FT-CI

Blog da Revista Luta de Classes

“Quero te convencer a apoiar a greve dos metroviários"

08/06/2014

“Quero te convencer a apoiar a greve dos metroviários

Por Iuri Tonelo, professor da rede pública em Campinas-SP

Aquele que escreve essas palavras está entre os milhões da “população” que não é trabalhador metroviário e utiliza o transporte público. Na aparência, nós somos essa enorme massa que a imprensa e o governo dizem que é passiva e apenas “sofre” com a greve. Somos a “população”.

Desde já, portanto, antecipo uma opinião: essa greve não é como as outras. Pois, em meio ã intransigência da empresa e o governo e a luta dos metroviários, nós não podemos ficar indiferentes. A cidade paralisou e convidou a todos nós a pensar e se expressar.

Então, de que lado estar?

Vejamos o que pensar sobre esta greve:

1) os que estão contra a greve dizem que ela prejudica a população. Pois bem, ainda que defendamos o direito de greve (que valeria outra discussão), no caso concreto os metroviários contornaram isso e propuseram a “catraca livre”, ou seja, propuseram que a população entrasse de graça no metrô sem ser prejudicada, enquanto ocorria a negociação de sua pauta.

O governo e o metrô rejeitaram.

2) Os que estão contra a greve disseram que 8,7% já estava bom para os metroviários, que não precisavam de mais nenhuma pauta (e disseram inclusive que os metroviários já ganham demais). Os metroviários negociaram, estiveram inclinados a reduzir a porcentagem pedida e avaliar os elementos de sua pauta que se manteriam, tendo em vista que o metrô tem sido um dos grandes focos de corrupção, e que sabemos todos na sociedade que muito desse dinheiro pode muito bem pagar melhor os trabalhadores para o melhor atendimento da população.

O governo e o metrô rejeitaram qualquer proposta e a justiça aumentou a punição, cortando o salário dos dias parados e aumentando a multa por dia para meio milhão ao sindicato. Mais uma vez foram intransigentes.

3) O governo de Geraldo Alckmin está argumentando que a greve é “política” e por isso não podemos apoiar: convenhamos todos nós, os que são da dita “população”, que a juventude já veio lutando desde o ano passado para abaixar a tarifa (que os governos nunca mais tiveram coragem de aumentar) e frente ao total descaso na saúde, educação e transporte por esses governos não é mais que legitimo que a resposta não venha deles, mas de nós. Desvalorização que passam nossos profissionais da saúde, professores da rede pública e trabalhadores do transporte é um primeiro sintoma claro disso, ou seja, a melhoria das condições dos trabalhadores é o começo de nossa resposta política contra esse projeto (de país capitalista e semicolonial). Se é no sentido de que a greve trás melhorias para toda a população e que uma categoria metroviária mais forte é melhor pra toda a classe, “ahh sim, a greve é política”, ou pelo menos trás uma política diferente dos governos e as empresas.

Governos de um país que gasta bilhões e bilhões com uma Copa que só tem a servir aos empresários, que nadam na corrupção, que gasta bilhões para pagar dívidas “públicas” intermináveis e deixam a população todos os dias no sufoco em direitos elementares, sem falar as necessidades de moradia e questões candentes em nosso país, tem direito de criticar a greve como “política”?

Ou seja, devemos entender o que está em jogo: colocar a “população” contra a greve, massacrar os grevistas, acabar com suas reivindicações e ensinar que os que lutam para melhorar nossos serviços e direitos elementares estão errados.

Pois bem, temos que mostrar então, que por trás de uma “população” estão os corações e mentes dos jovens de junho que dobraram o governo e reduziram a passagem, estão dezenas de categorias de trabalhadores que aos milhares começaram distintas lutas para mudar suas condições de vida e sinalizar aos governos que não aceitaremos mais essa situação, e ainda estão setores como os garis do Rio de Janeiro que impuseram 37% de aumento salarial e não tiveram nenhum demitido, ensinando a classe trabalhadora como se luta.

Hoje eu estive na assembleia dos metroviários e vi mais de 80% da categoria defender com muita força a greve e se organizar para os piquetes, retomando métodos históricos dos trabalhadores para fazer o governo ter que negociar.

Nesse sentido, quero te convencer a apoiar a greve dos metroviários.

O que está em jogo agora é se os trabalhadores e a juventude vão ter voz para mudar os rumos desse país em um outro projeto, ou se manteremos essas empresas e máfias, que sugam nosso sangue e suar, deitar e rolar em cima de todos nós.

A luta dos metroviários, nesse momento, encarna os anseios e as necessidades de todos os trabalhadores do país. Não somos uma população alheia ã greve: somos todos metroviários.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)