FT-CI

ESTADO ESPANHOL

Podemos e o debate sobre a "unidade popular" na esquerda espanhola

12/06/2015

Podemos e o debate sobre a

Após as eleições de 24M, o debate sobre qual candidatura oferecer para as eleições gerais entrou em erupção. A demanda por uma "confluência" desafia diretamente o Podemos e seu líder Pablo Iglesias, que se recusa a relegar a sua "marca" e sua liderança autoproclamada. O que está em segundo plano é o programa, qual a estratégia e qual sujeito está ausente para acabar com o regime de ’78. Podemos e o debate sobre a "unidade popular" na esquerda espanhola

O resultado das eleições de 24M foi contraditório para o Podemos. Os melhores resultados eleitorais não foram obtidos pelas candidaturas do Podemos, que se apresentou com "marca própria" em vários dos governos regionais, mas os candidatos pro governo local como "Agora Madrid", "Barcelona em Comum" ou "Zaragoza em comum", convergência de diferentes setores dos ativistas de esquerda e sociais, aos quais também se integrou o Podemos.

No caso de "Barcelona em comum", convergiram para a candidatura a Iniciativa pela Catalunha Verde (ICV), Esquerda Unida e Alternativa (EUiA), Equo, Processo Constituinte e Podemos. "Agora Madrid", por sua vez, era o produto de uma união entre Ganhemos, Equo, Podemos e ex-militantes de IU, enquanto "Zaragoza em comum" é composto de Podemos, IU, Equo e outros grupos da esquerda de Zaragoza, incluindo a independista. Em outros aplicativos ou "marés" como as que proliferaram em Galícia ou Astúrias, a dinâmica integradora foi semelhante.

A diferença de votos obtidos não é menor. Por exemplo, em Madrid, a candidatura municipal "Agora Madrid" ganhou 31,85% dos votos, enquanto a candidatura do Podemos para a Comunidade recolheu 18,59%, enquanto a média global os aproxima de uma sóbria taxa de 13 ou 14%.

Essa situação fortaleceu e incentivou setores que vinham exigindo a confluência com "outros setores da esquerda", e aos partidários dos candidatos de "unidade popular" ou de convergência.

Esta semana veio o manifesto "Abrimos Podemos: para uma candidatura constituinte", assinado pelo deputado Pablo Echenique com outros deputados do Podemos, como Isidro Lopez e Beatriz Gimeno da Assembleia de Madrid, Juan Ignacio Moreno Yague, vice na Andaluzia e vários membros dos conselhos regionais e municipais do Podemos.

O manifesto promove a necessidade de uma candidatura deste tipo para as eleições gerais no final do ano. "Especificamente, na sequência das eleições regionais e municipais o Podemos já não é o único instrumento de mudança, mas para as próximas eleições gerais nada será possível sem o Podemos. O surgimento de grandes forças municipalistas nas grandes cidades situa o Podemos na intersecção de boa parte delas, mas sem atribuir qualquer ajuste de exclusividade", define o documento que já tem uma dúzia de assinaturas.

Também a partir dos anticapitalistas (associação herdeira da Esquerda Anticapitalista que após se dissolve no Podemos) em seu balanço do 24M no final de maio, eles já haviam falado em favor da "unidade popular". E no calor do debate nos últimos dias, a partir da Revista Vento do Sul eles têm publicado vários artigos defendendo a ideia de que o Podemos não pode ser “sujeito de sujeitos" e que devemos avançar na confluência para as eleições gerais.

Mas o fato mais importante é que, também na Esquerda Unida existem fortes movimentos que visam o mesmo objetivo. Golpeada depois do fracasso de 24M - quando obtiveram o pior resultado de sua história -, "punidos" por seus escândalos de corrupção, seus pactos com o PSOE e uma forte presença institucional que a desgastou, no IU tem-se intensificado o debate interno sobre a forma de sair do encalhamento, ganhando peso a ideia de uma "convergência" com o Podemos para as gerais.

Com a permissão do Secretário-Geral, Cayo Lara, deputado Alberto Garzón tornou-se a principal voz desta política. Poucos dias atrás, ele disse que "arrancará a pele" para buscar a convergência, sem perder "sua sigla" e "identidade", como a Esquerda Unida.

No interior do IU, há setores resistentes a uma candidatura de "unidade popular", por medo de que se possa terminar de desenhar a formação orientada pelo histórico PCE. Apesar de, após o golpe eleitoral e seu mau desempenho, aqueles que apostam na convergência estão melhor posicionados. De fato, na última reunião da Presidência da República Federal da IU, a proposta de Garzón para promover a convergência com o Podemos para as eleições gerais passaram com 91% (53 votos), três contra (5,2%) e dois em abstenção (3,4%). De acordo com o El Mundo, após a reunião o deputado expressou sua "alegria" frente a este resultado, já que é sólido que a IU aprove um acordo dessa magnitude com mais de 90% dos votos.

