FT-CI

As relações mais tensas desde o fim da “guerra fria”

Fortes rusgas entre a Rússia e os Estados Unidos

19/06/2007

Nas semanas anteriores ã reunião do G-8 na Alemanha, as relações entre os EUA e a Rússia vinham sendo cada vez mais tensas, desde o anúncio norte-americano de instalar um escudo antimíssil na República Tcheca e Polônia. Já durante a reunião dos sete países mais poderosos do mundo e Rússia, esta discussão ofuscou inclusive os esforços da chanceler alemã, Angela Merkel, de sair da cúpula com alguma resolução referente ao meio ambiente. Apesar das discussões e a votação sobre a emissão de gases e o pacote condicionado de 60.000 milhões de dólares “para ajudar” a África, o enfretamento Rússia-EUA ganhou protagonismo.

As relações entre a Rússia e os Estados Unidos são as mais tensas desde o fim da chamada Guerra Fria, permeadas pela proposta norte-americana de instalar um sistema de mísseis defesa (BMD, por suas siglas em inglês) na República Checa e Polônia e em resposta a ameaça russa de instalar mísseis apontando para Europa. Apesar de que tanto Putin como Bush, disseram repetidamente que não é um retorno da guerra fria, a disputa é a primeira grande ruptura nas relações entre ambos em quase duas décadas. As declarações públicas de ambos lados refletem um confrontamento crescente resultante da política agressiva dos EUA de conter a influência russa e assegurar o poder norte-americano nas antigas repúblicas soviéticas e na esfera de influência tanto na Ásia Central (em especial sobre o Mar Cáspio e seus recursos petroleiros) e no Leste Europeu, e o giro do regime russo (que tenta realizar suas aspirações como poder regional e mundial), fortalecido pelos altos preços do petróleo e pela débâcle norte-americana no Iraque.

Washington e o Kremlin se encontram imersos em uma disputa que não só ameaça sua relação, mas também os acordos de cada um com a OTAN (Organização do Tratando do Atlà¢ntico Norte). Esta última aliança criada há mais de 60 anos surgiu como uma ferramenta para conter a influência soviética, por sua vez como um instrumento dos EUA para exercer sua hegemonia sobre seus próprios aliados. Desde o fim da guerra fria se expandiu até o quintal traseiro russo. A organização hoje é o dobro de seu tamanho original e sua expansão significou uma justaposição de necessidades e requerimentos extremamente complexos para a manutenção e coesão. Agora a OTAN, tem sua primeira crise real desde a entrada de novos membros - a maioria do centro e leste da Europa - em 2004. Muitos desses membros, assim como alguns antigos membros, não estão convencidos de que os EUA irão se arriscar por eles contra a Rússia.

Levemos em conta que historicamente durante a chamada guerra fria e apesar de toda sua retórica anticomunista, Washington respeitou escrupulosamente a zona de influência russa como foi o caso na Hungria em 1956, Tchecoslováquia em 1968 e mais tarde na Polônia. Se durante esse período os europeus tinham dúvidas de que o EUA tivesse a vontade de arriscar-se ã destruição de Nova Iorque para proteger Paris ou Berlim, hoje é vinte vezes mais duvidoso que os EUA tome tal aposta para defender Sofia ou Budapeste. Enquanto alguns, como Grã Bretanha, România, Polônia e os estados Bálticos, ainda apóiam a OTAN e Washington, muitas importantes figuras já emergiram. A Rússia está tentando explorar esses problemas em função de aprofundar a brecha que permita uma crise ou ruptura aberta da aliança. Esse é o sentido, depois de dias de beligerância, da proposta de Putin de instalar o sistema de mísseis de defesa contra países “perigosos” como Irã (segundo EUA) em Azerbaquistão. No marco em que muitos estados europeus temem que o plano norte-americano provoque desnecessariamente que Moscou seja mais agressivo com a Europa, a nova oferta de Putin aparecendo como “razoável” e “oferecendo” cooperar com o BMD, é pode desvencilhar a política européia de Washington de uma maneira que não foi feita desde o fim da guerra fria.

