FT-CI

NOVO ATAQUE ISRAELENSE AO POVO PALESTINO

Fim ã ofensiva militar na Faixa de Gaza

17/07/2014

Fim ã ofensiva militar na Faixa de Gaza

Desde a madrugada de segunda-feira, 07/07 o Estado de Israel laçou uma ofensiva militar chamada “Barreira Protetora” sobre a Faixa de Gaza consistindo no bombardeio massivo deste território palestino densamente povoado e ameaçando com uma incursão terrestre.

Em apenas dois dias lançou por terra, mar e ar mais de 400 toneladas explosivos, causando graves danos materiais, mais de 60 mortos em sua maioria civis (quantidade em constante aumento) e centenas de feridos. A ofensiva já é a mais importante desde 2012 e é provável uma incursão terrestre para o que foram mobilizados centenas de tanques e blindados e milhares de soldados na fronteira. O ministro de Defesa, Moshe Yaalon, advertiu que o operativo militar “não terminará em poucos dias”.

Novas desculpas para a ofensiva militar e a repressão

O governo sionista do primeiro-ministro Benjamín Netanyahu, do partido Likud (A Consolidação), que governa a coalizão com o ultra-direitista Israel Beitenu (Israel nossa casa) do chanceler Avigdor Lieberman, tenta justificar estes novos ataques sangrentos no lançamento de mísseis por parte do Hamas, o movimento islamista que governa a Faixa após haver-se imposto nas eleições de 2006. A ultra-direita sionista encabeçada por Lieberman vinha pressionando fortemente por uma ação militar e até anunciou a ruptura da coalizão eleitoral com o Likud, ainda que não rompa com o governo. A ofensiva também conta com o aval explícito do imperialismo norte-americano (e europeu) que reivindicou o “direito de Israel a defender-se”.

A escalada havia começado algumas semanas atrás com o sequestro de 3 jovens israelenses posteriormente encontrados mortos na Cisjordânia, crime que Israel atribuiu ao Hamas e que nem esta organização (nem nenhuma organização palestina) nunca reconheceu. Netanyahu pôs em marcha então uma série de bombardeios “seletivos” e incursões com comandos noturnos que irromperam em dezenas de lares palestinos “a procura de criminosos”. Esta operação (“Guardião de meu Irmão”) causou vários mortos e mais de 400 detidos, em sua maioria militantes do Hamas e seus familiares, o que provocou mobilizações e protestos em distintas cidades da Cisjordânia fortemente reprimidas pelo exército sionista.

Promovendo o ódio nacionalista

Deste modo, o governo fomentou o ódio antipalestino, o que provocou diversos atos de linchamento de setores israelenses direitistas sobre a população palestina e que terminou com o selvagem assassinato de um jovem palestino em Jerusalém, queimado vivo por jovens israelenses. Também circularam pelo mundo as imagens do brutal espancamento pela polícia israelense sobre um garoto palestino de 15 anos preso durante a repressão a uma marcha. Desta maneira o governo de Netanyahu é responsável direto de todos estes crimes e violações aos direitos humanos, assim como o principal promotor dos enfrentamentos entre a população palestina e israelense.

Os verdadeiros objetivos do ataque ao povo palestino

Esta nova ofensiva nada tem a ver com a farsa de “proteger a segurança de seus cidadãos”, razão pela qual afastou e impediu sistematicamente qualquer avanço no “plano de paz” inclusive mesmo estando desenhado a suas medidas e têm o aval norte-americano. O objetivo principal do governo israelense é romper o acordo de governo unificado da Cisjordânia e da Faixa, assinado em junho pelo Al Fatah e o Hamas, porque eventualmente poderia fortalecer a posição negociadora palestina (apesar de que a Autoridade Palestina vem submetida ã política de Israel e do imperialismo), e é parte da estratégia de Israel de seguir avançando na ocupação, por meio dos assentamentos de colonos judeus nos territórios ocupados em 1967 e impedir qualquer perspectiva de autodeterminação nacional palestina.

