FT-CI

Brasil

Colisão entre trens do Metrô: mais uma tragédia anunciada!

19/05/2012

A população acompanhou chocada no dia 16 de maio uma colisão de trens do Metrô entre as estações Penha e Carrão, que deixou cerca de 50 pessoas feridas. Esse fato se soma aos acidentes já conhecidos e igualmente graves que houve na construção da Linha 4 Amarela privatizada (a cratera da estação Pinheiros, que deixou 7 mortos) e, para citar um exemplo recente, nos atropelamentos na CPTM que, em uma semana, deixaram o saldo de 5 trabalhadores ferroviários mortos. São tragédias anunciadas. Mais uma vez o sucateamento do transporte público, a falta de investimentos por parte do governo do estado e o descaso da direção da empresa privilegiam o lucro e os negócios das empreiteiras e empresas em detrimento da vida dos usuários e funcionários.

Apesar de muitas vezes a própria empresa, o governo e a mídia buscarem culpabilizar os trabalhadores, os metroviários sabem da existência de falhas e sempre alertam a empresa dos perigos que podem trazer. No caso dessa colisão no Metrô, o operador de trem atuou de forma exemplar, evitando o que poderia ser um acidente muito maior, causado por uma falha no próprio sistema. Se este acidente se desse na Linha 4 (privatizada pelo Grupo CCR), onde não existe operador de trem, seria uma verdadeira tragédia. A prova de que o Estado e a direção do Metrô não estão preocupados com a população é o destinamento de milhões dos cofres públicos para a implantação de um sistema que vai aproximar ainda mais um trem do outro e que traz como grande promessa a extinção do cargo dos operadores de trem (o “driverless” e o sistema CBTC). Esse desperdício de dinheiro público é realizado em detrimento da necessária expansão das linhas e sem considerar prioritariamente a segurança dos usuários.

É por isso que dizemos ã população usuária do Metrô que só quem defende um Metrô público, estatal, de qualidade e seguro para os usuários, são os próprios trabalhadores metroviários e os usuários, e não o governo ou a empresa. É nesse sentido que nós, da LER-QI, junto a trabalhadores independentes, lutamos para que a direção do nosso sindicato organize as campanhas salariais sem separar – como continua ocorrendo - as reivindicações dos metroviários da luta em defesa dos interesses da população, batalhando contra os absurdos reajustes das tarifas (um dos metrôs mais caros do mundo!) e por um transporte seguro, de qualidade e barato, o que só pode existir com a estatização da Linha 4 e de todo o sistema de transportes a serviço dos interesses da população e dos metroviários e não dos lucros dos empresários representados na direção da empresa e no governo estadual pelos partidos patronais (PSDB, PTB, PSD etc.).

Chamamos a população trabalhadora que utiliza o sistema metroviário em São Paulo a apoiar as demandas dos trabalhadores do setor, lutando juntos por um Metrô público estatal e de qualidade. Nos somamos também as demandas da população por um serviço de maior qualidade, com contratação de mais funcionários, expansão pública das linhas, e redução da altíssima tarifa dos transportes na cidade. Não podemos permitir que o governo e a empresa sejam os responsáveis pela investigação das causas do acidente, pois eles vão encontrar um “bode expiatório” para encobrir suas próprias responsabilidades. Devemos exigir a formação de uma Comissão de Investigação Independente, formada pelo Sindicato dos Metroviários, organizações de direitos humanos, vítimas do acidente e seus familiares, para apurar as causas que levaram a essa tragédia, exigindo também a responsabilização dos dirigentes da empresa e do governo estadual.

Esse acidente é mais uma mostra de como o sistema do Metrô não suporta mais a superlotação e chegou a um ponto de colapso. Os discursos dos governos e partidos da burguesia, que prometem “milagres” para o transporte público para conseguir votos, não passam de uma falácia. A única solução é que, juntos, trabalhadores metroviários e usuários, lutemos pelo controle e administração operária e popular dos transportes para que se coloquem de fato a serviço das necessidades da população. Esta é uma questão de primeira ordem que a direção do Sindicato dos Metroviários deveria levar adiante, convocando sindicatos e organizações populares independentes dos patrões e dos partidos patronais, para dar passos concretos contra os descalabros cometidos pela direção da empresa e pelo governo em nome dos altos lucros para os empresários do transporte que fatalmente nos preparam catástrofes anunciadas.

Liga Estratégia Revolucionária – Quarta Internacional

18-05-2012

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)