Grandes tensões no terreno mundial

Enquanto as preocupações diplomáticas e militares dos EUA e Irã estão absorvidas pelo Iraque, nenhum dos dois tem suficiente para se dedicar a empresas maiores maiores. Irã tem profundos interesses em Azerbaquistão e Turcomenistão - estados críticos para Moscou - mas as preocupações iranianas com Iraque impediu que Teerã interviesse e capitalizasse as recentes oportunidades que se abriram.
Esta complicada situação com a Rússia se dá, nem mais nem menos, que com o pântano iraquiano de fundo, o que tem impedido os EUA a desafiar até o final as atuais tentativas russas de rediscutir os acordos de segurança da Europa a seu próprio favor e contrariamente aos avanços norte-americanos das décadas passadas. Ainda que os EUA estejam tentando sair desta situação, como demonstra a primeira reunião bilateral de alto nível entre Irã e EUA em quase três décadas e apesar do auspiciosa da reunião, esta tarefa não será fácil nem rápida. São estas circunstâncias as que possibilitam que agora a Rússia pressione.

A débâcle norte-americana no Iraque resultou em uma aceleração de seu declínio hegemônico. Isto não quer dizer que os EUA abandonasse o jogo nem que tenha aceitado o fim da “unipolaridade”. Reconhecendo o dano causado por sua distração no Iraque um EUA desesperado e determinado está refocando seu projeto geopolítico de restaurar seu desgastado poder global. Este é o sentido estratégico das atuais negociações no Iraque (que os impedem de projetar seu poder global por uma guerra contra insurgência de desgaste que não pode ganhar) e da nova ofensiva da OTAN no terreno europeu.

Por sua parte, a Rússia está atuando contra as políticas e ideologias que ainda se acomodam na unipolaridade (ou suas ressurgentes manifestações) e contrariamente aos instrumentos de sua perpetuação como a OTAN. Em outras palavras, a Rússia busca ativa, e agora, abertamente terminar com a atmosfera de aceitação dos ditados do EUA, surgida do mundo pós-1991 (débâcle da ex-URSS e triunfo contundente dos EUA na primeira Guerra do Golfo), e que conduziram a década de 90 ao domínio indiscutível dos EUA. Recordemos que durante esses anos os EUA mantiveram a hegemonia (e em certa medida a reforçaram) com o consenso das potências menores, que temerosas com enfretamento ou a se opor ã “última superpotência existente”, e incertas sobre sua própria capacidade de influência, permitiram que Washington dominasse no plano “econômico” sem as obstruções, reticências e oposições que hoje em dia estão emergindo. Neste novo período, os EUA teriam que tomar em conta mais seriamente a Alemanha, a ressurgente Rússia ou a ascendente China, questão que apresenta resistência no próprio EUA, como mostra a ofensiva contra a Rússia, o crescente clima protecionista no Congresso ou a hostilidade do stablisment militar contra a China. Em um sentido, poderíamos dizer que a forma com que a relação de forças entre as grandes potências pós-debacle iraquiano estão jogando ou buscando se consolidar, depende de quão avançado se vê o declínio hegemônico norte-americano. O primeiro teste desta nova disputa é novamente a questão da independência de Kosovo, saída que os EUA apóiam abertamente como mostrou Bush em sua recente viajem ã Albânia onde foi aclamado como herói e a Rússia a rechaça do plano, com Alemanha e França no meio. Em conjunturas críticas como esta, o mundo volta a se carregar de grandes tensões.

