FT-CI

eUROPA

Para uma Europa dos extremos? Quando o impensável se torna possível

10/12/2014

Para uma Europa dos extremos? Quando o impensável se torna possível

A Europa está submersa em um estancamento persistente com deflação. Os temores de uma terceira recessão crescem, depois de um período com crescimento zero e ante a perda de impulso da economia alemã.

A crise já dura seis anos e acentuou as desigualdades geográficas e sociais de uma União Europeia (UE) que se pretendia unificada e homogênea. Castigando mais duramente alguns países que outros, cresceram as diferenças entre o “norte” e o “sul” europeu, entre os mais pobres do leste e os ocidentais.

2014 foi o ano onde mais aumentaram as tensões geopolíticas, sobretudo com a Rússia ao redor do conflito da Ucrânia, com a anexação da Criméia por Moscou e as resistências de Putin ã expansão da OTAN para o leste.

Desigualdades sociais abismais entre os “donos da Europa” que se enriqueceram mais durante a crise, e os que caíram na pobreza e no desemprego, perderam seus lares, ou os imigrantes que sobrevivem sem direitos e sem documentos.

Mas outra fonte de tensões é a que nasce no interior da própria UE, questionando sua própria existência. Este fantasma se agita desde o outro lado do Canal da Mancha, com o Reino Unido deixando aberta a possibilidade de sua saída.

Crise econômica e social, tensões geopolíticas, crise dos regimes políticos, protesto e descontentamento social. Este é o contexto para a emergência de novos fenômenos e atores políticos.

Quando o impensável se torna possível

A agência norteamericana de inteligência e análise geopolítico Stratfor assinala em um informe de dezembro, que a Europa se encontra em uma situação onde o “impensável se torna possível”.

O informe se detém no fato de que a crise econômica está fazendo erodir, lenta mas firmemente, o regime político de muitos países, pelo qual algumas alianças e acontecimentos que pareciam impossíveis há poucos anos, agora são discutidos abertamente na Europa.

Os exemplos mais notórios se dão em países como a Suécia, Espanha, Reino Unido e Grécia, que terão eleições em 2015 e cujos resultados ninguém teria pensado possíveis em 2008.

Suécia em seu labirinto

O país nórdico, “modelo” para a socialdemocracia, está atravessando a crise política mais importante das últimas décadas. O primeiro Ministro, Stefan Lofven, chamou eleições antecipadas, nem três meses depois de ter sido eleito. Uma crise na qual desempenhou um papel chave o partido de extrema direita, Democratas Suecos, apoiando a oposição durante a votação do orçamento.

A surpresa das últimas eleições foi o ascenso deste partido xenófobo e neonazista, liderado por Jimmie Åkesson, que obteve 13% dos votos. Duplicaram os últimos resultados eleitorais, que deram 5,7% em 2010, e se transformou assim na terceira força política do país.

A escassa margem entre a centro-esquerda e a centro-direita impede formar uma coalizão de governo estável. Lovfen aparece agora como “refém” da política deste partido de extrema direita, que condiciona o futuro do governo.

O discurso racista de Åkesson estigmatiza os imigrantes e refugiados, culpabilizando-os pelos problemas da Suécia, como a degradação dos serviços sociais.

No ano passado em Estocolmo e outras cidades se produziram levantes em bairros populares de muita população imigrante, com uma forte repressão. A revolta começou com o assassinato de um homem de 69 anos pela polícia.

A Suécia se parece mais com esse mundo de crimes sociais retratado nas novelas sombrias de Mankell, que ao idílico “estado de bem-estar” que ilude ainda setores da esquerda europeia.

O “furacão” Podemos na política europeia

As próximas eleições municipais e autonômicas espanholas estão marcadas pela queda abrupta do bipartidarismo e o ascenso meteórico de Podemos, o partido de Pablo Iglesias. Um ano depois será eleito o presidente.

A crise, o descontentamento social e o estouro de casos de corrupção que envolvem todos os partidos e instituições como a Coroa, agitam o clima político no qual Podemos concentra seus olhares.