Nesta quinta-feira, Garzon começou uma rodada de negociações para construir essa "unidade popular". O primeiro encontro foi com Equo, que era a favor de uma fórmula de unidade com IU e Podemos, e vai continuar com ICV e Anova.

A cúpula do Podemos na defensiva

Pablo Iglesias e a direção do Podemos se recusam terminantemente a mover-se nessa direção e seguem defendendo apresentar-se como Podemos nas gerais, no máximo, integrando individualmente ás suas listas candidatos provenientes de outros espaços. O líder do Podemos não tem nenhuma intenção de mudar o seu "roteiro" de apresentar-se com suas siglas para a eleição, nem está disposto a liquefazer seu capital político como o carro-chefe do "processo de mudança", esse eufemismo que tornou-se tão na moda nos últimos meses.

"O compromisso com a mudança e unidade popular não tem nada a ver com acordos entre os partidos, muito menos com o que pode ser chamado de um bote salva-vidas para qualquer um. Todo mundo tem que arcar com as conseqüências da estratégia política que levou adiante", disse Iglesias em resposta ã proposta de" unidade popular "da IU.

Embora em uma má correlação de forças, a Esquerda Unida também não está disposta a dissolver-se dentro do Podemos. No entanto, o resultado das eleições municipais e o virtual "ruído operativo", que começou a se desenvolver a favor de uma confluência para as gerais, colocaram o Podemos na defensiva, questionando sua liderança política na esquerda reformista Espanhola (especialmente sua autopercepção de dita liderança).

O ex-número três do Podemos, Carlos Monedero, procurando mediar o debate, sugeriu uma fórmula de consenso onde se apresentem com o nome de Podemos "+" as siglas que representam a unidade popular. Uma proposta que pressupõe que Pablo Iglesias seja quem encabece tal fórmula. Mas depois de sua recente saída da direção do Podemos, em meio a duras disputas nas alturas entre Pablo Iglesias e Iñigo Errejón – e o sempre presente escândalo em que se viu envolvido pela cobrança de mais de 425.000 euros por assessorias aos governos da Venezuela e Equador -, Monedero tem hoje pouca influência sobre o aparato controlado por Iglesias, Errejón e Carolina Bescansa. Embora ainda não se saiba o quanto pode influenciar setores da base do Podemos.

Debates, formas e conteúdos

O que se prepara para os próximos meses é uma forte disputa política sobre a forma que deve adquirir a candidatura para as gerais, como quais siglas e candidatos. No entanto, o que se faz necessário é aprofundar os grandes debates de conteúdo: qual a estratégia, o programa, que sujeito e quais métodos para que a "mudança política" não resulte, no melhor dos casos, em uma regeneração cosmética do decadente regime político de ’78.

Algo chave para colocar em discussão é a atitude para com o PSOE, um dos pilares do regime, com o qual neste momento estão tramitando diferentes tipos de acordos para a formação do novo "governo da mudança"... ou apenas para permitir que o PSOE governe e não ganhe a "direita", mas permitindo que o PSOE, um dos pilares do bipartidarismo, se fortaleça.

Entre Podemos, a Esquerda Unida e as diferentes "candidaturas cidadãs" que surgiram nas eleições municipais, não existem diferenças substanciais a nível programático. Em todos os casos, têm defendido moderados programas cidadãos com a finalidade de administrar as instituições da democracia capitalista para "servir o povo". Uma estratégia que, com ou sem "confluência", expressa uma esquerda reformista desprovida de sujeito, que se propõe a tomar "posições" no quadro institucional do Estado capitalista, mas sem sequer promover a organização e mobilização da classe trabalhadora e das amplas massas para alcançar tais reformas.

O desafio real não está nos acordos por cima concentrados em algum tipo de "unidade popular" ã esquerda do PSOE, mas de colocar em movimento um conjunto de forças sociais que possam operar como um poder alternativo ao capitalista, seu regime e casta de políticos vendidos. A unidade operária e popular, não como um acordo de cúpulas eleitoral, mas como uma frente única nas ruas para voltar ao caminho da mobilização e da auto-organização. Apenas daí é que pode surgir a "maioria política" e o instrumento para abrir um processo constituinte real para rediscutir tudo sobre as ruínas deste regime.

O desafio é, com o perdão da redundância, desafiar a miséria possível.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)