  • TAGS
Notas relacionadas

No hay comentarios a esta nota

Periodicos

  • PTS (Argentina)

  • Actualidad Nacional

    MTS (México)

  • LTS (Venezuela)

  • DOSSIER : Leur démocratie et la nôtre

    CCR NPA (Francia)

  • ContraCorriente Nro42 Suplemento Especial

    Clase contra Clase (Estado Español)

  • Movimento Operário

    MRT (Brasil)

  • LOR-CI (Bolivia) Bolivia Liga Obrera Revolucionaria - Cuarta Internacional Palabra Obrera Abril-Mayo Año 2014 

Ante la entrega de nuestros sindicatos al gobierno

1° de Mayo

Reagrupar y defender la independencia política de los trabajadores Abril-Mayo de 2014 Por derecha y por izquierda

La proimperialista Ley Minera del MAS en la picota

    LOR-CI (Bolivia)

  • PTR (Chile) chile Partido de Trabajadores Revolucionarios Clase contra Clase 

En las recientes elecciones presidenciales, Bachelet alcanzó el 47% de los votos, y Matthei el 25%: deberán pasar a segunda vuelta. La participación electoral fue de solo el 50%. La votación de Bachelet, representa apenas el 22% del total de votantes. 

¿Pero se podrá avanzar en las reformas (cosméticas) anunciadas en su programa? Y en caso de poder hacerlo, ¿serán tales como se esperan en “la calle”? Editorial El Gobierno, el Parlamento y la calle

    PTR (Chile)

  • RIO (Alemania) RIO (Alemania) Revolutionäre Internationalistische Organisation Klasse gegen Klasse 

Nieder mit der EU des Kapitals!

Die Europäische Union präsentiert sich als Vereinigung Europas. Doch diese imperialistische Allianz hilft dem deutschen Kapital, andere Teile Europas und der Welt zu unterwerfen. MarxistInnen kämpfen für die Vereinigten Sozialistischen Staaten von Europa! 

Widerstand im Spanischen Staat 

Am 15. Mai 2011 begannen Jugendliche im Spanischen Staat, öffentliche Plätze zu besetzen. Drei Jahre später, am 22. März 2014, demonstrierten Hunderttausende in Madrid. Was hat sich in diesen drei Jahren verändert? Editorial Nieder mit der EU des Kapitals!

    RIO (Alemania)

  • Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica) Costa Rica LRS En Clave Revolucionaria Noviembre Año 2013 N° 25 

Los cuatro años de gobierno de Laura Chinchilla han estado marcados por la retórica “nacionalista” en relación a Nicaragua: en la primera parte de su mandato prácticamente todo su “plan de gobierno” se centró en la “defensa” de la llamada Isla Calero, para posteriormente, en la etapa final de su administración, centrar su discurso en la “defensa” del conjunto de la provincia de Guanacaste que reclama el gobierno de Daniel Ortega como propia. Solo los abundantes escándalos de corrupción, relacionados con la Autopista San José-Caldera, los casos de ministros que no pagaban impuestos, así como el robo a mansalva durante los trabajos de construcción de la Trocha Fronteriza 1856 le pusieron límite a la retórica del equipo de gobierno, que claramente apostó a rivalizar con el vecino país del norte para encubrir sus negocios al amparo del Estado. martes, 19 de noviembre de 2013 Chovinismo y militarismo en Costa Rica bajo el paraguas del conflicto fronterizo con Nicaragua

    Liga de la Revolución Socialista (LRS - Costa Rica)

  • Grupo de la FT-CI (Uruguay) Uruguay Grupo de la FT-CI Estrategia Revolucionaria 

El año que termina estuvo signado por la mayor conflictividad laboral en más de 15 años. Si bien finalmente la mayoría de los grupos en la negociación salarial parecen llegar a un acuerdo (aún falta cerrar metalúrgicos y otros menos importantes), los mismos son un buen final para el gobierno, ya que, gracias a sus maniobras (y las de la burocracia sindical) pudieron encausar la discusión dentro de los marcos del tope salarial estipulado por el Poder Ejecutivo, utilizando la movilización controlada en los marcos salariales como factor de presión ante las patronales más duras que pujaban por el “0%” de aumento. Entre la lucha de clases, la represión, y las discusiones de los de arriba Construyamos una alternativa revolucionaria para los trabajadores y la juventud

    Grupo de la FT-CI (Uruguay)