FT-CI

Internacional

Resistência curda na Síria altera a postura dos EUA

24/10/2014

Resistência curda na Síria altera a postura dos EUA

Amplamente noticiado nos diários mundiais, aviões de transporte C-130 norte-americanos lançaram na madrugada desta segunda-feira armamento, munição e ajuda médica para abastecer as forças curdas que lutam na cidade síria de Kobani contra o Estado Islà¢mico, que depois de um mês de tentativas não assegurou a conquista desta cidade que se tornou símbolo da resistência curda. Além disso, o presidente turco Recep Tayyip Erdogan, que proibiu a travessia de combatentes e armas e se negou a intervir contra o massacre curdo por parte do EI há algumas semanas, emitiu comunicado autorizando a passagem de milicianos curdos iraquianos, os peshmerga, através do território turco para auxiliar a resistência em Kobani.

“Vamos ajudar os peshmerga a cruzar a fronteira até Kobani. Não temos nenhum desejo de que Kobani caia nas mãos do Estado Islà¢mico”, disse o Ministro turco de Assuntos Exteriores, Mevlut Cavusoglu. Esta alteração na postura da Turquia e dos EUA (que dizia que “Kobani não era estratégica na luta contra o EI”, mas agora incrementou o número de bombardeios nesta região curda para 135 ataques), pela primeira vez entregando armas aos milicianos curdos, responde aos temores de que esta guerra reacionária desate forças desestabilizadoras muito além da guerra civil síria no Oriente Médio.

Os inimigos de nossos inimigos...

Recordemos que o Estado Islà¢mico surgiu de uma ruptura da AlQaeda, aos quais se uniram no Iraque grupos sunitas que foram expulsos do governo central na Guerra do Iraque em 2003, assim como partes do exército de Saddam Hussein. Desde junho, se estabeleceu num território do tamanho da Bélgica que vai da província de Aleppo, no norte da Síria, até a província de Diyala no leste do Iraque, sobre o qual proclamou seu califato. Até agora, as únicas forças que conseguiram frear parcialmente o avanço dos jihadistas foram os curdos sírios, sem que a coalizão liderada pelos EUA conseguisse reverter estes avanços em defesa de seus interesses no Oriente Médio.

Em uma guerra que, para dizer o mínimo, os Estados Unidos não está ganhando, a cidade de Kobani (cidade curda na fronteira entre a Turquia e a Síria) não caiu nas mãos do Estado Islà¢mico, que sofreu numerosas baixas, unicamente pela dura resistência das milícias curdas sírias. A razão pela qual tanto os Estados Unidos quanto a Turquia se mostraram reticentes em intervir no massacre de Kobani é que a resistência curda na Síria é dirigida pelo Partido da União Democrática (PYD) e suas milícias, as Unidades de Proteção Popular (YPG), uma fração radicalizada do movimento separatista curdo que busca historicamente a autonomia e independência da região do Curdistão (30 milhões de pessoas abrangidas desde o norte do Iraque e da Síria, e em parte da Turquia) e direitos políticos aos curdos, um povo oprimido no interior da Turquia que compõe a maior etnia sem Estado próprio do mundo. Esta organização tem laços com o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), que integra a lista de organizações terroristas para os EUA e a União Europeia.

Como se evidenciou com os bombardeios a posições curdas do PKK, cujas milícias são as únicas forças de combate em terreno contra o Estado Islà¢mico na Síria, o governo de Erdogan optou a princípio por deixar via livre aos massacres, evitando que como efeito colateral de sua ação se fortalecessem as posições curdas. Esta aposta foi feita também por Washington apesar de toda a fraseologia “humanitária”: o secretário de Estado dos EUA John Kerry alegou, referindo-se aos curdos, que “os inimigos de nossos inimigos não se tornam por isso nossos amigos”.

