FT-CI

ASCENSO DE GREVES E LUTAS EM TODO O RIO DE JANEIRO

Unificar o ativismo operário para coordenar as lutas e fazer uma paralisação de todo o Rio!

19/05/2014

Unificar o ativismo operário para coordenar as lutas e fazer uma paralisação de todo o Rio!

Uma onda de greves percorre o país e o Rio em particular. A cidade é o palco de duas tendências nacionais que estão uma fortalecendo a outra e se expressam com mais força aqui. Como “menina dos olhos” da Copa o Rio é a cidade que a inflação mais corrói o bolso do trabalhador. Os índices oficiais não alcançam 10%, mas o aluguel subiu 144% em menos de 5 anos e até comprar um refresco na rua exige 50% mais ou o dobro do valor do que poucos meses atrás. Se medirmos pelo salário mínimo necessário calculado pelo DIEESE a inflação foi de mais 9% só de dezembro até abril [1]! Os trabalhadores não aceitam este roubo diário e depois do vitorioso exemplo da greve dos garis, uma nova disposição de luta se vê em praticamente todas as categorias.

Esta disposição de luta tem se expressado em uma onda de greves e de um novo ativismo de trabalhadores que não se via em mais de uma década. Os rodoviários já fizeram 72hs de paralisação em duas semanas, centenas de rodoviários garantiram dezenas de piquetes. A paralisação dos rodoviários do Rio animou um setor dos rodoviários da Baixada Fluminense a parar os ônibus também. Estas duas greves ocorreram, tal como os garis, contra os sindicatos. Pouquíssimos bancos funcionam normalmente porque os vigilantes já levam mais de 20 dias em greve e tem realizado diversas passeatas na cidade. Os professores estaduais e municipais estão em greve. Os técnicos-administrativos das universidades federais estão de braços cruzados. Todos os principais museus da cidade encontram-se fechados e a saúde federal encontra-se novamente em greve. Poucas semanas atrás o Comperj ficou em greve e dois estaleiros em Niterói também. Fora isto várias categorias estão em campanhas salariais e em algumas fábricas começa a ter luta contra demissões, uma vez que as patronais querem descarregar nas costas dos trabalhadores a diminuição de suas vendas.

Derrotar as direções pelegas dos sindicatos para unificar as lutas e curvar os patrões e governos

Todas estas greves ao mesmo tempo colocam uma discussão que vários trabalhadores já fazem em seus piquetes, assembleias: como unificar as greves para que todas vençam? O primeiro obstáculo que várias categorias estão enfrentando são as direções dos sindicatos ou a presença de correntes ligadas ao governo como a CUT e a CTB. Para blindar “seu governo” e esta Copa para a Fifa, para as empreiteiras e especulação imobiliária, estas centrais estão contra os trabalhadores lutarem. Em professores foram contrários ã unificação com o ato contra a Copa e unificação com as outras categorias. Nenhum sindicato dirigido pela CUT e CTB está anunciando nenhuma mobilização neste período, o sindicato dos bancários está fingindo que não é com ele a mobilização dos vigilantes (outro sindicato). Em metalúrgicos um silêncio sepulcral, mesmo com demissões ocorrendo. Na CEDAE, em plena campanha salarial, não há nenhuma ameaça de greve.

Para influir nas bases dirigidas pela CUT e CTB é preciso em primeiro lugar que as categorias que estão em greve ou com outras táticas de luta que tenham um plano de guerra para vencer, e não greves rotineiras. Será a partir da luta decidida das categorias em greve que os trabalhadores poderão influenciar outras categorias e ganhar apoio da população. A situação é outra, os governos e patrões junto com a justiça endurecem com os trabalhadores (como em rodoviários, professores). Os trabalhadores também precisam endurecer, coordenar os setores em luta e em greve, e assim dar forças a todas categorias e influir nas bases de todas categorias que tem sindicatos pelegos e burocráticos.

Por uma paralisação geral do Rio e um encontro de ativistas operários para “dar corpo” ã vanguarda

Todas as condições estão dadas para uma paralisação geral do Rio para o triunfo de todas estas lutas e para impor um aumento geral dos salários de 40% a todos trabalhadores (seguindo a reivindicação dos rodoviários), como parte da luta para que todos trabalhadores recebam ao menos o salário mínimo calculado pelo DIEESE, atualmente em R$ 3019,07. Na maior parte das categorias em greve a esquerda antigovernista tradicional dirige ou tem influência, porém nenhuma destas categorias está exigindo da burocracia sindical da CUT, CTB e outras centrais um dia de paralisação em todo o Rio como parte de um plano mais duradoura que um só dia para que todas categorias vençam! Para dar passos como estes a esquerda antigovernista tradicional (PSOL, PSTU) e os sindicatos que se reivindicam classistas deveriam estar articulando verdadeiros planos de guerra para a vitória de suas categorias e para a coordenação das lutas, muito mais que uma eventual passeata comum das categorias.

Não é o que está se vendo na greve dos professores, onde o SEPE (a Insurgência e outros grupos do PSOL são maioria, e o PSTU é uma minoria bastante importante na direção) está conduzindo uma nova importante greve sem planos para desmascarar massivamente ã população os discursos do governo contra a greve, nem tomando nenhuma ação contra o corte de salário que foi anunciado pelos governos junto ao STF. Em rodoviários a CSP-Conlutas que tem muita influência nos dirigentes do movimento também não está traçando nenhum plano para a vitória dos rodoviários. Estão organizando poderosas forças como as paralisações de toda a cidade ou o possível uso da tática de “catraca livre”, como dias isolados em cada semana e não como parte de um plano de luta que fortaleça as assembleias, passeatas, os piquetes, que ganhe apoio da população. Estão adotando medidas isoladas que estão desgastando a categoria e, ao mesmo tempo, permite aos patrões e governos irem aguentando sua luta e apostarem no cansaço, que já se vê na presença menos massiva nos piquetes e assembleias.

Um fenômeno importante em algumas destas greves, mesmo que em menor medida que em garis, é o surgimento de um ativismo operário, que garante os piquetes, se coordena com outras unidades. É preciso dar um corpo superior a este ativismo permitindo que os trabalhadores em greve de diferentes categorias se influenciem, se ajudem nos piquetes, nas pautas, em sua consciência de classe (superando as divisões por categoria).

Chamamos a CSP-Conlutas e sua organização majoritária, o PSTU, e a CST-PSOL e sua corrente sindical a Unidos, a passarem das palavras ã ação. Não basta colocarmos em panfletos e faixas “greve geral” e não darmos passos para sua concretização! Estas duas correntes a partir de sua influência no SEPE, em estaleiros de Niterói, na greve dos técnico-administrativos da UFF, nos trabalhadores da construção civil do Comperj e em rodoviários poderiam organizar um encontro como este. Colocar este ativismo operário em movimento poderia influir em bases da CUT, CTB, Força Sindical, UGT, CTB, NCST.

É possível organizar um encontro de milhares de trabalhadores em greve ou em luta só do Rio e região metropolitana. Um encontro como este colocaria em um marco superior a intervenção dos trabalhadores e poderia organizar uma verdadeira paralisação de todo o Rio como preparação a uma paralisação nacional e poderia dar passos para formar um verdadeiro pólo combativo e classista que aparecesse nacionalmente como alternativa frente ás burocracias sindicais e como potente alavanca para os trabalhadores enfrentarem os governos e os patrões.

  • NOTAS
    ADICIONALES
  • [1Segundo o DIEESE o salário mínimo necessário era em dezembro R$2765,44 e em Abril, R$ 3019,07.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)