As especulações eleitorais colocam a possibilidade de que Podemos chegue ao governo. Frente a isso, como atuará o PSOE? Abraçando uma coalizão “impensável” com o PP como no caso grego, ou apoiando a nova formação em um pacto de governo de “esquerdas”? Até agora o novo líder do PSOE, Pedro Sanchez, negou ambas as alternativas, mas a pergunta segue pendente e sem resposta.

Syriza entre duas águas

Na Grécia, a aliança governamental de conservadores e socialistas, depois de passar pela experiência de um “governo de tecnocratas”, não era imaginável antes da crise.
A coalizão entre Nova Democracia e o PASOK, não obstante, não conseguiu estabilizar a situação. Em fevereiro de 2015 a Grécia se encaminha para eleições presidenciais e todas as enquetes anunciam Alexis Tsipras do Syriza como ganhador.

O Syriza suavizou muito seu discurso e seu programa econômico para mostrar-se como um futuro governo “responsável” dentro da União Europeia. Reuniões com banqueiros e representantes internacionais de fundos de investimentos são parte dos inúmeros gestos para afastar o perigo do “caos” em caso de que chegue ao governo.

Toda esta moderação e concessões, não obstante, não asseguram que possa conseguir uma estabilidade política e financeira, na Grécia e no resto da Europa, em caso de chegar ao governo. Se mantém apenas uma parte de suas promessas eleitorais, que incluem a renegociação da dívida e deixar de aplicar as medidas de austeridade, terá de se enfrentar com a “disciplina” de Bruxelas e de Merkel, além da desestabilização financeira que podem provocar os mercados.

Nesta encruzilhada, um governo do Syriza prenuncia novas tensões e contradições que ainda não podem prever-se completamente. Como responderão os movimento sociais, os sindicatos, a Praça Syntagma e os bairros populares?

Deus salve o Reino Unido

Em Londres também há movimentos políticos que desafiam o status quo tradicional, neste caso desde a extrema direita.

A emergência do UKIP, partido xenófobo e eurocético, está marcando a agenda política do governo. O Partido de Cameron se enfrenta com a perda de deputados que vão para o UKIP, que o desafia a tomar uma política mais afastada da União Europeia e mais dura com os imigrantes.

As eleições mais próximas serão em maio, e os eurocéticos serão uma figura chave. Tampouco devemos esquecer que 2014 foi o ano do plebiscito da Escócia, onde o Reino Unido mostrou suas fortes fissuras internas.

Sejamos realistas, exijamos o impossível

Muito do que era impensável ontem, hoje é possível. Encaminha-se a Europa para sua “recaída” nos extremos, que foram a regra ao longo do século XX?

A extrema direita europeia ainda não consegue apoderar-se do poder, mas empreendeu um crescimento dramático em países como França, Reino Unido, Dinamarca e outros.

Nem Syriza na Grécia, nem Podemos no Estado espanhol são organizações da extrema esquerda, nem querem que sejam confundidas enquanto tais. Pelo contrário, têm ambos a intenção utópica de recriar um “ciclo socialdemocrata”, mas a destempo, porque é a crise capitalista a que marca os ritmos.

A luta de classes na Europa mostrou uma revitalização importante nos últimos anos, desde a abertura da crise, mas ainda não chegou a níveis de radicalização comparáveis com os anos ’30 ou os anos ’70, e as burocracias sindicais conseguiram até agora conter as lutas, isolando-as.

Para grande parte da esquerda europeia, que se conforma com um capitalismo “mais humano” ou “melhor gerido”, o “impensável” segue sendo a luta de classes e a ação radicalizada da classe trabalhadora europeia, nativa e imigrante.

Em tempos de mudanças intensas como os atuais, preferimos pensar que o impensável se torna possível de um momento a outro, e portanto, como em ’68, o único realismo possível é aspirar a superar o capitalismo europeu, porque o verdadeiramente utópico é sua humanização.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)