FT-CI

ENCONTRO NACIONAL

Construa junto ã LER-QI um Encontro de Trabalhadores e Estudantes para debater as lições de junho e as tarefas do próximo período

26/09/2013

A partir do balanço das jornadas de junho, de uma análise das perspectivas que se abrem e das tarefas que se colocam na situação nacional, em recente Plenária Geral da Liga Estratégia Revolucionária, votamos um chamado a todos os setores que militam e simpatizam conosco a construir a partir da base um Encontro de Trabalhadores e Estudantes, onde unifiquemos trabalhadoras e trabalhadores, efetivos e terceirizados, a juventude que saiu ás ruas, a que está nas fábricas, nas escolas, nas universidades, as mulheres, os negros e negras.

Nosso chamado é, em primeiro lugar, à quelxs que, ainda sem fazer parte da LER-QI, que batalha pela construção de um partido revolucionário dos trabalhadores e da juventude, dedicam parte das suas vidas a construir conosco uma série de agrupações na juventude e em várias categorias de trabalhadores. Aos integrantes e simpatizantes da Juventude ás Ruas, ás mulheres e LGBTT que constroem ou simpatizam com o Pão e Rosas e vão participar conosco do Encontro do Movimento Mulheres em Luta, aos que constroem conosco o Boletim Classista, aos trabalhadores da USP, efetivos e terceirizados, que concordam com nossa prática política no Sintusp e simpatizam com nossas idéias e programa, aos que constroem ou simpatizam com o Metroviários pela Base, com o Professores pela Base e em diversas outras categorias. Aos que estão atuando conosco no movimento operário industrial, enfrentando a ditadura patronal e com muita paciência e audácia construindo uma alternativa ã burocracia sindical.

Chamamos a juventude que em junho saiu ás ruas e desde então faz suas primeiras experiências com a necessidade de uma organização independente da burguesia, da burocracia sindical/estudantil e aliada aos trabalhadores. Que nas universidades e escolas veem a necessidade de se organizar e de construir desde a base um forte movimento capaz de conquistar as demandas de junho.

Nosso chamado é especial aos trabalhadores em luta, como os bancários que estão nesse momento em greve, aos que estamos lado a lado nos piquetes no centro de São Paulo criando uma nova tradição na categoria, em primeiro lugar aos que constroem conosco a agrupação Uma Classe e, junto a outros setores, uma alternativa na oposição em bancários. Aos carteiros de São Paulo que atuam conosco e estão tirando as lições da traição da burocracia sindical que por hora impede que estejam engrossando esta greve nacional.

Aos negros e negras que querem dar uma resposta revolucionária ã opressão cotidiana que sofrem, seja na mais direta da repressão policial, com tantos Amarildos a cada dia, mas também com o racismo velado dessa sociedade da falsa "democracia racial", que não resiste a nenhum olhar atento nem aos dados.

Chamamos também os militantes de direitos humanos que atuam conosco na luta contra a repressão de ontem e hoje. Os artistas e intelectuais que tem relação conosco e estão inquietos depois de junho sobre quais são as lições e tarefas a levar adiante.

Abre-se uma nova etapa no país que coloca novos desafios

A mudança do país a partir das jornadas de junho é um elemento que tem que levar a todas as organizações e ativistas de esquerda repensar toda a sua lógica de atuação. Aceleram-se os ritmos das transformações no país com a entrada em cena do movimento de massas. Foi-se o tempo em que somente assistíamos a roda da história seguir em frente, em meio ã crise econômica internacional, pela televisão. A correlação de forças para avançar em conquistas fica mais favorável. E seria um enorme equívoco acreditar que o fato de não termos visto mais manifestações de ruas como as de junho significasse uma “volta ao anterior”.

Por isso, queremos construir um Encontro de Trabalhadores e Estudantes, onde sejamos centenas e possamos tirar lições a partir das experiências de cada setor, unificando forças para nos dirigirmos a milhares e fortalecer uma alternativa revolucionária para a juventude e para os trabalhadores. Tirar as lições do que foram as jornadas de junho, e também as paralisações nacionais de trabalhadores, é um passo decisivo para ter uma política correta para o próximo período.

