cúpula do Grupo dos Oito (G8), o encontro dos chefes de estado e do governo dos 7 países imperialistas mais importantes do planeta: Alemanha, Canadá, Estados Unidos, França, Itália, Inglaterra e Japão, mais a Rússia. A reunião será celebrada em um balneário da costa do Mar Báltico, perto da cidade Rostock e, com antecedência, se prognostica que não será um evento que transcorrerá de maneira pacífica.

Como vem ocorrendo desde 1999 em Seattle, e para além da queda que sofreu o movimento após a invasão imperialista no Iraque em 2003 que não pôde deter, a cúpula em Heiligendamm será acompanhada de protestos protagonizados por grupos de jovens ativistas e diferentes organizações e indivíduos pertencentes a diversas correntes políticas ou sociais. Entre eles se encontram os movimentos pelo meio ambiente e anti-nucleares, movimentos anti-globalização ou da esquerda radical, grupos antifascistas e autonomistas, juventudes de partidos políticos e outros. Este ano estes grupos levam a cabo um árduo trabalho de organização de marchas de protesto, atos de desobediência civil, bloqueios. No entanto, as medidas de segurança que o toma o governo alemão com vistas ã cúpula são escandalosas. A sede do evento foi rodeada com uma cerca metálica de 12 quilômetros e 2,50 metros de altura arrematada com arame farpado, que custou mais de 12 milhões de euros. Dentro da zona de segurança e até 200 metros por fora da cerca proibiram durante a cúpula todo tipos de reuniões, assim como no aeroporto e outros pontos da região. O policiamento contará com 16.000 efetivos de todo o país, o maior dispositivo jamais montado na República Federal da Alemanha em tempos de paz. A marinha alemã e dois barcos de guerra norte-americanos vigiarão as águas do Mar Báltico. O tráfico aéreo no espaço pertencente ao lugar do encontro também será suspendido durante os três dias. Nas redondezas foi esvaziada uma prisão do estado de Mecklenburgo e colocada ã disposição para os manifestantes que, uma vez detidos, poderão ser aprisionados por até dez dias. O ministro do Interior, Schäuble, também decidiu o restabelecimento temporário do controle nas fronteiras internas do espaço Schengen [1] com a Alemanha.

Repressão governamental...

O governo da mão da Fiscalía, desatou um feroz ataque aos militantes de movimentos contra ã cúpula, começando com uma onda de prisões. Na madrugada de quarta-feira, 9 de maio, em vários estados, mais de 900 policiais, sobre o pretexto de que se planejavam ataques durante a cúpula dpoG8 em Heiligendamm, arrasaram cerca de 40 moradias em Bremen, Berlim e Hamburgo, casas-projetos e oficinas de organizações de esquerda, confiscando computadores e outros meios, assim como informações de todo tipo. O fiscal geral da República, suspeitando da “criação de uma organização terrorista com o fim de impedir a cúpula do G8” e amparado pela lei 129 (lei especial antiterrorista), deu a ordem para que as forças repressoras do Estado imperialista alemão levassem a cabo o encamninhamento cujo objetivo fundamental é o de criminalizar e intimidar aos grupos mais radicais do movimento anti-G8. Depois da ã repressão a imprensa escrevia que o governo pretendia modificar a lei em questão para fazer-la ainda mais repressora (o número mínimo de pessoas que constituiriam uma organização terrorista se rebaixaria de três a uma). Corroborando o fato de que se trata de repressão preventiva contra o ativismo anti-G8, os 21 suspeitos de atos terroristas que haviam sido presos, foram postos em liberdade por falta de provas. No entanto, a campanha repressora e de criminalização do movimento de protesto contra o G8 continua. O ministro do Interior, Schäuble, anunciou que se realizariam prisões massivas e que as operações policiais seriam muito duras. O governo de coalizão entre democratas-cristãos e social-democratas pretende evitar uma radicalização e extensão do protesto, que segundo as pesquisas tem altos índices de aceitação entre a população, apesar da campanha midiática para desmoralizar o protesto. Como reflexo, ainda que distorcido, de descontentamento entre as massas, as eleições no estado de Bremen, de 13 de maio, corroboraram mais uma vez a erosão institucional. Os partidos de coalizão governamental ganharam, mas perdendo muitos votos, e A Esquerda [2] se consolidou e estará representada pela primeira vez em um parlamento do oeste do país. Tudo isto dentro do cenário de duas importantes greves no setor de serviços e das telecomunicações [3], que contribuem a tencionar a situação. Dali saiu, nos últimos dias a mensagem do sindicato VER.DI de apoiar as manifestações contra a cúpula.

... e resposta da juventude ativista

Como resposta ao repressivo ataque policial ocorreu espontaneamente várias manifestações em diferentes regiões e cidades do país, como mostra de solidariedade com os perseguidos pela justiça alemã e o Estado. Milhares de pessoas saíram espontaneamente ás ruas no dia seguinte para protestar contra a repressão policial e reafirmar seu compromisso de luta contra a cúpula dos expropriadores imperialistas. Durante várias horas numerosos grupos de jovens se enfrentaram com a policia lançando pedras e montando barricadas. A guerra do governo, que vai desde a violência explícita passando pela intenção de dividir o movimento entre manifestantes pacíficos e “terroristas”, chegando a recorrer ã supressão das liberdades democráticas constitucionais, com o objetivo de garantir o marco legal para a repressão durante os quatro dias da cúpula, demonstra, mais uma vez, que a democracia burguesa faz uso de seus aparatos para garantir a exploração aos trabalhadores e o povo, e para reprimir a todos aqueles que lhe opõe.

  • TAGS
  • NOTAS
    ADICIONALES
  • [1O Acordo Schengen prevê entre outras coisas, a supressão dos controles das pessoas nlas fronteiras comuns.

    [2A Esquerda é produto da fusão entre o PDS (sucessor do ex-partido do governo da República Democrática Alemã) e o WASG (uma ruptura da social democracia). Este partido de viés eleitoralista tem como exemplo o Partido da Refundação Comunista italiano, cúmplice da aplicação dos planos de austeridade e precarização das massas italianas.

    [3O proletariado e massas alemãs têm se enfrentado nos últimos anos com fortes medidas de cunho neoliberal, que vão desde o agravamento das condições para obter o seguro de desemprego, reformas no sistema de saúde em prejuízo ás camadas sociais mais baixas, elevação da idade da aposentadoria para 67 anos, entre outras.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)