FT-CI

Venezuela

A esquerda diante do novo partido de Chávez

24/04/2007

A esquerda diante do novo partido de Chávez

Depois que a corrente sindical C-CURA votou no começo do ano "somar-se ao processo de construção e a todos os debates em torno da conformação do PSUV (Partido Socialista Unificado da Venezuela)", são ainda mais surpreendentes as duas últimas cartas que enviaram seus dirigentes ã Hugo Chávez, e ã Comissão Promotora do PSUV. Nelas se enfatiza que têm "..o propósito comum de contribuir com propostas para a construção de uma organização política.." [1], e " com a qual esperamos contribuir ao fortalecimento de um grande partido socialista" [2]. É preciso destacar que essa política de ingressar ao PSUV de Chávez se faz em total concordância com os setores representados na Venezuela da Izquierda Socialista e do MST da Argentina, apesar de alguma diferença "tática" sobre essa política.

Os dirigentes do C-CURA tem chegado ao cúmulo ao afirmar, dirigindo-se a Chavez, que no ".. primeiro ato público - desde a conformação do PSUV -.. teve definições sobre distintos temas políticos, sociais, econômicos e ideológicos. Muitos deles os compartilhamos plenamente.. Reafirmamos a decisão de ser parte do processo de construção do novo partido" [3]. Realmente é lamentável que os companheiros que falam em nome dos trabalhadores chegam a afirmar que compartilham de "temas políticos, sociais, econômicos e ideológicos" com Chávez. Todos sabemos que em temas políticos e sociais econômicos, durante estes 8 anos de governo, os que realmente se tem beneficiado são os setores empresariais, enquanto os trabalhadores, os camponeses e o povo pobre continuam esperando satisfazer ao menos alguma demanda elementar, ao invés de ter que viver com os tímidos planos sociais das missões. Na ideologia sabemos que Chávez defende um "socialismo com empresários", por isso sua insistência quando afirma que "convidou aos operários e operárias.. aos empresários nacionalistas a construir este instrumento unitário (o PSUV)". Apoiar-se na retórica de Chávez que fala contra o capitalismo, quando na realidade o administra, não mais que colocar expectativas em seu projeto pseudo-nacionalista entre os trabalhadores.

Os dirigentes do C-CURA demonstram haver perdido todo norte político quando afirmam que "dizemos isto, porque não vemos contradição em construir o PSUV e apoiar a revolução, e por ver defender a autonomia dos sindicatos". Em primeiro lugar, de que "revolução" falam, em um país onde não se toca em um centavo de nenhum capitalista? Que "revolução" é essa, que não passa de um projeto pseudo-nacionalista burguês que compra algumas empresas privatizadas no valor de mercado depois que seus donos saquearam o patrimônio nacional? E se já está cômico, trágico é ver que a autonomia dos sindicatos a entendem os dirigentes sindicais somente no plano organizativo, mas politicamente não vêem problema algum em que uma corrente sindical inteira - que aglutina centenas de sindicatos - ingresse ao partido do governo junto a empresários nacionalistas e alto oficiais das Forças Armadas. A independência de classe dos trabalhadores implica a independência do governo e seus partidos no plano político e organizativo, condição elementar para todo tipo de luta dos trabalhadores (isso sem dizer para a ação revolucionária), se não querem transformar-se em correia de transmissão das políticas governamentais.

O curioso é que diversos dirigentes da C-CURA não foram admitidos no ato de lançamento do PSUV, apesar de sua subordinação ao chavismo. Em uma recente entrevista a Orlando Chirino, após ter firmado ambas cartas, tenta se relocalizar parcialmente - quem sabe dando-se conta das aberrações expressadas centralmente na segunda carta, mas sem desmentir tais afirmações - apontando que ".. com os alinhamentos expressados pelo presidente Chávez, nos parece que se coloca a possibilidade de que os setores verdadeiramente classistas, honestos e revolucionários do movimento sindical, e que lutam pela autonomia, avancem até o PSUV" [4]. Mas não chega a questionar nem a romper com a resolução votada pelos dirigentes sindicais de ingressar ao PSUV, que anula toda independência política dos trabalhadores. Não há "raecomodações a esquerda" sem romper com o aspecto central, levar os trabalhados sob a subordinação do chavismo, política que se tem agudizado desde a campanha pelos "10 milhões de votos" chamando a “arrebentar as urnas" por Chávez nas últimas eleições.

Por um partido operário independente que seja a voz de milhões de trabalhadores

Contrariamente ã nefasta política dos principais dirigentes da C-CURA, viemos afirmando que a classe operária venezuelana deve confiar somente em suas próprias forças e métodos de luta: só assim poderá selar uma aliança operária, camponesa e do povo pobre verdadeiramente anticapitalista. Por isso fazemos um chamado urgente a todos os sindicatos que se reivindicam classistas e a C-CURA a abandonar e romper com essa política de subordinação ao chavismo, para lutar contra a política da conciliação de classes do PSUV. É imprescindivel que os trabalhadores se expressem na vida política nacional de maneira independente e lutar por um partido próprio dos trabalhadores, um grande partido operário independente baseado nos organismos de representação e luta dos trabalhadores, nos métodos da democracia operária e que levante um programa claramente anticapitalista e antiimperialista. Os sindicatos classistas e a C-CURA, abandonando toda a política que seus principais dirigentes lhe estão impondo, devem convocar urgentemente um Comitê Promotor que impulsione um partido com essas características. Que se proponha ser a voz na Venezuela dos milhões de trabalhadores e explorados. Na luta pela independência política dos trabalhadores que busque liquidar definitivamente com o PSUV. Colocar de pé esse partido será um primeiro passo para avançar na construção de um potente partido operário revolucionário que lute por um governo dos trabalhadores e do povo pobre para avançar por uma verdadeira revolução operária socialista.

- CCURA: Corrente Classista, Unitária, Revolucionária e Autônoma. É uma das correntes com maior influência dentro da central operária UNT (União Nacional dos Trabalhadores). Grande parte de seus dirigentes, como Orlando Chirino e Stalin Pérez Borges são membro do PRS (Partido Revolução e Socialismo) sobre o qual tem influência o grupo Izquierda Socialista e o MST da Argentina.

  • TAGS
  • NOTAS
    ADICIONALES
  • [1"Dirigentes da CCURA podem ingressar ao PSUV", por Orlando Chirino e Stalin Pérez, entre outros dirigentes sindicais, 23/03/07 (aporrea.org)

    [2"Sindicalistas revolucionários respondem ao Presidente Chávez em torno da ’não autnomia’ dos sindicatos", por Orlando Chirino e Stalin Pérez, entre outros, 27/03/07 (aporrea.org)

    [3ídem.

    [4Entrevista com Orlando Chirino, 10/04/07 (aporrea.org).

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Jornais

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)