Ante a escalada da situação, Abbas, seguindo a linha da Rússia e dos Estados árabes que se pronunciam por um cessar fogo imediato e pediram uma reunião do Conselho de Segurança da ONU, repudiou os ataques israelenses e aposta na “pressão internacional” sobre Israel para freá-los. Pelo contrário, o Hamas chama a combater, redobrou o lançamento de mísseis (que têm um mínimo efeito destrutivo), prometeu um “terremoto” se Israel invade a Faixa e até declarou a todos os israelenses como “brancos legítimos”.

É incerto até onde chegará a escalada militar e os efeitos que possa provocar em uma região tão instável como o Oriente Médio, e onde a grande maquinaria militar sionista sofreu importantes reveses como no Líbano em 2006. Mas o certo é que todos os oprimidos e explorados em qualquer lugar do mundo devemos nos solidarizar com a causa palestina e lutar pelo cessar imediato dos ataques israelenses na perspectiva de por fim ã ocupação dos territórios da Palestina histórica e ã opressão sobre os povos árabes por parte do Estado de Israel.

Chaves:

O Estado de Israel

É um estado artificial, montado pelo imperialismo com o aval da ONU em 1948 e baseado na limpeza étnica do povo palestino originário desses territórios. Utilizou a guerra, bombardeios e outras operações militares como método corrente para manter o domínio sobre os povos árabes. Legalizou a tortura e os assassinatos seletivos de dirigentes e militantes.

Por isso não pode haver uma solução de fundo sem desmantelar este Estado baseado na limpeza étnica e construir uma Palestina livre, independente e laica sobre o conjunto de seus territórios históricos, onde possam conviver em paz palestinos e israelenses, uma Palestina operária e socialista.

As Ofensivas militares e bloqueio sobre a Faixa de Gaza desde 2006

Junho-Novembro 2006: Operação Chuva de Verão (Junho). Foram detidas várias dezenas de altos dirigentes do Hamas. Operação Nuvens de Outono (Novembro). Durante estes meses morreram mais de 400 palestinos. Desculpa: sequestro do soldado israelense Gilad Shalit

Junho 2007: Hamas assumiu o governo na Faixa. Israel estabeleceu um férreo bloqueio comercial e financeiro por ar, mar e terra.

Fevereiro- Março 2008: Operação Inverno Quente. Fortes bombardeios causaram centenas de palestinos mortos. Desculpa: morte de um israelense atingido por um míssil do Hamas.

Dezembro 2008: Operação Chumbo Fundido. Após 20 dias de bombardeios o exército entrou na Faixa, sendo o maior operativo militar que causou 1400 palestinos e 13 israelenses mortos. Desculpa: lançamento de mísseis (de curto alcance e escassa eficácia) do Hamas.

Novembro 2012: Operação Pilar Defensivo. Israel bombardeou a Faixa durante 8 dias matando quase 200 palestinos. Desculpa: lançamento de mísseis do Hamas. Alguns superam os 40 km de alcance e chegam a Tel Aviv, ainda que sem maiores danos e sendo interceptados pelo sistema anti-mísseis Cúpula de Ferro.

Al Fatah: principal corrente da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), cujo dirigente histórico era Yasser Arafat. Em finais dos anos 80 reconheceu ao Estado de Israel e passou a uma poítica de conciliação como parte de sua estratégia de criar um Estado palestino nos territórios ocupados desde 1967. Com a morte de Arafat em 2004 e a nova condução de Abbas, avançou a uma política aberta de colaboração e é a causa em última instância do crescimento na popularidade do Hamas.

Hamas: Organização palestina fundada em 1987. Sua estratégia é estabelecer um Estado islà¢mico no conjunto do território histórico da Palestina e se localiza numa posição mais radical que o Al Fatah, já que segue sem reconhecer a legitimidade do Estado de Israel, ainda que nos últimos anos deu sinais de querer moderar esta postura e mantém uma política de resistência armada ã ocupação.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)