Entretanto, os avanços do Estado Islà¢mico sobre as regiões petrolíferas no Iraque, tomando a província de Anbar e estando ás portas da capital Bagdá contra um exército iraquiano desintegrado, e o perigo de que a tomada de Kobani pelos sunitas evidenciasse ainda mais a incapacidade do poder aéreo aliado de “degradar e destruir” por si só o EI, obrigaram Washington a mudar de opção tática e coagir a aceitação de Erdogan em auxiliar os curdos sírios [1]. Segundo Kerry, “Deixe-me dizer a nossos estreitos aliados turcos que entendemos os fundamentos de sua oposição, e a nossa, a qualquer espécie de grupo terrorista, e em particular aos desafios que enfrentam com o PKK [...] Mas nós embarcamos em esforços para degradar e destruir o EI, que se encontra em grande número na região de Kobani” [2]

A questão nacional curda como fator na equação

Se a Turquia não tem nenhum interesse em estabilizar o regime sírio de Bashar al-Assad (um regime inimigo do governo turco, que também quer derrotar a ameaça do Estado Islà¢mico em seu território), chegando a condicionar sua participação ativa na coalizão encabeçada por Washington ao envolvimento dos Estados Unidos na derrubada imediata de Assad, é certo que tampouco deseja revitalizar um poderoso movimento de libertação nacional de um povo oprimido em seu território.

O governo de Erdogan enfrentou protestos populares nas principais cidades da Turquia em rechaço ã passividade com que lidou com o massacre dos curdos em Kobani, acusado de abandonar a cidade. Esta encruzilhada da burguesia turca – não fortalecer o regime de Assad atacando o EI (que há não muito tempo era financiado pela Turquia), mas ao mesmo tempo evitar o prestígio da resistência curda frente ã passividade turca – por ora deixa fora do tabuleiro o maior Exército do Oriente Médio, e acentua as rusgas com os Estados Unidos (novamente, o governo de Ankara desmentiu ter permitido a utilização de sua base militar de Incirlik pelos aviões norte-americanos).

Curdos na Síria e no Iraque

Os Estados Unidos tem um trunfo para apresentar a Erdogan na figura dos curdos iraquianos. Apesar de Erdogan ter igualado o PKK e a Unidades de Proteção Popular curdas da Síria aos jihadistas do Estado Islà¢mico, tem boas relações políticas e comerciais com os curdos no Iraque, na figura do Governo Regional do Curdistão (KRG). Tendo sido capaz de manipular a favor de seus interesses a questão curda no Iraque, os Estados Unidos colocou sob sua tutela a autonomia dos curdos iraquianos conquistada em 1992 como parte dos acordos durante a Guerra do Golfo, concedendo-lhes grande cota de poder depois da derrubada de Saddam Hussein em 2003.

A burguesia curda, ligada ao clà de Barzani no Iraque, tem reservas petrolíferas estimadas em 45 bilhões de barris, que exporta ao porto turco de Ceyhan (no sul do país). O Iraque passou a ter um intercâmbio comercial com a Turquia, em 2010, de 6 bilhões de dólares, tornando-se seu quinto maior parceiro. A transferência de petróleo do Iraque para a Turquia é de 500.000 barris diários, além da transmissão de gás natural através do gasoduto que virá a servir para levar energia do Oriente Médio e da Ásia central para a Europa através da Turquia.

A Turquia só perde para a China entre os países com mais empresas no Iraque, com 117 corporações nos ramos da energia, agricultura e projetos industriais [3]. Esta boa relação, que torna o Curdistão iraquiano um dos principais parceiros comerciais da Turquia, facilitou a decisão de permitir a entrada dos combatentes peshmergas na Síria.

No Iraque, os curdos, sob a direção de dois clàs rivais – o Partido Democrático do Curdistão de Barzani e a União Patriótica do Curdistão de Talabani – garantem o controle do petróleo sob a sombra da ocupação norte-americana, com os peshmergas servindo de tropa terrestre aos EUA nesta guerra reacionária. Na Síria, pelo contrário, os setores curdos abertamente pró-norte-americanos, agrupados no Conselho Nacional Curdo e membros do Conselho Nacional Sírio, são uma minoria, primando os setores que não aceitam a intervenção dos Estados Unidos.

A derrota do Estado Islà¢mico pelas mãos da resistência curda acentuaria o papel da questão das nacionalidades e poderia abrir um curso progressista com repercussões internacionais que iriam até o coração da Europa. Mais de 20.000 curdos se manifestaram neste último sábado, 11/10, em Düsseldorf na Alemanha, em solidariedade ã Kobani e exigindo, para além do envio de munições e ajuda humanitária, a libertação de Abdullah Öcalan, líder do PKK que cumpre sentença de prisão perpétua. Outras manifestações aconteceram em Londres e Bruxelas.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)