FT-CI

ARGENTINA - FRENTE DE ESQUERDA

A “Frente Única” como justificativa para disputar candidaturas

07/07/2015

A “Frente Única” como justificativa para disputar candidaturas

Grande parte do discurso de encerramento de Jorge Altamira no ato do Estádio de Ferro, foi dedicado a polemizar elipticamente contra PTS, que supostamente "não entende" que a FIT é uma forma de Frente Única.

Nesta área, Altamira criou enorme confusão entre o significado da Frente Unida para a organização e a luta da classe trabalhadora, ã qual o PO historicamente sempre se opôs (e seria muito saudável se mudasse agora), e uma suposta "Frente Unida" no campo eleitoral, que tem sido a base histórica dos acordos frentepopulistas que liquidaram a independência política dos trabalhadores (tais como a Frente do Povo primeiro e Esquerda Unida depois, entre o velho MAS e PC nos anos 80).

Altamira já havia afirmado em uma entrevista que deu ao jornal da Esquerda Socialista (El Socialista N°292) que "A defesa da Frente Única é a grande delimitação estratégica e de princípios no interior da Frente de Esquerda". Pretende justificar, assím, a criação de chapas para as eleições primárias argentinas (PASO), o que é ridículo como uma diferença "estratégica e de princípios" pode ser resolvida em uma eleição primária burguesa?

Vamos primeiro tentar esclarecer as confusões, uma vez que o objetivo de armar "fracionalmente" seus militantes contra o suposto "sectarismo" do PTS, levou o PO para fundamentar afirmações que não têm nada a ver com as lições táticas e estratégicas do primeiro congresso da Internacional Comunista que nós marxistas reivindicamos.

O marxismo revolucionário sempre defendeu que, na arena eleitoral, não se trata de "Frente Única", mas de agitação política programática para as massas. A Frente Única dos trabalhadores é para a ação (como disse o próprio Altamira, mas referindo-se ã "ação eleitoral"). A frente eleitoral é para a difusão de idéias e de um programa.

Apesar na história das organizações operárias revolucionárias têm sido lícitas as táticas específicas como o voto a partidos operários de massa reformistas, mesmo nestes casos, o fundamental é a agitação política independente dos reformistas.

A Frente Única operária e dos trabalhadores, para a ação, não necessita de um programa político acabado mas um programa de acção progressiva da classe trabalhadora, tanto defensiva (tais como as promovidas no Terceiro Congresso da Internacional Comunista, contra vários ataques do capital sobre os trabalhadores e suas organizações) ou ofensivo (com a criação dos conselhos ou sovietes de trabalhadores, como Trotsky levantou na História da Revolução Russa). Trotsky apontou que desta forma a frente única operária permitiu trabalhadores de se organizarem nas mais amplas massas exploradas e oprimidas, onde a democracia dos trabalhadores é desenvolvido através da liberdade de tendências no contexto da tomada do poder. Isto Altamira mencionou no ato, o que alcança dois grandes problemas.

Por um lado, o PO historicamente sempre se opôs ã organizar coordenações entre os sectores em luta, experiências embrionárias "conselhistas", como a Coordenadora de Alto Vale que foi impusionada pelos trabalhadores de Zanon junto com as organizações de desempregados. Nós sempre fomos acusados de "fetichistas soviéticos" como se despreciássemos a construção do partido pela ênfase que sempre demos a auto-organização das massas (trabalhadores, estudantes e todo povo pobre) e de sua vanguarda. Inclusive no ano passado o PO se opos ao Encontro Sindical Combativo de Atlanta, que dirigimos junto a Polo Sobrero, a Esquierda Socialista (ES) e a Perro Santillan, e boicotaram os encontros regionais posteriores, onde participaram milhares de trabalhadores (particularmente na Zona Norte, onde se prepararam os conflitos de Gestamp, Lear e Donnelley, os mais duros de 2014). Além disso, Altamira apresentou a "Frente Única", incluindo o desenvolvimento da democracia dos trabalhadores dentro do seu interior e o governo dos trabalhadores como "máxima expressão" da mesma. Mas o que não é dito é que a democracia operária (ou soviética) é o meio pelo qual o partido revolucionário tem que derrotar todas as tendências centristas e reformistas dentro dos "sovietes", porque se não eles vão se tornar organizações conciliatórias no regime burguês (como na própria Revolução Russa entre fevereiro e outubro de 1917, e a Revolução Alemã 18-19, por exemplo).

Por tudo isso, a FIT não é uma "frente única" mas sim um pólo político-programático com base na independência de classe entre correntes que nos consideramos operárias e socialistas, altamente progressivo em um país onde a classe trabalhadora tem sido levada a duras derrotas pela direção burguesa do peronismo e a burocracia sindical, que em grande parte permanecem. Na tradição do marxismo revolucionário do século XX, não se pode encontrar exemplos de partidos revolucionários importantes que surgiram como "Frente Única" em alianças eleitorais com reformistas, pequenoburgueses e/ou populistas. Pelo contrário, esse tipo de "experiências" eleitorais foram sempre fortemente denunciadas por Trotsky e outros marxistas como frentes populares ou "embrião" disso. Isto é, as organizações para "anestesiar" e enganar a classe operária e sua vanguarda.

O discurso de Altamira trata de desenvolver um giro que vem dando o PO: do sectarismo no sentido de reais frentes únidas, a defesa da frentes eleitorais como se fossem "frentes únicas". Lembre-se que Solano, na Prensa Obrera de 21/5, já havia argumentado que "Não deixamos em nenhum momento de lado a defesa e propaganda do nosso programa, mas subordinamos e complementamos ao desenvolvimento da frente única". Ou seja, que "subordinam" a "defesa" do programa, a um acordo com as correntes frentepopulistas, como se fosse uma Frente Única operária, que (reiteramos) é sempre a luta, para "golpear juntos e marchar separados".

Parte dos ataques de PO ao PTS é dizer que para nós a FIT é um "terreno em disputa", tentando dar a entender que não nos interessa seu progresso como uma coalizão política de independência de classe, uma questão absolutamente desmentida pelas prévias campanhas eleitorais aonde assumimos a responsabilidade central em Mendoza, Santa Fé e Neuquén, e militando em pé de igualdade no Centro Autônomo de Buenos Aires e Córdoba.

Outra questão é que mesmo sem ser uma "Frente Única" mas um polo de independência de classe, na medida em que não somos um partido comum, haverá tensões, lógicas, debates e controvérsias em defesa das posições por cada partido. O próximo ascenso operário confirmará na experiência viva da luta de classes a correção da orientação tática e estratégica de cada organização, e abrirá o caminho para as rupturas e fusões que tenham a construir um grande partido revolucionário comum.

As diferenças teóricas sobre a Frente Única e as frentes eleitorais que já observamos, não constituem no dia de hoje diferenças no terreno político de uma magnitude tal que justifiquem a ruptura da frente por questões programáticas. As diferenças sobre como incorporar as correntes que se aproximam da FIT que ainda não compartilham seus princípios e programa constitutivos, não tem nada a ver com as PASO, porque nelas apenas se expressam as principais candidaturas que o PO aspira em conservar, acompanhado por ES, que é a verdadeira explicação de sua negativa em concordar com uma fórmula e uma lista comum das três correntes da FIT. Altamira deu peso ã questão da "frente única" no ato de Ferro pois não tem outro propósito senão o de ignorar os nossos apelos e dar uma unidade a sua militância baseada em atacar o "sectarismo" de PTS.

Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periódicos

  • EDITORIAL

    PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • EDITORIAL

    LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)