FT-CI

MÉXICO

Massificar a luta contra Peña Nieto e a democracia assassina do PRI-PAN-PRD*

17/01/2015

Massificar a luta contra Peña Nieto e a democracia assassina do PRI-PAN-PRD*

Depois das ações multitudinária de outubro e novembro de 2014, o movimento realizou novas ações pelo aparecimento com vida dos normalistas, como as mobilizações de 26 da dezembro e as que leva adiante o professorado de Guerrero, junto aos pais dos desaparecidos e aos normalistas de Ayotzinapa.

Agora se somam outros setores – como os trabalhadores e estudantes de enfermagem-, que podem alimentar a vinda de outro sindicatos e trabalhadores que estão sentindo os duros planos reacionários deste Governo, como é o caso dos trabalhadores petroleiros, onde se anunciaram 10.000 demissões, ou do professorado de oaxaca contra a federalização dos salários.

Por sua vez, a Coordenação Nacional de Trabalhadores da Educação votou um plano nacional de luta em solidariedade ás demandas dos normalistas de Ayotzinapa e dos pais dos desaparecidos, junto a outra demandas sociais e trabalhistas.

O desprestigio do Governo de das instituições de aprofundou. A denuncia da participação do exército no desaparecimento dos normalistas, e as ameaças repressoras – concentradas contra aquele que se mobilizaram no Batalhão 27 de Infantaria de iguala – demonstram o verdadeiro carater das instituições do estado.

A tendência ã crise política – em um contexto nublado na economia – é alimentada com novas crises em distintos estados do país – como Guerrero -, onde o Governo evidencia a dificuldade para estabilizar e garantir a governabilidade. Diferentes setores estão colocando, ás vésperas das eleições intermediárias deste ano, a proposta de boicotar as eleições por muitas vias (link em Espanhol).

Frente a isso, é necessário fortalecer e massificar a luta contra Peña nieto e esta democracia bárbara do PRI, PAN e PRD.

Por uma grande mobilização nacional

É por isso que, a partir do Movimento dos Trabalhadores Socialistas, como se pode acompanhar em nossa página virtual www.mtsmexico.org, propomos impulsionar uma nova e grande mobilização nacional que golpeie o governo de Peña Nieto e mostre que o movimento continua crescendo.

Os sindicatos e organizações populares tem que colocar toda sua força, fazendo do oitavo Dia de Ação Global convocado para dia 26 de janeiro, uma jornada que agrupe milhões nas rua de todo o pais, e que retome o que iniciamos em 20 de novembro com a paralisação dos telefonistas e outros setores.

Impulsionemos um encontro nacional de luta

Para fortalecer e ampliar o movimento, é essencial construir uma coordenação baseada em delegados de base. Recentemente, a Assembléia Nacional Popular votou uma “reunião das representações das difeentes unidades, sindicatos, organizações sociais e coletivos”. Isso pode ser uma passo adiante: mas é essencial que os grandes sindicatos se somem ativamente a esta coordenação.

Nesse sentido, é preciso tomar medidas concretas, como realizar um grande Encontro Nacional de Luta, com delegados revogáveis e com mantado de base, onde se discuta um Plano Nacional unificado.

Devem ser parte desta coordenação nacional – entre outros – a União Nacional de Trabalhadores (que concentra os telefonistas, trabalhadores universitários e outros setores), o professorado democrático organizado na CNTE [Coordenação Nacional de Trabalhadores da Educação, em português. N.T.] e o sindicato Mexicano de Eletricistas, mas também os estudantes e trabalhadores de enfermagem em luta e organizações estudantis como a Assembléia Interuniversitária.

Uma necessidade que surge das atuais mobilizações é um programa unificado que – partindo da luta contra Peña nieto e o PRI-PAN-PRD e pela aparição com vida dos normalistas -, integre as demandas dos demais setores: como a liberdade aos presos políticos, a investigação aos assassinatos de periodistas, e contra as reformas no setor de saúde.

Os trabalhadores devem encabeçar a luta

É imprescindível somar à luta os setores mais amplos do movimento operário: dos sindicatos que se reivindicam oposição, aos milhões que não tem sindicatos, ou que sofrem a opressão dos agentes oficialistas.

Desde outubro, no Movimento dos Trabalhadores socialistas, em distintos fóruns, assembleias e mobilizações de rua, propusemos preparar as condições de uma verdadeira Greve Geral Política, até que caiam Peña Nieto e o PRI-PAN-PRD, e impor um governo provisório das organizações operárias, camponesas e populares em luta.

Contra qualquer ilusão de que é possível reformar as instituições, é preciso lutar até o final para acabar com as instituições desta democracia bárbara, que é irreformável e está a serviço dos patrões e do governo dos EUA.

Este governo provisório das organizações em luta poderia convocar uma Assembleia Constituinte Livre e Soberana, para discutir e resolver as demandas longamente adiadas.

Por uma Assembleia Constituinte realmente livre e soberana

Mas esta Assembleia não pode ser convocada por este regime político nem se realizar enquanto Peña Nieto se mantenha no poder. Impulsionemos sobre as ruínas destas instituições – como o Congresso, a Justiça, os governos estatais e municipais em conspiração com o narcotráfico -, organizada de forma independente dos partidos desta democracia assassina, sem nenhuma restrição e com acesso igualitário aos meios de comunicação para as organizações operárias, camponesas, populares e de esquerda, com representantes eleitos por sufrágio universal a cada 50 mil habitantes, que sejam revogáveis e que recebam o mesmo que um professor, ontem votem todo os maiores de 16 anos.

Alí deveremos discutir – junto ao aparecimento com vida de nossos companheiros, a liberdade dos presos políticos, contra a militarização e os feminicídios – como enfrentaremos o Tratado de Livre Comércio e todos os pactos que nos atam ao imperialismo.

Assim como devemos colocar abaixo todas as reformas reacionárias – como a energética, educacional e trabalhista -, resolver a demanda de terra para os camponeses e a autodeterminação dos povos indígenas, e pôr fim a entrega dos recursos naturais ás transnacionais.

Para impor esta perspectiva, será necessária a mobilização revolucionária dos trabalhadores e o povo e o desenvolvimento de seus organismo de democracia direta. Nesta luta, os socialistas do MTS colocaríamos que é preciso ir até o final, expropriando os capitalistas e as transnacionais e acabando com este sistema de exploração e barbárie.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)