FT-CI

Venezuela

Defendamos a independência dos sindicatos

16/05/2007

Em discursos nos últimos meses, Chavez vem atacando duramente a autonomia dos sindicatos em relação ao governo e ao Estado: “os sindicatos não devem ser autônomos, [...] havia que acabar com isso”, afirmou. Seu violento argumento está no contexto do chamado ã construção do Partido Socialista Unido da Venezuela (PSUV) e perante a proposta de autonomia sindical colocada por diversos dirigentes sindicais, entre eles os da Corrente Classista Unitária Revolucionária e Autônoma (C-Cura-UNT) , cujo dirigente principal é Orlando Chirino. Inclusive os chamou de “contra-revolucioná rios” e “social-patriotas” , numa ofensiva contra as organizações sindicais para subordiná-las a suas políticas governamentais.

Destaca-se que as dinâmicas sociais e políticas mais importantes que se marcam hoje a Venezuela se dá em setores importantes do movimento operário. Isso se refletiu, sobretudo, desde meados de 2006 com a “rebelião antiburocrática” no II Congresso da União Nacional de Trabalhadores (UNT), na substituição de velhas direções burocráticas dos sindicatos, assim como em importantes lutas por reivindicações sociais e trabalhistas que, mesmo quando não apareçam com destaque nos jornais burgueses ou do governo, constituem um interessante processo de reorganização. Um exemplo emblemático é a luta travada pelos trabalhadores da fábrica Sanitários Maracay, que desbancaram os velhos dirigentes sindicais e, há quatro meses, a mantêm ocupada e em produção sob gestão operária, enquanto exigem do governo a expropriação sem indenização.
Ao calor deste fenômeno surgiu a C-Cura, que aglutina a maior parte desta importante vanguarda. Isso, mesmo quando seus principais dirigentes não sejam conseqüentes com uma política de coordenação nacional das lutas desde as bases, lutando por um encontro nacional no qual se vote um plano de luta unificado, o que daria um grande impulso ás lutas e ã unidade operária. E o que é ainda pior, tampouco denunciam decidida e abertamente a responsabilidade de Chavez pela situação dos trabalhadores e até mesmo resolveram, em janeiro deste ano, incorporar-se como corrente sindical ao PSUV.

Entretanto, o surgimento destas tendências preocupa particularmente o governo e os burocratas da “V República”, que pretendem se impor na UNT e nos sindicatos a todo custo, inclusive patrocinando a divisão e o debilitamento da central sindical. Ao não poderem controlá-la a seu bel prazer, se lançam abertamente contra a autonomia dos sindicatos. Do nosso ponto de vista, todas essas políticas do governo têm o objetivo de melhor controlar o movimento operário e limitar suas lutas aos interesses do “desenvolvimento nacional” com os empresários “nacionalistas” e as empresas transnacionais.
Hoje, com a mentira de “superar o marco reivindicativo” , buscam com os chamados “Conselhos Trabalhistas” atar os trabalhadores numa relação orgânica com o governo, para poder sufocar ou marginalizar as tendências combativas e classistas que possam surgir no movimento operário. E isso é parte da política central de Chavez, como bem deixou claro no primeiro encontro com os impulsionadores do PSUV, onde proclamou que os sindicatos não devem ser autônomos em relação ao PSUV e ao governo. O objetivo é combater a independência de classe do movimento operário para que suas lutas não atrapalhem o “socialismo com empresários”.

Por uma grande campanha nacional em defesa da autonomia dos sindicatos

Diante desta política anti-sindical do governo Chavez é fundamental a mais ampla unidade dos trabalhadores e dos dirigentes que se reivindicam classistas e combativos em defesa das organizações sindicais e pela autonomia e independência perante os patrões, o governo e o Estado.
A corrente sindical C-Cura deve colocar-se ã frente deste importante movimento, avançando para uma grande campanha nacional que lute por estas bandeiras até o final. Esta luta pela autonomia dos sindicatos é parte essencial para encarar a luta pela verdadeira nacionalização sem indenização e sob gestão operária do petróleo e do gás, a expropriação sem indenização alguma e sob controle dos trabalhadores e dos usuários de todas as empresas privatizadas, no caminho de expropriar todas as grandes empresas, os bancos e as indústrias estratégicas, como a de aço, assim como para lutar conseqüentemente por uma profunda revolução agrária e uma verdadeira reforma urbana estrutural para resolver o problema de moradia que aflige milhões de trabalhadores e pobres; pela distribuição das horas de trabalho para terminar com o desemprego e por um salário mínimo equivalente ao custo de sustento familiar.
Os trabalhadores da Sidor vêm realizando ações pela nacionalização da empresa, enquanto o governo de Chavez convoca o dono dessa transnacional, Paolo Rocca, para discutir, em vez de responder ás demandas fundamentais dos trabalhadores. A nacionalização da Sidor não pode depender das negociações do governo com os Rocca nem com o governo argentino; os trabalhadores têm que lutar por ela, sem indenização e sob gestão operária. Fica claro que para batalhar por estas demandas é imprescindível a luta pela independência política das organizações sindicais, pois depois de oito anos de governo elas não estão solucionadas porque Chavez em todo momento garantiu as propriedades e lucros capitalistas, pois seu projeto é um “socialismo com empresários”.

Dessa forma, consideramos como um grave erro político que os dirigentes da C-Cura tenham votado há uns meses a entrada da corrente sindical no PSUV, porque isso vai no sentido oposto da luta pela autonomia dos sindicatos. Recentemente, o companheiro Orlando Chirino, junto com outros importantes dirigentes, vem manifestando que a resolução de que a C-Cura ingresse no PSUV e discuta ali seu programa teria o objetivo de demonstrar que o PSUV não seria um partido de trabalhadores, mas um partido de empresários e políticos antipopulares. Nós nunca compartilhamos essa política, como vimos expressando publicamente. Como hoje o próprio Chirino reconhece em entrevista em Aporrea, de 10 de abril [1], essa experiência está esgotada já que Chavez redobrou o ataque contra a autonomia dos sindicatos em relação ao Estado e ao governo. Demonstrando isso, o governo convocou um burocrata corrupto, Osvaldo Vera, para falar no ato de lançamento do PSUV em nome do movimento operário.
Portanto, propomos realizar uma forte campanha nos sindicatos da C-Cura, e a partir deles em todo o movimento operário, reivindicado a autonomia absoluta das organizações sindicais com respeito aos patrões, ao governo e ao Estado.Isso, em primeiro lugar, significa rechaçar todo tipo de disciplinamento ao governo e reverter a votação da C-Cura de participar do processo de fundação do PSUV.

Uma política verdadeiramente classista pela autonomia dos sindicatos, como a que propomos, ligada a um programa transicional, não pode deixar de culminar na luta por uma ferramenta política própria dos trabalhadores. A luta pela autonomia dos sindicatos em relação ao Estado, aos patrões e ao governo e a luta por um programa operário e popular criarão as bases desde as quais se abrirá a discussão em amplos setores dos trabalhadores sobre a ferramenta política necessária para construir, em função da luta de classes que vem se desenvolvendo.
Nós defendemos que é necessário um partido operário independente que levante um programa verdadeiramente anticapitalista, antiimperialista e revolucionário que se proponha ser a força dirigente dos milhões de explorados.

  • NOTAS
    ADICIONALES
  • [1Ver: “Declarações do presidente Chavez distanciam a possibilidade de que setores sindicais classistas e revolucionários entrem no PSUV”, Orlando Chirino, em www.aporrea. org - 10/04/07.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)