FT-CI

INTERNACIONAL

O significado da proposta militar dos EUA contra o Estado Islà¢mico

03/03/2015

O significado da proposta militar dos EUA contra o Estado Islà¢mico

Desde finais de 2014 os Estados Unidos vem protagonizando uma série de bombardeios ao Iraque e ã Síria, alegando combater o Estado Islà¢mico. A brutalidade, o terror, as ações e ideologia fascista daquela organização possibilitaram o acordo geral da opinião pública doméstica e internacional aos bombardeios.

O significado da proposta militar dos EUA contra o Estado Islà¢mico
Soma-se a isso o fato do Estado Islà¢mico prejudicar os interesses norte-americanos na região, pois além de ser um elemento que agrega tensões regionais, ainda se apossou de cidades e regiões que produzem grande quantidade de petróleo. Uma delas é Mossul, cidade iraquiana em que os membros do Estado Islà¢mico destruíram estátuas e monumentos milenares. Essa cidade produz cerca de 2 milhões de barris de petróleo diários. Também controla a planta de gás de Shaar e Baiji, onde está a maior refinaria de petróleo do Iraque.

Portanto, com a expansão do Estado Islà¢mico a máquina de guerra norte-americana se colocou novamente em movimento. Amparado por uma situação de recuperação econômica no plano interno, Barack Obama que havia se limitado até o momento a bombardeios aéreos, está propondo uma nova orientação militar. Orientação essa que se soma ao fortalecimento de alianças regionais, cujos exércitos e milícias atuam como sua força no terreno de batalha. Dentre esse aspecto que envolve alianças há o fortalecimento da estabelecida com a Turquia, que prevê treinamento de 1200 turcos com um programa que deve começar em março desse ano. Esse programa deveria expandir-se por três anos, e incluiria também outros apoiadores regionais dos Estados Unidos, como é a Arábia Saudita e a Jordânia, para chegar a 15 mil membros.

Financiar exércitos locais, milícias ou mesmo organizações terroristas para garantir seus próprios interesses, é uma prática imperialista antiga e amplamente conhecida. Assim foi quando os EUA financiaram a Al Qaeda, de Osama Bin Laden, contra a invasão da URSS ao Afeganistão. Não são poucos os que defendem que o próprio Estado Islà¢mico encontrou apoio e armas entre as alas mais radicais dos republicanos, como a liderada pelo senador John McCain, que esteve na Síria para dialogar com setores que compunham a oposição ao regime. Dessa forma, não se pode descartar que como resultado dessa complexa situação, novas organizações hoje aliadas e financiadas pelos Estados Unidos emirjam num futuro próximo agregando complexidade ã situação aberta, e ao que tudo indica, muito longe de uma resolução.

As dificuldades de banir operações de combates duradouras

Porém, ainda que priorize a utilização de tropas turcas e de demais aliados, Barack Obama apresentou em fevereiro ao Congresso norte-americano uma proposta para autorização de guerra, que legitime as ações contra o Estado Islà¢mico, que na verdade já vem sendo feitas. A diferença que consta na carta apresentada, é que Obama baniria o que chamou de “operações de combate duradouras”, e pede o apoio do Congresso norte-americano.

Trata-se de uma formulação abstrata para um propósito bastante concreto: o de ganhar o apoio daqueles setores que defendem uma guerra terrestre. Em outras palavras, na prática significaria um endurecimento da ofensiva imperialista sobre os países e os povos da região, mediante incursões terrestres de tropas especiais com a duração de até três anos, sob o pretexto de evitar que os conflitos se estendam, possibilidade essa que até agora não havia sido considerada.

Para financiar essa nova orientação militar, Obama solicitou a liberação de 8,8 bilhões de dólares, dos quais 5,3 bilhões deveriam ser aplicados pelo Pentágono no programa Inherent Resolve, no Iraque e na Síria. Ou seja, apesar de afirmar que guerras como as do Iraque e do Afeganistão da primeira década do século não serão repetidas, o projeto antevê lacunas e ambiguidades que podem ser usados de maneira ainda indeterminada.

As dificuldades de uma política desse tipo são evidentes. Em primeiro lugar, as incursões terrestres para serem breves como pretende Obama teriam que ser também custosas e altamente violentas, e não resolveriam o problema do que ficaria depois caso lograssem derrotar o Estado Islà¢mico na Síria ou no Iraque. A polarização promovida pelas milícias xiitas por um lado, e pelo Estado Islà¢mico por outro, não necessariamente cessaria com a retomada do controle de Mossul ou de Tikrit.

É produto de uma política imperialista de fomentar a divisão entre esses dois setores desde a ocupação norte-americana, e que pode dar lugar ã formação de novas organizações que ameacem a viabilidade do Estado. A própria aproximação dos xiitas iraquianos com os iranianos também é um ponto de tensão que não se resolve tão facilmente. Na Síria as possíveis incursões terrestres norte-americanas teriam ainda mais dificuldades. Isso por que a oposição moderada síria, para a qual os Estados Unidos sempre estendeu seus braços, sofreu uma importante divisão, com setores outrora parte do Exército Sírio Livre negando-se a se opor ao Estado Islà¢mico, o que dificulta ações limitadas, rápidas e apoiadas por forças locais como as prometidas por Obama.

Os reais interesses de Obama

Eleito prometendo que acabaria com as guerras e ocupações que o imperialismo protagoniza no Oriente Médio, Obama manteve cerca de 2000 soldados no Iraque. Agora o sentido real da medida militar apresentada, para além de uma confissão velada de que não se pode ganhar uma guerra apenas com bombardeios aéreos, constitui-se como uma tentativa de ampliar a dominação imperialista sobre o Iraque e a Síria. Como o financiador de outrora de grupos como a Al Qaeda, o imperialismo norte-americano tampouco está preocupado com as vidas que o Estado Islà¢mico está tirando naqueles países, ou com a opressão que promove contra os povos da região. Os Estados Unidos são, ao lado das burguesias locais, os verdadeiros responsáveis pela existência e ampliação do domínio do Estado Islà¢mico. Não se pode descartar inclusive que essa orientação tenha como motivação secundária controlar também a ação das milícias do YPJ, que recentemente se tornaram célebres por terem imposto ao Estado Islà¢mico uma derrota importante em Kobane.

Nesse sentido, nenhuma resposta progressista pode vir das mãos do imperialismo, e de suas ofensivas militares. Como observou o analista Robert Fisk no jornal britânico The Independent: “O mesmo grupo de assassinos armados que enviamos ao Iraque vai ficar em liberdade para ensinar a nossos “aliados” na Síria – milícias seculares “moderadas”, certamente – as mesmas táticas viciosas que utilizaram contra a população civil no Iraque. E os mesmos mísseis serão utilizados – com enorme benefícios, naturalmente – nos povos do Oriente Médio, do EI ou não. É por isso que o relatório de De Luce seja talvez o mais importante de toda a guerra na região.” Esse é o “modus operandi” do imperialismo. E quem sofre com ela são as populações civis, sunitas ou xiitas, do Iraque e da Síria.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)