Acreditamos que a partir de um encontro como esse, podemos ter novas forças para fazer um chamado mais forte para os setores que se colocam no campo anti-governista e anti-burocrático a construir um pólo nacional que possa ser uma alternativa de luta para os trabalhadores e a juventude em todo o país, por exemplo, batalhando pela unificação das greves em curso.

Por uma corrente classista de trabalhadores nacional

Os trabalhadores voltaram a lutar nos últimos anos no Brasil. Antes mesmo de junho, o Brasil vem há anos em um ascenso de greves, que tem nos seus setores mais precários os setores mais combativos, como da construção civil. A paralisia dos sindicatos em junho mostram que a energia dos trabalhadores mostra a necessidade de se recuperar os sindicatos para os trabalhadores, de se retomar a organização do conjunto dos trabalhadores. Por isso, nesse encontro, queremos debater a necessidade de uma Corrente política-sindical de trabalhadores nacional, que colabore na superação da fragmentação em distintas categorias e agrupações que temos hoje, pois a divisão entre categorias e entre efetivos e terceirizados nos debilita para enfrentar a burocracia sindical, os patrões e o governo. Que todas nossas agrupações em diversas categorias de trabalhadores possam também fazer parte de uma mesma corrente nacional somente fortalecerá a luta em cada categoria, pois a transformação pela qual o país está passando abre espaço para obtermos conquistas que só podem se efetivar em lutas para além de uma ou outra categoria, e que para isso temos que nos unificar no combate a burocracia que controla os sindicatos.

Unificar forças pelos nossos objetivos!

Queremos reunir centenas de jovens, mulheres, negros e trabalhadores que militam a cada dia por um objetivo comum de combater esta sociedade de miséria e exploração, mas também novos companheiros que despertaram a partir das jornadas de junho. Pode ser um grande momento não somente para fortalecer a construção de agrupações como a Juventude As Ruas e do grupo de mulheres Pão e Rosas, como fortalecer as agrupações de trabalhadores que poderão sair com uma corrente nacional em comum. Ao mesmo tempo, é um momento privilegiado para socializar todas as experiências de luta que vários setores viveram e debater estratégias na luta contra este sistema capitalista, onde nós da LER-QI consideramos fundamental abrir a discussão sobre a necessidade de uma ferramenta política para a classe operária, que para nós é um partido operário revolucionário.

Por um internacionalismo proletário e militante

Queremos debater também as lições das lutas dos trabalhadores e da juventude em todo o mundo. Querem nos dividir não somente entre categorias, entre efetivos e terceirizados, mas também entre países, querendo que nos identifiquemos mais com a burguesia de nossos países que com a classe trabalhadora de todo o mundo. Nós estamos no pólo oposto. Nos sentimos parte de cada batalha dos trabalhadores e da juventude em outros países. Por isso, vamos trazer para o Encontro membros da nossa organização internacional, a Fração Trotskista - Quarta Internacional, como da Argentina, em que a esquerda vem emergindo politicamente através da Frente de Esquerda e dos Trabalhadores, e Chile em que há um importante processo de lutas juvenis e operárias.

Queremos, a partir de uma perspectiva internacionalista, tirar lições não somente das lutas desses países, mas também dos processos em todo o mundo, particularmente do mundo árabe, onde há um processo revolucionário mais avançado que coloca ã prova o programa e a estratégia dos partidos e correntes que se reivindicam revolucionários como debatemos neste jornal com um artigo sobre o processo na Síria. Essa perspectiva internacionalista é ainda mais importante frente a que estamos já no sexto ano de uma crise econômica internacional que está dando lugar a grandes processos de luta de classes em todo o mundo, atualizando a perspectiva da revolução.

Além disso, nós da LER-QI queremos socializar com todos a política que recentemente votamos em conferência internacional, de lançar um Movimento por uma Internacional da Revolução Socialista, que para nós é a Quarta Internacional. Para nós, essa ferramenta política é essencial e evidentemente não será construída a partir do desenvolvimento evolutivo da LER-QI, e sim de um processo de rupturas e fusões com outras organizações e indivíduos de esquerda.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)